16/04/2019 09:48

Buscas por assassino de major duraram 30 horas e acabaram em casa abandonada

Os familiares do investigado relaram que Bruno aparentava estar muito nervoso e que havia pedido ajuda a conhecidos para fugir

Viviane Oliveira
Bruno foi preso durante a madrugada por equipes da Polícia Civil (Foto: reprodução/Facebook) Bruno foi preso durante a madrugada por equipes da Polícia Civil (Foto: reprodução/Facebook)

As buscas pelo suspeito de matar o major da reserva do Exército, Paulo Settervall, 57 anos, por volta das 21h30 do último domingo (14), em frente ao Hotel CLH Suítes, quando passava férias com a família em Bonito, duraram 30 horas e acabaram com a prisão de Bruno da Rocha, 31 anos, por volta das 3h desta terça-feira (16) numa casa abandonada.

Conforme o delegado Gustavo Henriques Barros, responsável pelo caso, as investigações começaram ainda no local do crime, quando moradores informaram aos investigadores que um homem identificado como Bruno teria sido o responsável pelo homicídio.

O delegado, então, deslocou uma equipe até a residência do suspeito e encontrou uma fogueira ainda acesa queimando as roupas usadas no crime. Os familiares do investigado relaram que Bruno aparentava estar muito nervoso e que havia pedido ajuda a conhecidos para fugir da cidade. Para impedir a fuga, as equipes fizeram buscas e encontraram Bruno escondido em uma casa abandonada por volta de 3h.

“As investigações iniciaram desde o local do crime e a Polícia Civil trabalhou de forma ininterrupta para que o autor fosse preso. Fechamos o cerco por toda a cidade para impedir que o suspeito fugisse e, após 30 horas de trabalho árduo, conseguimos captura-lo”. O motivo do crime ainda não foi divulgado. 

CrimePaulo foi assassinado por volta de 21h30 do último domingo (14), em frente a hotel CLH Suítes onde estava hospedado com a família. Ele foi morto a facadas na região do tórax, na Rua Luiz da Costa Leite, no Centro do município. O corpo do major está sendo velado desde as 21h de ontem (15) no Cemitério Jardim das Palmeiras, localizado na Avenida Tamandaré, nº 6934, no Jardim Seminário, em Campo Grande. A Polícia Civil fará uma coletiva de imprensa na Capital para divulgar informações sobre o caso.

imagem transparente