A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

25/06/2012 12:11

Com a alfaiataria na moda, **Lado B** mostra preços e homens do corte e costura

Ângela Kempfer
JB dá recado na porta da alfaiataria. (Fotos: Minamar Júnior)JB dá recado na porta da alfaiataria. (Fotos: Minamar Júnior)

Quem é alfaiate há anos não tem papas na língua na hora de atacar a roupa de autoridades “mal vestidas” que vivem aparecendo nos jornais. “Olha isso, o terno de um é grande, de outro é torto, de outro é curto. Como uma autoridade pode sair tão mal na foto”, reclama JB, com uma reportagem local em mãos. Ele é dono da alfaiataria de mesmo nome, a mais antiga de Campo Grande.

Veja Mais
Parque das Nações terá Jota Quest de graça, além de Curimba e Bella Xu
Morre ator e comediante Guilherme Karan aos 58 anos

A sobrevivência de JB não é novidade porque o ateliê continua há décadas em uma das principais avenidas do Centro, a 26 de Agosto. Mas pelos bairros também há gente ainda no corte e costura de ternos e camisas masculinas.

Como a alfaiataria voltou com tudo, o Lado B saiu por aí fazendo uma pesquisa de preços.

Na rua Anhandui, perto do Horto Florestal, Juracy Alta Costura (3321-1952) produz blazer por R$ 350,00. Mesmo preço cobrado pelo ateliê Moderna, na Cândido Mariano (3324-2309) e pela alfaiate Almeida, na rua Maracaju (3382 – 30 41).

Já o alfaiate Ferraz (9999-4819) trabalha há anos no bairro Santo Antônio e do outro lado da cidade a concorrência é feita por Valdir Telles, na região do Monte Carlo (3351-5817).

A concorrência é feita por Valdir Peres, na região do Monte Carlo.A concorrência é feita por Valdir Peres, na região do Monte Carlo.

Na rua Palmital, Valdir nem sequer tem placa da oficina de costura na fachada da casa. Mas é só entrar para perceber que a clientela é grande. Na sala, a maior mesa tem pilhas de camisas prontas, de diferentes estampas, com os nomes dos donos em fita crepe, presos a gola.

Na lista de fregueses, Valdir enumera desembargadores que “só se vestem com alfaiataria”, comenta. Mas 80% dos compradores são advogados.

Ele mesmo só tem um terno. Gaúcho, Valdir lembra que ao chegar em Campo Grande procurou lojas de tecido para oferecer os serviços e depois o talento foi se espalhando na base do boca a boca.

A maior surpresa, conta o alfaiate, foi ao descobrir que por aqui, apesar do clima quente, os homens usam mais blazer que no Rio Grande do Sul. “Não entendo isso, mas não reclamo não”, brinca.

O preço é estabelecido de acordo com a mão de obra, o tecido é comprado pelo cliente. A camisa custa R$ 50,00, o blazer R$ 370 e a calça R$ 80,00. “Para quem paga, pode até parecer caro, mas para quem faz é um preço super justo. O corte é certo, respeita o corpo do cliente. É uma peça para durar anos.”

O modelo também segue o pedido da clientela, mas o alfaiate dá as dicas. “Cada 5 ou 6 anos a modelagem muda, mas é um vai e vem a moda. A calça com a boca maior, por exemplo, voltou de novo. O blazer há dois anos tinha 3 botões, agora a moda é ter apenas 2”, explica.

O veterano JB adora conhecer tendências via TV e garante: “Só continuo trabalhando para assegurar a elegância masculina. Fico aqui também para arrumar as roupas industrializadas das pessoas, que aparecem pedindo reparos.”

É em telejornais e programas de auditório que o velho alfaiate percebe as transformações. “Não vejo os apresentadores daqui, porque eles não se vestem como deveriam. Mas nas emissoras nacionais há muita coisa boa. Infelizmente, nesses dias estava vendo o Faustão, na entrega dos melhores do ano e só ele estava com um blazer feito por alfaiate”, lamenta.

Até para a “geração jeans”, conforme o experiente JB, a alfaiataria é algo a ser prezado. “Nada melhor que um bom jeans e um blazer, fica sofisticado”, faz a propaganda.

Fica a dica estampada em uma placa na porta do ateliê JB: “Mais vale um homem feio bem vestido, do que um bonito mal vestido”.




Cadê o telefone do Valdir? Afinal de contas, vcs divulgaram o do JB, do Juracy e do Ferraz. Por favor, divulguem o telefone ou o endereço correto do Valdir. Grato, Abel.
 
ABEL REZENDE em 26/06/2012 12:08:36
ÓTIMA MATÉRIA.VAI AI UMA IDEIA, CELÁRIA.QUE PENA QUE O VALDIR NÃO ESTAVA USANDO UMA CAMISA DAS QUE ELE FAZ.
 
GERALDO EMENEZES em 26/06/2012 10:31:44
Tem um alfaiate que costura para nós há mais de 45 anos ele morou em Corumbá trabalhou muitos anos na alfaiataria Ruas hoje extinta . Hoje mora e ainda trabalha em sua casa em Aquidauana .Sr. Reginaldo Fernandes .Também foi muitos anos alfaiate na rua sete lá , pra nós é só ele , o melhor .
 
IRINETE DE OLIVEIRA em 26/06/2012 10:16:16
Graças ao profissionalismo do Sr. Valdir é que conseguimos ter por um preço acessivel roupas de excelente padrão com exclusividade.
Parabéns pela reportagens.
Sucesso Valdir.

 
Edena Peruzzo de Souza em 26/06/2012 08:18:25
Não sei se tem um alfaiate aqui e Miranda, mas vou procurar saber, pois as melhores calças que tenho foram feitas por um em Amambai MS periodo este que estive trabalhando por lá, vale a pena pois realmente além de ficarem muito boas as calças duram muito tempo.
 
francimar assis em 26/06/2012 06:46:47
O alfaiate Ferraz é muito antigo e muito bom e só quem é bom continua no mercado para elegantes. Parabéns!
 
Vanda Maria Martins Tosta em 25/06/2012 09:38:56
O senhor Almeida e seu filho Emérsom, da Alfaiataria Almeida, na Rua Maracaju, são finos artesãos, produzem termos, blazeres e camisas como nínguém . É um privilégio e luxo vestir uma roupas confeccionada por eles. São verdadeiros artistas.
É uma pena que dentro de mais alguns anos esta arte possa deixar de existir, visto que poucos se interessam nessa elegante arte.

EDVALDO
 
EDVALDO ROMÃO DE LIMA em 25/06/2012 09:14:03
Muito boa a matéria! Uma profissão antiga e em extinção. Ótimas dicas de profissionais. Parabéns.
 
Marco Túlio Murano Garcia em 25/06/2012 09:06:19
Sou suspeita para falar, pois sou filha. Mas a verdade é que já fui e continuo sendo elogiada pelas roupas que uso. Quando digo que foi meu pai quem fez, a cara de surpresa das pessoas sempre aparece, seguido do comentário: nossa, também quero, me passa o telefone? Pena que moramos longe, né pai? Parabéns pela notoriedade, é merecida. Parabéns pela matéria.
 
Raquel Telles Jacques / SP em 25/06/2012 06:25:05
Seu Valdir é um ser humano incrível. Criou seus filhos trabalhando com a alfaiataria. seus filhos são ótimas pessoas.
Apesar de ter como clientes pessoas muito importantes, o seu Valdir sempre foi humilde
Parabens pela trajetória de vida seu Valdir!
 
Thiago Francisco Menezes Alves Vieira em 25/06/2012 06:14:00
Muito boa a matéria!!!
 
Violeta Capeleti em 25/06/2012 05:50:07
O Valdir Peres dispensa apresentações.
É profissional de primeira grandeza.
Parabéns pela matéria.
 
Jefferson Nereu em 25/06/2012 02:41:39
Ele e otimo. Ha tenho um terno feito por ele que e um luxo de chic. Amooooo
 
Adriany Vital em 25/06/2012 01:39:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions