11/02/2019 07:54

Escondida no Centro, há 80 anos Terezinha vive em casa entre plantas e cores

Mesmo em um ponto movimentado do Centro, Tereza consegue acordar com a natureza por perto.

Thailla Torres
Com paredes coloridas, Terezinha mantém uma casa decorada com liberdade. (Foto: Kísie Ainoã)Com paredes coloridas, Terezinha mantém uma casa decorada com liberdade. (Foto: Kísie Ainoã)

Uma risada gostosa, o cheirinho das plantas e o carinho do cachorro Bingo. É assim que as visitas são recebidas na casa de dona Terezinha Martins Sobral, de 80 anos, que vive praticamente escondida numa das ruas mais agitadas de Campo Grande. O clima rústico e antigo é reforçado pela arquitetura original da construção nos fundos de um terreno que nunca é visto da rua.

Depois do portão, é preciso atravessar um longo corredor e descobrir que mesmo estando em um ponto movimentado do Centro, Tereza consegue acordar com o som dos passarinhos e o barulho das folhas que balançam com o vento. “Às vezes eu esqueço que moro no Centro. Aqui dentro sinto uma paz tão grande”, descreve a dona.

A casinha antiga é o refúgio de Terezinha bem no centro da cidade. (Foto: Kísie Ainoã)A casinha antiga é o refúgio de Terezinha bem no centro da cidade. (Foto: Kísie Ainoã)
Bingo, o melhor amigo que  adora deitar na porta. (Foto: Kísie Ainoã)Bingo, o melhor amigo que adora deitar na porta. (Foto: Kísie Ainoã)
Da varanda ela admira o canto dos pássaros. (Foto: Kísie Ainoã)Da varanda ela admira o canto dos pássaros. (Foto: Kísie Ainoã)

Os números antigos na fachada e os detalhes da arquitetura já anunciam que ali encontraríamos uma personagem que também conta a história da cidade. Nascida em Campo Grande, Terezinha é a única pessoa mais velha da família ainda viva. Todos os cinco irmãos já faleceram e ficaram os sobrinhos, um deles, arquiteto, admirado pela tia. “É o Mario Sérgio Sobral, ele sabe lindamente de arquitetura e ama essa casa”.

Mas quem cuidou da reforma e de detalhes tão delicados que hoje descrevem a residência de Terezinha não foi Mário, mas o sobrinho Luiz Carlos Sobral, que partiu há alguns anos, depois de ser atropelado no Centro. “Eu brinco que ele era um arquiteto de coração. Tinha a marcenaria como profissão e fez todas essas portas e janelas que você está vendo”.

Nas memórias, além da vida inteira vivida ali, uma parte da parede com o tijolo original aparente segue intacta, para ser história. “É gostoso poder conservar as memórias. Luiz gostava muito disso também, por isso, renovamos a pintura, mas nunca quisemos trocar o azulejo da cozinha”, diz calculando 50 anos para o revestimento braço com detalhes rosas.

Terezinha conta que foi secretária do ex-governador Wilson Barbosa Martins durante 14 anos e depois mudou-se para o Rio de Janeiro para trabalhar em um banco. Hoje, ela divide o tempo entre a casa campo-grandense e a carioca, ambas com aspectos antigos e rodeado pelas plantas para não perder o clima de natureza que sempre fez parte da casa. “Durante anos moramos na casa da frente, mas com o tempo ela foi ficando enorme só para mim. Mario e Luiz então compraram essa casa no fundo, que já existia, mas só precisava de uns reparos”.

Tijolo aparente foi escolha para revelar história da casa. (Foto: Kísie Ainoã)Tijolo aparente foi escolha para revelar história da casa. (Foto: Kísie Ainoã)
Detalhe dos artesanatos feitos por Terezinha. (Foto: Kísie Ainoã)Detalhe dos artesanatos feitos por Terezinha. (Foto: Kísie Ainoã)
Portas foram feitas pelo sobrinho marceneiro. (Foto: Kísie Ainoã)Portas foram feitas pelo sobrinho marceneiro. (Foto: Kísie Ainoã)
Parede com caixotes também. (Foto: Kísie Ainoã)Parede com caixotes também. (Foto: Kísie Ainoã)

Para dar vida aos ambientes, o sobrinho escolheu pintar cada cômodo de uma cor, onde pudessem morar e trabalhar de forma criativa e ao mesmo tempo ter um lugar para desacelerar o ritmo em uma cidade que só cresce. “Ele sabia das cores como ninguém. E eu também sempre gostei muito de arte, então fiz curso de decupagem em alto relevo e passei a fazer objetos de decoração para a casa”.

A sala é cor de rosa, o corredor amarelo, a varanda azul e, a edícula no fundo, é verde. Para compor a decoração, muitos móveis de madeira, todos feitos por Luiz. Na parede da área externa, caixotes formaram um paredão para abrigar as plantas e um banheira antiga foi colocada no quintal para Terezinha plantar o cheiro verde.

A casinha parece abraçar a dona que se sente em um lar confortável. “Se eu morasse em apartamento não viveria tão bem. Essa casa é o meu refúgio diário”

O muro baixo ainda permite um bate papo com a vizinha, que também vive em uma casa com décadas de história na mesma rua. “Quando nasci aqui, não havia quase nada, a cidade terminava ali na Afonso Pena. Com o tempo foi crescendo, as casas antigas se transformando em comércios e a gente resistiu”.

Outro motivo importante que leva Terezinha a viver por ali é o valor histórico. “É uma pena Campo Grande não saber conservar tantas memórias. Vejo muita casa sendo derrubada ao invés de ser restaurante e manter sua história. Aqui tenho sorte, as casas continuam antigas e pelo visto os donos não querem mudança, mas eu prezo muito por isso”.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

Cozinha com azulejos antigos. (Foto: Kísie Ainoã)Cozinha com azulejos antigos. (Foto: Kísie Ainoã)
Detalhes que trazem delicadeza à casa. (Foto: Kísie Ainoã)Detalhes que trazem delicadeza à casa. (Foto: Kísie Ainoã)
Terezinha e o sobrinho Luiz. (Foto: Kísie Ainoã)Terezinha e o sobrinho Luiz. (Foto: Kísie Ainoã)
É com esse sorriso que as visitas são tão bem recebidas na casa de dona Terezinha. (Foto: Kísie Ainoã)É com esse sorriso que as visitas são tão bem recebidas na casa de dona Terezinha. (Foto: Kísie Ainoã)
imagem transparente