A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

26/07/2012 19:11

Para Iago, o momento da perda de um irmão virou um buraco na memória

Nicholas Vasconcelos
Iago só lembra que saía de uma festa da casa amigos e depois acordou na Santa Casa de Campo Grande. A mãe, desistiu de andar de moto. (Foto: Pedro Peralta)Iago só lembra que saía de uma festa da casa amigos e depois acordou na Santa Casa de Campo Grande. A mãe, desistiu de andar de moto. (Foto: Pedro Peralta)

A madrugada do dia 24 de junho ainda é muito presente na família do militar Diego de Lima da Silva, 22 anos, morto após colidir a motocicleta que conduzia contra um poste em Campo Grande.

Veja Mais
A dor da esposa que perdeu o marido no caminho de volta para casa
Um minuto de bobeira e Kelvin passa no hospital o dia de festejar 21 anos

Mas a lembrança daquela noite não é dividida por Iago de Lima da Silva, 19 anos, que estava na garupa da moto do irmão. Ele perdeu a memória depois do acidente e ficar internado em coma por três dias.

Os dois voltavam de uma festa da casa de amigos no bairro Zé Pereira, estavam alegres e faziam planos como qualquer jovem. Segundo a Polícia, Diego perdeu o controle da moto e atingiu um poste na avenida Presidente Vargas, no bairro Santo Amaro.

Os irmãos foram encontrados pelo Corpo de Bombeiros caídos ao lado do veiculo e ninguém sabe o que provocou o acidente.

Iago só lembra que saía da festa, na garupa do irmão, e que depois acordou na Santa Casa de Campo Grande. Lá ele recebeu a notícia de que Diego havia morrido no local do acidente.

“Eu achava que ele tinha só quebrado a perna e que estava na HG (Hospital Geral do Exército) e que a gente ia se ver depois”, conta o rapaz de olhar distante e triste.

O objetivo do rapaz em 2012 é continuar o tratamento médico por conta da lesão sofrida no acidente e no próximo ano retomar a vida. Iago também tem uma moto, mas esta semana tomou a decisão de vender o veículo para não lembrar mais do acidente.

Os irmãos são o retrato das vítimas dos acidentes de trânsito em Campo Grande. Segundo a Agetran (Agência Municipal de Trânsito), apontam que 32% das mortes registradas nas ruas da Capital são de jovens entre 18 e 25 anos.

Até esta quarta-feira (25), 57 pessoas foram vítimas do trânsito, 35 motociclistas. Nessa estatística está Diego, que já fazia planos para o futuro que teria quando saísse do Exército.

Pra isso é como se fosse um pesadelo, que daqui a pouco passa, conta o pai do jovem, Daniel Teixeira. (Foto: Pedro Peralta)"Pra isso é como se fosse um pesadelo, que daqui a pouco passa", conta o pai do jovem, Daniel Teixeira. (Foto: Pedro Peralta)

“Pra gente isso é como se fosse um pesadelo, que daqui a pouco passa”, conta o pai do militar, Daniel Teixeira da Silva, 57 anos. O filho era cabo temporário do 20° RCB (Regimento de Cavalaria Blindado) e que fica muito perto da casa da família no bairro Manoel Taveira. “Toda vez que vejo os soldados passando aqui perto ou passo na frente, eu sinto uma dor”, conta Daniel.

Segundo o pai, Diego se preparava para prestar o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e no dia em que ele era velado a família recebeu a notícia da aprovação de um financiamento da Caixa Econômica Federal para a compra da casa própria.

A mãe dos jovens, Ivonete Alves de Lima, 46 anos, conta que pilota motos há oito anos e que pele primeira vez pensa em desistir do meio de transporte. Ela prefere não falar muito sobre o acidente “pra não sofrer mais”, conta com tristeza.

Toda a família sabe da existência de um vídeo de um sistema de segurança que mostra os momentos anteriores do acidente e os últimos momentos de Diego, no entanto todos são firmes em dizer que esse momento não precisa ser lembrado.




sinto muita falta dele ele era um grande amigo,jamais vou esquece-lo.
 
arielli de lima em 03/08/2012 07:27:52
“Pra gente isso é como se fosse um pesadelo, que daqui a pouco passa”, no momento em que se publica uma frase desta dita por um familiar, a matéria passa de alerta aos perigos do trânsito a exploração. O ser humano tem essa necessidade de ouvir lamentações alheias para se sentir bem com sua própria vida, e quanto a você Sr. Mario Benites, sugiro que estude, respeite a opinião alheia e crie a sua
 
Fernando Silva em 27/07/2012 09:42:54
Concordo plenamente valorizar a vida faz bem a todos.
 
Bruno Alexandrino em 27/07/2012 08:32:39
Ontem em uma palestra escutei esta frase: "As pessoas escutam a gente, so que escutam o que querem e não aquilo que você esta falando...", nesta matéria o alerta e pela segurança no trânsito, em nenhum momento fez sensascionalismo. O Fernando não entendeu nada. Cale-se!

Sou responsável por aqulo que eu falo, não sou responsável por aquilo que você entende.
 
Mario Benites em 27/07/2012 07:01:30
Não acho que seja exploração de tragédia, apenas um alerta àqueles que insistem em não dar valor a vida.
 
Francisca Mesquita em 26/07/2012 10:43:05
O que o Fernando Silva não entende é que este tipo de matéria tem a função de alertar a população. As tragédias estão por toda parte. Esse tipo de matéria nos faz pensar bem sobre isso. Eu por exemplo comecei a respeitar o limite de velocidade após ver matérias e vídeos de acidente no youtube. Parabéns ao CampoGrandeNews.
 
Ricarto Afonso Neto em 26/07/2012 10:38:10
Quantos e quantos infelizes lenharam os coitados dizendo que estavam em alta velocidade. Antes de falarem mal, vejam primeiro o que realmente ocorreu.
 
Julio Martini em 26/07/2012 08:47:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions