A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

14/06/2012 14:37

Velozes e perigosos: álcool e direção são exibidos nas ruas e redes sociais

Aline dos Santos

Os que mais se envolvem em acidentes, também são os que mais menosprezam os riscos

No Facebook, jovem mostra foto de velocímetro marcando 170km/h. No Facebook, jovem mostra foto de velocímetro marcando 170km/h.

Álcool e excesso de velocidade: a mistura que garante tragédias quase que diárias nas ruas de Campo Grande também faz sucesso na internet. Além das exibições no trânsito, os adeptos ao estilo “velozes e furiosos” fazem questão de mostrar os "feitos" nas redes sociais.

No perfil do Facebook, uma tarja de luto pelo amigo que se foi aos 23 anos em acidente na Afonso Pena, mas nas fotos, o mesmo jovem exibe imagem de um velocímetro, se gabando por ter atingido 170 km em um Gol 1.0 a caminho da praia. Em frente ao mar, novas fotos, dessa vez, consumindo cerveja.

Nos comentários das fotos, há quem critique, recomendando responsabilidade, mas também quem incentive e ache até graça.

Um passeio pela rede de amigos mostra que esse comportamento de culto à combinação que pode ser fatal é um traço comum.

Para a chefe de Educação para o Trânsito da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Ivanise Rotta, o exibicionismo nas redes sociais faz parte da autoafirmação. “Quer mostrar poder, se exibir, mostrar que é melhor do que o outro, mais corajoso”, afirma.

Nos últimos 15 dias, a perigosa ligação de bebidas e “pé quente” no acelerador provocou três mortes na avenida Afonso Pena. Recapeada, e sinalizada, a principal via da cidade, registrou 66 acidentes no mês passado. Mais do que o triplo da avenida Mato Grosso, segunda colocada.

Ao todo, conforme dados do Detran/MS (Departamento Estadual de Trânsito), foram 1.016 acidentes em maio. A maioria dos condutores de veículos em acidentes com vítimas é homem, na faixa etária de 18 a 24 anos. Das 18 mil infrações de trânsito registradas no último mês, 7.234 foram por excesso de velocidade.

Os que mais se envolvem em acidentes, também são os que mais menosprezam o perigo. “Eles falam que quem morre no trânsito é mané, que não sabia beber”, relata Ivanise Rotta, ao reproduzir os comentários que ouve nas palestras destinadas aos jovens de 18 a 25 anos.

“Junta imaturidade e a redução do julgamento crítico, provocada pelo álcool. O jovem sai da balada já se sentindo poderoso e encontra o carro, que é um objeto de poder”, afirma o psiquiatra Marcos Estevão Moura.

Sem noção - Ele defende tolerância zero, ou seja, que nenhum percentual de álcool seja aceito no organismo do condutor de veículo. Segundo ele, não existe um padrão matemático. Desta forma, uma pessoa que ingeriu pouca bebida já pode apresentar sinais de embriaguez. “Quem não está acostumado a beber pode ter sinais com uma quantidade pequena. Já tem alteração no julgamento crítico”, afirma Marcos Estevão.

Em média, o álcool leva 30 minutos para se espalhar pelo organismo e pelo menos seis horas para ser excretado. “Ele é metabolizado pelo fígado, onde uma enzima tira a parte mais danosa, mais nociva”, explica. A outra parte vai comprometendo a coordenação motora, diminuindo os reflexos e dificultando a fala, que se torna pastosa. Os próximos estágios chegam para quem consumiu muito álcool, com a confusão mental e coma alcoólico.

“Vem a alteração do julgamento crítico. Eu acho que posso correr mais um pouco. Fazer uma ultrapassagem que não faria se estivesse sóbrio”, diz o psiquiatra.

Protagonistas – Em 31 de maio, o estudante de Direito Richard ldivan Gomide Lima, de 21 anos, provocou a morte de Davi Del Valle Antunes, 31 anos, em acidente de trânsito. A moto estava parada no semáforo quando foi atingida pelo Punto, que estava a 83 km/h e furou o sinal, vermelho há sete segundos.

O condutor se recusou a fazer teste do bafômetro, mas foi registrado um termo de embriaguez. Conforme os policiais que atenderam a ocorrência, o jovem apresentava forte odor de álcool, além da voz pastosa e embargada. Richard foi preso por homicídio doloso, por assumir o risco de matar.

Na mesma semana, Israel Gomes Charão, de 28 anos, morreu em um acidente envolvendo o Astra que conduzia e uma moto. Após a colisão, o motorista acabou se chocando contra um semáforo. Ele morreu no local e três pessoas ficaram feridas.

No último dia 8, Luiz Henrique Maffissoni Pinha, de 23 anos, faleceu horas depois de perder o controle de uma Dodge Ram, subir canteiro da avenida Afonso Pena e derrubar um poste de iluminação. Em 2010, Luiz Henrique havia tido a CNH (Carteira Nacional de Habilitação) suspensa por 13 meses por dirigir embriagado e furar bloqueio policial.

Na caminhonete uma caixa de som com amplificador. Equipamento similar ao que caiu ontem de uma caminhonete L-200, que tombou em frente ao Cetremi (Centro de Triagem e Encaminhamento ao Migrante), no Parque dos Poderes.

Doze por quatro – Neste ano, 48 pessoas morreram no trânsito de Campo Grande. Curiosamente, o número segue uma sequencia trágica. A cada mês, são 12 ou quatro mortes. Em janeiro, foram 12 óbitos, em fevereiro, quatro. Em março, o trânsito matou 12 pessoas. Em abril, o número reduziu para quatro. Em maio, voltou a aumentar para 12. Em junho, até hoje, quatro pessoas perderam a vida em acidentes.

“O basta para esses acidentes que poderiam ser evitados depende de uma mudança de cultura. Não é um projeto, mas um processo de vida no trânsito. Afinal, ninguém quer morrer ou matar no trânsito”, salienta Ivanise Rotta.

Imagem que marcou nos últimos dias: caminhonete capotada na avenida Afonso Pena, após derrubar poste. O impacto foi tanto que parte do sistema de som foi parar longe. (Foto: Simão Nogueira)Imagem que marcou nos últimos dias: caminhonete capotada na avenida Afonso Pena, após derrubar poste. O impacto foi tanto que parte do sistema de som foi parar longe. (Foto: Simão Nogueira)



Flavio Padua parabens pela sua opiniao...sabias palavras....
 
Valdir benites em 16/06/2012 06:06:27
Tenho 57 anos. Quando tinha 12 anos eu já via meninos ricos morrendo com carros ou motos.
Estes seres morrendo tão jovem eu já via há 45 anos atrás.
O tempo passa e eles continuarão morrendo a 12 por 4.
A pergunta que fica é: Seus pais não viram o que eu vi quando era adolescente?
Eles não conversam com seus filhos?
Afinal o que está acontecendo?
 
Elviria Santos Ferreira em 15/06/2012 12:36:48
Só tem uma saída para quem bebe e mata no transito, retirar definitivamente a concessão de dirigir veículos, que vá de taxi, ônibus, a pé para não matar mais gente, quanto aos velocistas procurem uma vaga na formula 1 pois estamos precisando de pilotos lá, não dentro de nossa querida cidade.
 
André Lima em 15/06/2012 12:28:33
Entrevistaram um especialista equivocado. Existe sim limite seguro; no mundo desenvolvido inteiro 2 doses funciona. Mas o que é preciso é fiscalização. Se no feriado de Corp.Crist. exatos 2 motoristas foram multados por embriaguez, a chance de uma vez na vida ser multado é ZERO. Ai, eles não bebem 2, mas 20 cerveja. E o resultado dá para ver. É urgente começar multar pelo menos uns 300 POR DIA!
 
Marcos da Silva em 15/06/2012 12:03:29
jussara gomes: não são todos jovens que não estão nem ai pra notícia, e só querem saber de facebook, tenho 21 anos e sei que dirigo melhor que muita gente que tem 20 anos de carteira. E pode ter fiscalização, pode ter radar, policia, o q importa é a educação dentro de casa, o rapaz nem tinha CNH e o pai libera a RAM na mão dele, fica passando a mão na cabeça do marmanjo, deu nisso..
 
Flavio Padua em 15/06/2012 11:48:54
Sou a favor de radar, quebra molas Muitas blitz espalhadas pela cidade.. De-lhe bafometro desses bebados...
 
Evandro Silva em 15/06/2012 11:47:24
gente, qual é a dificuldade em pegar um táxi??? de certo porque tem que sobrar mais dinheiro pra manguaça
 
Mariana Rojas em 15/06/2012 11:24:27
Hum...então é assim!
 
Sandru Silva em 15/06/2012 10:38:10
Vocês acham que multa vai resolver o problema? Aquele rapaz da Dodge Ram já tinha a CNH cassada e devia o veículo pro banco... Rodava por aí tranquilo! Dinheiro não é problema pra essa meninada não.
 
Paulo Julio em 15/06/2012 10:14:10
A solução é simples: um radar em cada semáforo na Afonso Pena.
Já passou muito da hora. Acorda Detran.
 
Athaíde Romero em 15/06/2012 10:00:00
...estes jovens são uns verdadeiro homens bomba-suicidas, colocam em risco suas vidas e toda população...e prediso ter consciencia de que ao descer de nossos carros todos somos PEDESTRES e estamos sujeitos aos "PEDESTRES DO VOLANTE"...
 
Ester Menacho em 15/06/2012 09:49:07
Infelismente este não vai ser o último, mas podemos tentar mudar isso cobrando da autoridades fiscalizações não só nas noites mas também durante o dia. A cada concurso são formados vários militares PM, onde estão? Poderiam estar nas ruas! Militares do Exército brasileiro estão em seus respectivos quarteis fazendo o quê?
 
Luciano Siqueira em 15/06/2012 09:35:12
as veses a gente ve de tudo , quanta hiprocrisia fala pro filho nao beber e depois no churrasquinho do final de semana enche a cara na frente dele.,acho q a bebida e uma droga e como droga tem ser combatida como tal, o filho e o produto do meio
em q se vive cada um cria as suas feras.,dauma bicicleta pra ele pra ver se ele mata os outros na rua...
 
sandro cesar em 15/06/2012 09:32:18
Viram só? As vozes já se erguem, e hoje a noite quem vai verter lágrimas, algum parente seu Sr. Willian Smith, ou algum dos meus por irreponsabilidade dos teus, ou vice versa?
 
CLAUDIO MOREIRA em 15/06/2012 09:28:18
Além disso, para quem tira a CNH pela primeira vez, existe um periodo de 2 anos de "teste" onde o novo habilitado nao pode cometer faltas graves na conduta do veiculo. No caso de ser multado no valor acima de 40 euros ou estar a 20 km/h a mais do permitido o prazo da provação pode ser aumentado em até 4 anos além de ter de participar de seminários, pagos a parte e geralmente carissimos...
 
antonio e. da cruz em 15/06/2012 09:01:44
Somente com o uso obrigatório do bafometro, a fiscalizacao constante acompanhada de campanhas de conscientizacao em escolas, (a partir do primário) na TV, radio, internet e jornais impressos será possivel reverter esta situacao. As multas e conscequencias para quem for pego alcoolizado conduzindo um automovel devem ser "astronomicas" indo de pagamento de multa a prisao!
 
antonio e. da cruz em 15/06/2012 08:44:18
O radicalismo do leitor CLAUDIO MOREIRA simplesmente não iria funcionar.

Veja o exemplo da lei seca nos EUA que acabou criando o Al Capone.

Quem bebe não irá para de beber mesmo com a proibição do álcool.

A população precisa ser consciente e usar táxi.
A fiscalização precisa começar a fiscalizar, afim de inibir os bebuns ao volante.
 
William Smith em 15/06/2012 08:16:10
Esse é o termo mais fiel e cabal de nossa incopetencia enquanto pais, educadores e gestores com relação a educação de forma geral, em especial a educação no trânsito, então façamos o seguinte, deixemos de se hipocritas e vamos caracterizar o alcool como droga e retirá-lo da condição de lícito e banir de nosso meio. Vão se erguer vozes e vão se verter muitas lágrimas, quem sairá vencedor desta bat?
 
CLAUDIO MOREIRA em 15/06/2012 07:55:04
Para acabar com a violência as "altoridades" terão que gastar mais um pouco e substituir os aparelhos eletrônicos pela presença física do orientador de trânsito com poder de polícia. Blitz durante a madrugada, principalmente nas proximidades de festas regadas a álcool.

A população precisa começar a utilizar táxi. É seguro e sai mais barato!

André Puccinelli e Nelsinho Trad, acordem
 
William Smith em 15/06/2012 07:02:51
Além de tudo o que já foi falado aqui..................eu acho que o maior problema é cultural mesmo........o tipo de música que estes jovens escutam, "sertanejo universitário", só incentiva a irresponsabilidade com suas letras falando de bebedeira, dirigir bêbado, dirigir a 280, beber até de madrugada, sair com a mulherada (denegrindo a imagem da mulher), só pode dar nisso...
 
carlos eduardo em 15/06/2012 02:35:56
Muito Boa Reportagem. Vem Em Um Momento Muito Propicio Pois os Acidentes Tem Aumentado Muito Aqui na Capital. Mas o Grande Problema é Que Ela Não Chega a Quem Deveria Chegar , ou Seja , aos Jovens , Que São a Maioria , e Tambem Para Aqueles Que Não Tem Consciencia no Transito. A AgeTran , Detran e Demais Autoridades Deveriam Organizar Formas de Fazer Chegar Essa Conscientização a Todos.
 
Gildo Oliveira em 15/06/2012 02:15:57
Olha muitos estão tocando as Letras "S"orte - pela "M"orte !!! e uma pena...na afonso...
 
Silas Nunes em 14/06/2012 10:36:23
Pior que na hora de votar é proibido o consumo de bebidas alcoolicas e não se vê bebados votando, mas para dirigir...
 
Adelson Nobrega em 14/06/2012 10:33:39
esses filhinhos de papai nao estao nem ai pra radares ou multas...eles querem mesmo é competir um com outro.
se ele nao tem educação em casa. vcs acham q ele vao ter nas ruas???
nao é o Detran q vai educar eles e sim os pais.
agora eu pergunto como essa turma conseguiram tirar habilitação?????
 
noemia rocha em 14/06/2012 10:25:03
e aquele velossimetro é de um gol.... mas na real, o que tem que mudar é a conciência das pessoas e nem todos os academicos de direito são irresponsáveis como estão querendo fazer parecer, sou formado e nunca fiz isso, se a policia começar a prender todos os bebados mesmo sem o teste de alcolemia, queria ver no que ia dar.. ao inves de se preocupar com som, roda esportiva e rebaixados......
 
mario panziera em 14/06/2012 09:54:59
Resposta ao Edson Fontoura: concordo que a reportagem seja ótima, mas infelizmente não vai atingir o público que necessita ( os jovens), pois esses não acessam sites de notícias, ou sequer assistem a um noticiário, o interesse está apenas em facebook e pânico na tv. Nada contra, mas acho q deveriam ampliar seus horizontes e encarar a vida com mais responsabilidade.
 
jussara gomes em 14/06/2012 09:40:29
Faça que nem eu, bebo e ando devagarzinho, no maximo 30 por hora, dai não tem perigo e respeito todos os sinais de transito, dirijo com mais cuidado e melhor quando umas.
 
José Bohrer em 14/06/2012 09:37:45
Primeiro: 170 km/h num gol 1.0??? ou estava amarrado na traseira de um bitrem ou (provavelmente) estava em cima de cavaletes com as rodas girando livres;
Segundo: Tolerancia zero não muda muito a situação, se não houver FISCALIZAÇÃO, guarda na rua é que reduz acidentes e tira bebado de circulação
 
Gerson Dias em 14/06/2012 09:36:07
sera que alguem pode fazer uma pesquisa saber o porque as pessoas tem tanta raiva da letra S .....
 
marco antonio borges oliveira em 14/06/2012 06:58:53
que tal colocar a foto de cada acidente? no local onde houve o acidente com morte?
sendo assim toda vez que forem visto, tenha consciênçia e responsabilidade do ocorrido.Cassar cnh por tempo ilimitado,julga ter consciênçia pra votar e não tem pra dirigir?????????????????????
 
evanil farias gonçalves em 14/06/2012 06:48:09
Já nem saio mais à noite nos finais de semana para não ser mais uma vítima desses pé pesados que passam por cima de qualquer um que estiver na frente, agora quanto ao àlcool no volante quem fosse pego com vítima deveria ser retirado definitivamente a permissão para conduzir veículos, aí sim tiraríamos muitos maus motoristas circulado e ainda preservaríamos suas vidas.
 
Humberto Josef em 14/06/2012 06:28:23
"Será que alguem pode fazer uma pesquiza, pra saber se tem alguma cidade nesse brasil, que tem mais barbeiro que campo grande/ms" gualter e.silva.

Por favor, venha dirigir por UM DIA apenas em DOURADOS (minha cidade) e tenho certeza que o Sr. mudará de idéia. As infrações mais grosseiras, as "fechadas", cortar a passagem de quem está na preferencial, isso é rotina aqui. Venha conferir...
 
Adriano Roberto dos Santos em 14/06/2012 06:03:09
A grande maioria... estudantes de direito... estão estudando o que nas Universidades ? Acho que lei é que não é....
 
Beatriz Santos em 14/06/2012 05:37:00
Realmente isso é muito tragico... agir sem pensar nas consequencias...
 
Wilker colman matias em 14/06/2012 05:33:12
Não tem outra alternativa. A única solução é blitz da Lei Seca na madrugada. Gente, é lamentável, TODO final de semana mortes no trânsito pelo mesmo motivo...bebida e velocidade...se fizerem como no Rio de Janeiro vão ver como pessoas que vão beber vão mudar a mentalidade e sair de táxi...
 
Mariana Rojas em 14/06/2012 05:28:57
Será que alguem pode fazer uma pesquiza, pra saber se tem alguma cidade nesse brasil, que tem mais barbeiro que campo grande/ms
 
gualter e. silva em 14/06/2012 05:21:54
Até quando? O que mais impressiona é que sempre os inocentes são mortos ou gravemente feridos e os" bêbados" saem ilesos, vocês já perceberam isso? . Sair sóbrio de madrugada em campo grande é risco de morte, principalmente se você é um pobre trabalhador. E o que é pior, os "bêbados sarm ilesos do acidente e da justiça, porque sempre tem bons advogados.
 
nadir gomes em 14/06/2012 05:18:00
E quem paga a conta pelo poste danificado???
 
Cesar Mirandola em 14/06/2012 04:49:55
Segundo o CTB (Código de Trânsito Brasileiro), o artigo 165 preceitua: "Dirigir sob a influência de àlcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência: Infração - gravíssima; Penalidade - multa (cinco vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses; e ainda falta a Medida Administrativa a ser aplicada ao infrator de trânsito.
 
Victor Henrique em 14/06/2012 04:49:29
Genocídio legalizado gera impostos para sustentar pessoas "decentes".
 
Guilherme de Almeida Santos em 14/06/2012 03:42:11
imagine se ele ao inves de um poste atinge um veiculo escolar cheio de gente!
 
vanderlei de jesus em 14/06/2012 03:33:17
Essa foto da picape é forte, poderia servir para mostrar aos desavisados ''motoristas'' de fim de semana o perigo que estão tento ao ir para as baladas e sair alcoolizados e querer dirigir. parabéns ao campograndenews pela otima reportagem e informação aos jovens que possam se interessar em salvar vidas e a propria vida.
 
Edson Fontoura em 14/06/2012 03:06:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions