10/11/2011 13:55

Porto Murtinho é palco de cultura e arte no Desafio dos Touros a partir de sexta

Paula Vitorino
Folclore do Touro Candill deu roigem ao desafio dos touros Bandido e Encantado. (Foto: Divulgação)Folclore do Touro Candill deu roigem ao desafio dos touros Bandido e Encantado. (Foto: Divulgação)

Reunindo folclore da fronteira e sul-mato-grossense, o 7ª Festival de Porto Murtinho começa nesta sexta-feira (11) e promete encantar os visitantes até segunda-feira (14). O evento reúne atrações culturais de 30 municípios do Estado e da Bolívia, Argentina e Paraguai.

Todas as atividades giram em torno da Disputa dos Touros, envolvendo dança, música e arte nos espetáculos. Bandido, na cor verde, e Encantado, em amarelo, disputam a legítima paternidade do Touro Candil, que surgiu do folclore paraguaio.

O Festival começa às 17h30 de amanhã com a carreata do Touro Encantado pela cidade. Paralelamente acontecem apresentações culturais das cidades parceiras e à noite os shows com atrações regionais.

No sábado, o espetáculo cultural começa já a partir do almoço e segue com diversas apresentações. Às 17h30 é a vez do desfile do Touro Bandido e à noite mais shows regionais.

O esperado Desafio dos Touros será no domingo, às 23h. Cerca de 120 pessoas, sendo a maioria adolescentes, participam da encenação de cada um dos grupos.

O Festival termina na segunda (14), com o resultado do Touro campeão de 2011 e logo após, às 23h30, tem o show de encerramento com os cantores nacionais Gil e Tony Massa. O vencedor da disputa será definido por um júri de 15 convidados.

Tradição - A tradição dos touros bandido e encantado completa 4 anos nesta edição, buscando reconhecimento nacional e visitantes de todas as partes.

O figurinista Francis Fabian, que é responsável pela decoração do Festival desde a 1ª edição, conta que a identidade dos touros surgiu ao longo dos anos e hoje envolve toda a cidade na disputa pelo preferido.

“Toda a cidade é envolvida na festa, é algo inexplicável, muito diferente. E a cada ano está crescendo mais o festival”, diz.

Até o ano passado ele era responsável pelo figurino dos dois touros, mas para esta edição ficou responsável só pelo bandido e o encantado ganhou um figurinista próprio.

“Resolvemos separar para a disputa ficar mais competitiva, porque assim cada um pode tomar partido por um”, diz.

A preparação para o Bandido começou há 4 meses, com oficinas para a população. Todo figurino é confeccionado por cerca de 40 pessoas da cidade, em uma oficina chamada de “curral”.

As músicas do enredo “Guardiões do Pantanal” também foram compostas pelos próprios moradores.

imagem transparente