12/06/2019 13:57

Ministério da Justiça divulga números divergentes de homicídios em MS

Dados divulgados pelo governo federal registrou 87 homicídios dolosos, enquanto dados da Sejusp indicam 72 mortes no 1º bimestre

Silvia Frias
No dia 8 de janeiro, um dos homicídios do ano: homem degolado e corpo abandonado (Foto/Arquivo: Henrique Kawaminami)No dia 8 de janeiro, um dos homicídios do ano: homem degolado e corpo abandonado (Foto/Arquivo: Henrique Kawaminami)

Dados divulgados hoje pelo governo federal indicam que Mato Grosso do Sul registrou 87 homicídios dolosos no primeiro bimestre de 2019, números que não estão de acordo com o contabilizado pela Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp): 72 óbitos.

As mortes violentas divulgadas pelo Ministério da Justiça têm como base os boletins de ocorrências dos estados e do Distrito Federal. Nessa conta, o governo considera que houve queda de 23% do número de homicídios no primeiro bimestre do ano em comparação a igual período de 2018.

Pelos dados, foram 6.543 homicídios este ano, enquanto que, no bimestre do ano passado, foram 8.498 mortes. O governo disse que o país passou a ter “estatísticas criminais oficiais e confiáveis” desde março deste ano, consolidadas pelo Sinesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e de Rastreabilidade de Armas e Munições).

Os dados divulgados pelo MJ são conflitantes com os disponíveis para consulta pela Sejusp (Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública). Sendo avaliado somente os homicídios dolosos do primeiro bimestre deste ano, constam 72 mortes pelo sistema estadual.

O recorte feito pelo governo federal não esclarece se os feminicídios entram nesse cálculo. Pelos dados da Sejusp, foram quatro no período avaliado, chegando a 76 mortes.

Mesmo se levando em conta uma possível desatualização, a comparação continua sendo conflitante em anos anteriores, quando as estatísticas já estão fechadas.

Em 2018, pelo Sinesp, foram 437 homicídios dolosos. Pelos dados do Estado, 452 mortes; em 2017, a conta quase fechou, sendo 526 pelo Sinesp e 527 pela Sejusp; em 2016, novamente a discrepância: 580 pelo Sinesp, 562 pelo Sejusp.

Uma terceira comparação também mostra que o recorte dado por cada órgão pode favorecer oscilações nos resultados. No dia 5 de junho, o Atlas da Violência, feito pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pelo FBS (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) publicaram indicadores referentes às mortes violentas de 2017,ampliando o leque considerado (acidentes; lesões autoprovocadas intencionalmente; agressões; intervenções legais e operações de guerra; e mortes violentas com causa indeterminada (MVCI). Neste levantamento, constam 659 homicídios.

A assessoria da Sejusp informou que repassou os dados ao Ministério da Justiça e diz que os boletins são atualizados regularmente, quando os casos são solucionados e, por isso, podem ter alterações no decorrer dos anos, já que constam as informações no ano da ocorrência.

*atualizado às 15h53 para acréscimo de informações

imagem transparente