09/10/2019 10:10

Eleição para conselheiros tem 20 novatos entre os mais votados

Comissão apresentou o resultado final dos votos para escolha de conselheiros tutelares em Campo Grande

Leonardo Rocha e Fernanda Palheta
Comissão eleitoral divulgou o resultado do pleito (Foto: Fernanda Palheta)Comissão eleitoral divulgou o resultado do pleito (Foto: Fernanda Palheta)

Com o resultado final da apuração da eleição para conselheiros tutelares, dos 25 mais votados, 20 são novatos e cinco foram reeleitos em Campo Grande. Segundo a organização, desta lista três candidatos estão sub judice e, portanto ainda terão seus processos julgados. A previsão é que os profissionais assumam os cargos no dia 10 de janeiro.

Segundo a organização da eleição, a apuração dos votos terminou ontem (08), às 21h50, na sede do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), com a lista dos 25 conselheiros mais votados, que poderão ser encaminhados para os cinco Conselhos Tutelares de Campo Grande.

Deste grupo, três estão sub judice: Liana Maksoud, Mirian Falcão e Mari Vilalba. A organização explicou que eles tiveram alguma reprovação entre as três avaliações que foram feitas com os candidatos, antes da eleição, no entanto recorreram do resultado e agora aguardam a decisão da Justiça.

Dos 77 candidatos, aparecem na lista dos 25 mais votados. Veja os nomes em ordem crescente:

Sérgio Luiz

Liana Maksoud

Ana Cláudia Palmeira

Anna Carolina Kalache

Maria Lúcia Maciel

Vânia Aparecida

Letícia Ferreira

Tatiane Lima

Suellen Leme

Adriana Marques

Mirian Falcão

Cristina Froes

Marcelo Marques

Ângela Maria

Éder Rosa

Daniela da Silva

Joana Queiroz

Adriano Ferreira

Cristiane da Silva

Vera Lúcia

Sandra Aparecida

Gleise de Fátima

Raquel Lázaro

Julianna Nery

Hellen Prado.

Votação na Escola Municipal Plínio Mendes (Foto: Marina Pacheco)Votação na Escola Municipal Plínio Mendes (Foto: Marina Pacheco)

Votação – De acordo com Alessandra Rossi, da CMDCA (Conselho Municipal da Criança e do Adolescente), apenas uma urna precisou de recontagem dos votos, já que não estava batendo os números, em relação aos votos nulos.

“Isto mostra a garantia que houve segurança no processo, tanto que contou com a presença de promotor de Justiça, acompanhando a apuração”, disse Rossi.

Ângelo Motti, representante do Instituto Águia, também reforçou que os candidatos puderam acompanhar o processo. Ao todo foram 20.166 votos para 60 seções de votação na Capital, o dobro da última eleição, onde foram 10 mil (votos) e 30 seções.

Segundo a organização não houve falta de cédulas, e que elas eram repostas nas unidades. Sobre as filas para votação, disseram que se deve ao fato da eleição ser manual e não em urna eletrônica.

Também disseram que houve confusão de eleitores em relação aos locais de votação, porque foram disponíveis para o pleito 60 pontos e não todos como na eleição comum. Além disto, citaram que o TRE-MS está mudando algumas seções para eleição de 2020.

Para aqueles que não conseguiram votar, a justificativa foi que o título estava cancelado, ou foi atualizado depois de 7 de agosto ou estava em local errado de votação. A comissão (eleitoral) recebeu 12 denúncias de irregularidades, a maioria sobre boca de urna e transporte de eleitores. Haverá uma avaliação e depois algumas serão encaminhadas para investigação do Ministério Público.

imagem transparente