ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  04    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Juíza diz que libertou ex-pastor após vítima pedir retirada de medida protetiva

Ex-pastor foi preso no dia 12 de março após agredir a esposa e transmitir pela internet

Por Kerolyn Araújo e Marta Ferreira | 04/06/2020 15:35
Em camburão, pastor foi levado ao Fórum onde passou por audiência de custódia (Foto: Marcos Maluf)
Em camburão, pastor foi levado ao Fórum onde passou por audiência de custódia (Foto: Marcos Maluf)


Titular da 3ª Vara de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Campo Grande, a juíza Jacqueline Machado afirmou nesta quarta-feira (4) que a decisão de revogar a prisão domiciliar do ex-pastor Jesus Gorgs foi "consequência legal" do fato de não existir mais motivo para manutenção da prisão preventiva.

Segundo a magistrada, a decisão da retirada da tornozeleira eletrônica do pastor foi baseada na revogação da medida protetiva, solicitada pela própria vítima, que afirma que não corre riscos. A prisão domiciliar e o monitoramento só seria justificável caso apresentasse risco à vítima, afirmou em nota a magistrada.

Mais cedo, o advogado Diego Emerenciano Bringel de Oliveira disse ao Campo Grande News que o cliente, preso desde o dia  12 de março após agredir a esposa e transmitir os atos via internet, foi colocado em liberdade após o casal se reconciliar. ''O importante para juíza foi que reataram. Não há mais porque continuar com sua liberdade provisória tolhida”, afirmou.

A magistrada, diante da afirmação, disse que não foi a reconciliação em si, mas a providência legal de retirada do pedido de medida protetiva. Ela ressaltou que a ação penal prossegue normalmente.

O caso - O pastor deixou a vítima nua e cortou mechas do cabelo dela enquanto transmitiu a cena ao vivo pela internet. O vídeo, repleto de agressões verbais, mostra Jesus Gorgs segurando a tesoura com a qual cortou o cabelo da esposa.

A Polícia Militar foi chamada no fim da manhã do dia 12 de março e por volta das 15h, o Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) decidiu invadir o quarto onde Jesus mantinha a mulher refém, na casa onde moravam, no bairro Giocondo Orsi. Ele foi desarmado e preso.

A vítima foi levada para hospital. Gorgs foi expulso da Assembleia de Deus, em que era pastor.