A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Junho de 2018

21/10/2015 21:31

Copom mantém taxas de juros em 14,25%, nível igual ao de 2006

Agência Brasil
Copom mantém taxas de juros em 14,25%, nível igual ao de 2006

Pela segunda vez seguida, o Banco Central (BC) não mexeu nos juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) manteve hoje (21) a taxa Selic em 14,25% ao ano. Os juros básicos estão neste nível desde o fim de julho.

Atualmente, a Selic retorna ao nível de outubro de 2006, quando também estava em 14,25% ao ano. A taxa é o principal instrumento do BC para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em comunicado, o Banco Central não informou quando a inflação deverá convergir para o centro da meta. No comunicado da última reunião, em setembro, o Copom ainda informava que os juros altos eram suficientes para trazer a inflação de volta para o centro da meta no fim de 2016.

“O comitê entende que a manutenção desse patamar da taxa básica de juros, por período suficientemente prolongado, é necessária para a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante da política monetária. O Copom ressalta que a política monetária se manterá vigilante para a consecução desse objetivo”, destacou o texto.

Oficialmente, o Conselho Monetário Nacional estabelece meta de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. No entanto, no último Relatório de Inflação, divulgado no fim de setembro, o BC estimou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerre o ano em 9,5%.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula 9,49% nos 12 meses terminados em setembro. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, o IPCA encerrará 2015 em 9,75%. Este ano, a inflação está sendo pressionada pelos aumentos de preços administrados como energia e combustíveis.

Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica a economia, que atravessa um ano de recessão, com queda na produção e no consumo. Segundo o boletimFocus, analistas econômicos projetam contração de 3% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2015. O BC prevê redução de 2,7%, segundo o último Relatório de Inflação.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle da inflação.

Brasil deixou de arrecadar R$ 354,7 bi com renúncias fiscais em 2017
Com meta de déficit primário de R$ 159 bilhões neste ano e com um teto de gastos pelas próximas duas décadas, o governo teria melhores condições de s...
Prazo para atualizar versão da Nota Fiscal Eletrônica termina no próximo dia 2
O prazo para atualizar a versão da Nota Fiscal Eletrônica termina no dia 2 de julho. A migração da versão do arquivo XML deve ser feita rapidamente p...
FCO já liberou R$ 892 milhões em recursos de janeiro a maio em MS
Mato Grosso do Sul aumentou em 139% as contratações de créditos pelo FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) entre os cinco prime...
Pobres do país levam nove gerações para alcançar renda média, diz OCDE
Relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima que, no Brasil, podem ser necessárias nove gerações para criança...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions