A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

09/12/2011 16:35

Quatro anos após falsificar sentença de juiz, advogado é suspenso pela OAB

Marta Ferreira

Ele inventou um processo, em 2007, como forma de acalmar cliente que reclamava de demora nos serviços

Chelotti alegou problemas pessoais quando foi ouvido pela OAB sobre falsificação de sentença. (Foto: Facebook)Chelotti alegou problemas pessoais quando foi ouvido pela OAB sobre falsificação de sentença. (Foto: Facebook)

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) em Mato Grosso do Sul suspendeu por 6 meses, o advogado Humberto Chelotti Gonçalves, de 33 anos, mais de 3 anos após ele ser denunciado por falsificar a assinatura de um juiz. Isso foi feito em sentença fabricada por ele para tentar acalmar um cliente descontente com seus serviços.

Em 2007, Chelotti simplesmente inventou um processo, que nem chegou a existir, relative a uma reintegração de posse em Rio Verde de Mato Grosso. Pressionado pelo cliente, entregou a ele o que disse ser uma sentença do juiz que atuava na cidade à época, Luiz Filipe Medeiros Vieira, extiguindo o processo.

O cliente não ficou satisfeito e pediu a outro profissional que fosse ao fórum da cidade verificar a situação. A farsa foi descoberta, o juiz pediu a abertura de inquérito policial, Chellotti foi condenado a 2 anos de detenção, punição cumprida com prestação de serviços à comunidade.

Vítima da falsificação, o juiz diz que “nunca viu algo do tipo”, em mais de 9 anos de atuação como magistrado. A falsificação era grosseira, segundo o Luiz Filipe, mas poderia passar despercebida por um leigo.

A OAB foi informada na época e abriu uma investigação, que resultou, agora, na suspensão do advogado, que começou a valer em 21 de novembro e vai até maio do ano que vem.

Em sua defesa à OAB, o advogado suspenso disse que passava por problemas pessoais. Ele já foi condenado também por disparar urma arma de fogo via pública, no bairro Jardim Autonomista, em Campo Grande, após uma briga com o sogro.

O Campo Grande News tentou falar nos telefones do advogado disponíveis, mas ninguém atendeu.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions