A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

15/07/2013 11:09

Universidade cobra 3ª via de acesso para pôr fim aos congestionamentos

Aliny Mary Dias
Reitor espera que novo acesso diminua congestionamentos na região (Foto: Cleber Gellio)Reitor espera que novo acesso diminua congestionamentos na região (Foto: Cleber Gellio)

Para pôr fim aos congestionamentos nas duas vias que dão acesso à UCDB (Universidade Católica Dom Bosco) e diminuir os problemas enfrentados por acadêmicos e funcionários da instituição, a reitoria da universidade cobra da Prefeitura a construção de uma terceira via de acesso à instituição.

Veja Mais
Morador de rua é socorrido em estado grave após ser atropelado
Motociclista morre ao ser atingido por veículo em cruzamento na Vila Ipiranga

Os cerca de 10 mil acadêmicos da instituição têm duas opções para chegar até o complexo: pela Avenida Tamandaré ou Marechal Câmara, rua que dá acesso ao estacionamento do Bloco A. Moradores da região também reclamam por causa dos congestionamentos.

Segundo o reitor padre José Marinoni, as cobranças para uma terceira opção de acesso começaram há alguns anos, quando a universidade ainda era comandada pela administração anterior.

Com o aumento da frota de veículos, que chegam até à instituição, no ano passado, uma comissão formada por professores do curso de Direito e alunos do diretório acadêmico procuraram a reitoria a fim de buscar uma solução para o problema.

As conversas só foram colocadas em prática esse ano, quando uma comissão composta pela reitoria, docentes e alunos se reuniu com o ouvidor da Prefeitura.

Marinoni explica que as duas opções encontradas e apresentadas para a administração pública são: a pavimentação de de três quilômetros da Rua Corguinho, que liga o bairro Monte Castelo e à universidade, ou a construção de uma nova avenida que liga a região da Mata do Segredo até à UCDB.

“Nós apresentamos essas duas opções e estamos aguardando um posicionamento da Prefeitura. Temos esperança que o acesso seja melhorado para que as pessoas consigam chegar até a universidade sem tantos problemas”, afirma o reitor.

O padre explica ainda que a segunda opção apresentada pela universidade é viável já que a avenida cortaria uma área de 50 hectares que é da própria universidade. “Nesse caso o investimento seria maior, mas beneficiaria os moradores daquela região”.

Confiante de que o pedido da universidade possa ser atendido com a liberação dos R$ 420 milhões previstos para investimentos em mobilidade urbana. Os projetos foram aprovados na semana passada pelos vereadores da Capital. “Nós já conversamos e estamos abertos para que a Prefeitura também nos procure e que nosso problema de congestionamentos seja resolvido”, completa o reitor.

Ao Campo Grande News, o titular da Seinthra (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação), Semy Ferraz, afirma que a viabilidade de um terceiro acesso está sendo estudado pela pasta e que deve ser apresentado em até 30 dias para a decisão do prefeito Alcides Bernal.

“Vamos levar duas ou três opções para o prefeito e ele irá decidir. Ainda não temos prazo para essa obra, mas ela será avaliada pela secretaria e pela administração”, conta Semy.

Asfaltamento da Rua Corguinho e construção de avenida são opções para diminuir congestionamentos (Foto: Reprodução Google)Asfaltamento da Rua Corguinho e construção de avenida são opções para diminuir congestionamentos (Foto: Reprodução Google)

Problemas - Os horários de pico e que mais registram congestionamentos são no início da manhã e fim da tarde, das 7h15 às 7h45 e das 18h30 às 19h30. Alguns motoristas que utilizam o acesso pela Rua Marechal Câmara acabam utilizando a contramão para chegar até o estacionamento. Segundo o reitor, a atitude gera acidentes constantes e risco para os acadêmicos.

O reitor da UCDB afirma que muitos pais e alunos desistem de estudar na universidade em razão do trânsito. “Não temos números, mas posso afirmar que muitos deixam de estudar aqui por isso. A distância é um problema, mas os congestionamentos agravam essa situação”, afirma.

Com a solução do problema, Marinoni diz que a estrutura da universidade pode ser aumentada. Já que o terreno de 50 hectares de posse da instituição não é usado por conta do acesso.




prefeitura ainda não asfaltou e praticamente abandonou a RUA CORGIUINHO que seria o acesso mais facil a universidade (UCDB ) precisamos cobrar o asfalto imediatamente antes que começe as aulas e os problemas da TAMANDRE SEJAM RESOLVIDOS
 
lademir roque telo em 27/01/2014 16:17:45
Eu acho que os alunos da UCDB deveriam ter vergonha na cara de exigir uma via a mais pra reduzir os congestionamentos.
Em qualquer cidade do mundo as universidades são exemplo de consciência ecologia e sustentabilidade. Deveriam exigir mais opções de transporte público. A classe estudantil deve carregar esse perfil de exigir o que é certo e melhor para todos. Quando eu era aluno da UCDB eu ia para as aulas de ônibus ou de carona. Dividíamos a gasolina do caroneiro pra irmos a faculdade. Hoje é um carro por aluno lotando o pátio de estacionamento. Uma cultura deprimente pra quem deveria exigir o contrário.
 
Gabriel Moreira em 16/07/2013 12:02:07
Todos serão beneficiados os alunos da Universidade e a população em geral e é uma necessidade providenciar com urgência uma nova via de acesso para a saída de Rochedinho. Sou morador da região e é um tumulto a Tamandaré sentido UCDB em dias de show no Green Hall, a 100m da UCDB, no Parque do Peão de Campo Grande/MS (CLC) que fica após a UCDB, na MS-010, e outros espaços de festas e lazer que possuem na região (como a chácara do Colégio Latino Americano). Uma região que está em crescimento, sem contar que inúmeros loteamentos estão em desenvolvimento na região. O asfalto na rodovia MS 010 que iniciou em julho/13 chegará até o distrito de Rochedinho que também vai proporcionar um fluxo maior de automóveis na Tamandaré. O governo e prefeitura precisam olhar o desenvolvimento dessa região.
 
Sato Akamini Ojeda em 15/07/2013 22:46:33
Quem me dera se a rua Marechal Câmara fosse asfaltada, infelizmente a rua Marechal Câmara é uma rua abandonada em Campo Grande, sem condições de transitar nela, moramos aqui quase ilhados, tem buracos que cabe uma pessoa dentro, dia de chuva se passar carro atola. Alias é uma ótima ideia passar a Rua Marechal Câmara pra ser um acesso a UCBD é uma pequena rua que com o asfalto os moradores e acadêmicos serão presenteados.
 
Edilza Villela em 15/07/2013 18:19:46
O que falta na região (e em todo o resto da cidade) é um sistema de transporte coletivo mais ágil, com prioridade de passagem (corredores e vias exclusivas) e preço justo! Abrir mais ruas e avenidas só atrai mais trânsito!!!
 
Wagner Moraes em 15/07/2013 16:48:18
Vendo a mapa, o acesso via a Rua do Corginho realmente é o que mais faz sentido, ainda mais porque não passa por uma area residencial. Assim, um transito mais movimentado la não aumenta os riscos do transito para moradores locais, e a rua Corginho tem bom acesso a partir do prolongamento do Ernesto Geisel.
Alias, outra medida mais do que necessario é substituir todas as quebra molas da Tamandaré por radares, pois muitos não permitam transito a mais de 15 km/h, o que é um absurdo para uma via principal e o que é uma das causas dos congetionamentos.
 
Marcos da Silva em 15/07/2013 16:32:20
Os alunos não utilização a Rua Marechal Câmara pois esta é de terra e com o aclive é acentuado, a erosão a deixou parecendo o Canion, intransitável. Utilizam sim a rua São Higino / Cardeal Arcoverde, que é a rua paralela à Marechal Câmara, é asfaltada e termina no portão da UCDB. Sei pq moro nesta rua.
 
marcio arraes em 15/07/2013 15:08:23
Muito esperto esse reitor. Pretende valorizar sua propriedade aproveitando-de do dinheiro público. Se já tem a Rua Corguinho "aberta", necessitando apenas que seja pavimentada. É muito mais simples e menos oneroso aos cofres públicos. Depois bastaria que a UCDB abrisse nova portaria naquela via. Necessário se faz também que a AGETRAN proibia o estacionamento de veículos na Av Tamandaré, em todo o trecho que margeia os limites da Universidade. E que junto com a CIPTran, faça a devida fiscalização.
 
Fernando Silva em 15/07/2013 14:23:24
"O padre explica ainda que a segunda opção apresentada pela universidade é viável já que a avenida cortaria uma área de 50 hectares que é da própria universidade. “Nesse caso o investimento seria maior, mas beneficiaria os moradores daquela região”. Muito esperto esse reitor. Pretende valorizar sua propriedade aproveitando-de do dinheiro público. Se já tem a Rua Corguinho "aberta", necessitando apenas que seja pavimentada, é muito mais simples menos oneroso aos cofres públicos.
 
Fernando Silva em 15/07/2013 14:18:01
Amigos da Fm Ucdb Bom Dia
 
julio borges alvarenga em 15/07/2013 13:53:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions