A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

10/02/2015 19:14

População reclama que condutores não respeitam horário de estacionamento

Alan Diógenes
Condutores não estão respeitando horários de estacionamento. (Foto: Marcelo Calazans)Condutores não estão respeitando horários de estacionamento. (Foto: Marcelo Calazans)

Não é de hoje que a Avenida Júlio de Castilhos é alvo de reclamações de motoristas que passam pelo local. O problema é que agora eles cobram o que umas das cláusulas do projeto inicial de reordenamento da avenida previa, ou seja, estacionamento proibido em alguns horários.

Veja Mais
Semáforos desligados viram armadilhas na Júlio de Castilhos
Prefeitura ainda estuda proibição de estacionamento na Júlio de Castilhos

Na avenida, é proibido estacionar das 6h30 às 7h30, das 10h30 às 13h30, e das 16h30 às 18h. Segundo os comerciantes, as regras não estão sendo respeitas e objetivo da ampliação da via, que era o de melhorar o fluxo de veículos, não está sendo alcançado.

O balconista Nelson Leite de Souza, 50 anos, disse que as pessoas estacionam ao longo da avenida durante todo o dia, e não fiscalização para que coibir a atitude dos condutores. “O pessoal faz o que bem entende, por que não são multados. Para mim essa mudança que fizeram na avenida não melhorou nada. Os clientes que vem aqui na loja reclamam que o projeto foi mal planejado”, explicou.

Já o comerciante Plínio Moura, 71 anos, comentou que não há como retornar na avenida . Outra reclamação dele é que ruas que dão acesso à Júlio de Castilhos, transformadas em mãos únicas, não estão sendo respeitadas pelos motoristas. “Parece que existe duas leis de trânsito, uma para Campo Grande e uma para a Júlio de Castilhos. As ruas mãos únicas não são respeitadas e ainda parecem de duas mãos. A gente tem que cuidar para provocar acidentes”, comentou.

Segundo a vendedora Lucimar da Silva, 46 anos, os condutores ainda ficam confusos com a mudança na avenida. Ela falou que muitos comerciantes fecharam a portas por conta do transtorno no trânsito. “Os clientes ficam perdidos e isso prejudica o movimento no comércio. Muitos colegas fecharam as portas e se mudaram para outro local. Se você prestar atenção existem várias locais para alugar ao longo da avenida. Minha esperança é que tudo isso melhore daqui pra frente”, finalizou.

A Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) informou na noite de terça-feira (10) que as regras de estacionamento atuais continuam valendo e maior fiscalização será feita na avenida para evitar que condutores estacionem nos horários proibidos.

Vendedora disse que vários comerciantes fecharam as portas por causa do transtorno no trânsito. (Foto: Marcelo Calazans)Vendedora disse que vários comerciantes fecharam as portas por causa do transtorno no trânsito. (Foto: Marcelo Calazans)
Plínio disse que não existe retorno ao longo da avenida. (Foto: Marcelo Calazans)Plínio disse que não existe retorno ao longo da avenida. (Foto: Marcelo Calazans)



Vou ser bem sincero, o comerciante que justifica a queda de suas vendas a não poder estacionar em frente a sua loja, sabe que seu serviço não tem qualidade. Na Av. Ceará foi feito o mesmo, e pelo que vemos não houve fechamento massivo, pelo contrário abriram novos comércios.
O caso do retorno, em outras cidades já foi implantado o mesmo sistema que é o retorno a direita. Ao longo da Julio de Castilhos existem placas, que me desculpem, está "desenhado" o que o condutor deve fazer. O que não tem cabimento é parar toda a pista para alguém converter a esquerda.
Acordem campo grandenses, a cidade precisa se desenvolver. Muitas empresas desistem de investir aqui, pois a mentalidade da população é antiquada. Sou campo grandense e falo com propriedade, precisei me auto avaliar para ver isso.
 
Gilson Pedroso Gomes em 11/02/2015 07:52:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions