03/04/2019 16:34

Você não sabe resolver com palavras?

Por Erik Penna (*)

"A não violência nunca deve ser usada como um escudo para a covardia. É uma arma para os bravos." (Ghandi)

Recebemos numa ocasião a visita de um casal muito especial em nossa casa, os amigos Carla e Rubens, e eles nos contaram uma história interessante de sua filha única, Manu.

Ela estava brincando com outras duas meninas quando a disputa por uma boneca causou um estranhamento no grupo. Uma delas começou a chorar e disse que ia embora para a casa dela.

Foi quando a Manuela a interrogou: “Vai embora por que? Você não sabe resolver com palavras? Achei fantástica a proatividade e atitude da pequena Manu. Foi então que os pais dela nos contaram que a Manu (hoje com 8 anos) quando cursava a educação infantil estudou em São Paulo numa escola que ensinava e primava desde a tenra infância pelo diálogo entre as pessoas. O objetivo era que as pessoas encontrassem as respostas e resolvessem o que as incomodavam com uma boa e produtiva conversa.

E após algumas diferenças de ideias ou ações, o que é comum em todos nós seres humanos, especialmente nas crianças, um ato e uma pergunta deveriam nortear as decisões, os quais impediriam os desentendimentos, conflitos físicos e até as agressões. São eles: o olho no olho e questionar se a pessoa não consegue resolver com palavras. Isso vai de encontro a um provérbio chinês: “O grande homem é aquele que não perdeu a conduta de sua infância”.

Parece algo tão fácil e simples, mas, a gente não percebe essa reflexão em muitos atos de nossos filhos nem mesmo nas nossas atitudes como adultos e profissionais.

Agora, reflita se você tem conseguido lidar com ideias contrárias e resolver as situações conflitantes com palavras ou geralmente já solta um grito, age de forma imperativa ou agressiva ou prefere a vingança.

E o que dizer sobre agressão de um casal com uma agente de trânsito em São Bernardo do Campo-SP, por causa de um cartão de estacionamento preenchido incorretamente? Não conseguiram resolver com uma conversa.

Em muitos casos, a violência parece sobrepor o diálogo. Curiosamente, a história mostra que Gandhi pregava a não violência e morreu em 30 de janeiro de 1948, assassinado por um hindu. Jesus Cristo pregou o amor, o diálogo e a não violência e foi crucificado. De fato, Herodes não conseguiu resolver com palavras.

Nós não devemos temer quem tem uma ideia diferente da nossa, mas, sim, aqueles que não sabem conversar, desejam incessantemente impor o que devemos fazer ou pensar literalmente igual a eles.

Vale a pena persistir em dialogar, respeitar as diferenças e resolver com palavras. E se for para dizer não, que seja para dizer não para a discriminação e a violência.

(*) Erik Penna é palestrante, especialista em vendas e motivação, autor de 5 livros e mais de 1.000 palestras realizadas.

Como não perder na seca e tornar a pecuária mais lucrativa
O território brasileiro com 850 milhões de hectares, tem 23% de sua área integrada por pastagens utilizadas por diferentes espécies animais, com o pr...
O sentido da vida
Um dos temas que mais me intrigam é o significado do sentido da vida. Assim, me vejo constantemente pensando nisso e no que pode representar para mim...
A política da boa gestão
Com a capacitação de 239 servidores de Prefeituras e Câmaras Municipais, a terceira edição do programa ‘O Tribunal Que É da Nossa Conta’, realizada e...
Abobrinhas
Uma amiga japonesa certa vez me contava que logo após a explosão das bombas nucleares em Hiroshima e Nagasaki, no Japão, não se comia nada na região ...
imagem transparente