16/04/2018 11:43

Há 4 anos, no mesmo lugar, foto registra uma das imagens mais lindas do outono

Em uma Sexta-Feira Santa, Helder Pirani fotografou as paineiras da Avenida Ricardo Brandão e todo ano repete a tradição

Ângela Kempfer
A primeira foto, feita em Sexta-Feira Santa de 2014, em uma tarde de céu nublado. (Foto: Helder Pirani)A primeira foto, feita em Sexta-Feira Santa de 2014, em uma tarde de céu nublado. (Foto: Helder Pirani)

Em 2014, depois de uma sessão de fotos no Bairro Itanhangá, Helder Pirani passava pela Avenida Ricardo Brandão, no cruzamento com a Rua dos Vendas, quando resolveu parar e registrar uma das paisagens mais lindas do outono em Campo Grande.

Apesar do tempo fechado, com a chuva prestes a cair, ele arriscou e garantiu uma super imagem: o córrego iluminado sob o sol do fim de tarde, com as águas rosadas pelo reflexo das flores das paineiras que emolduram cacheadas esse trecho da cidade entre os meses de março e abril.

"Quando terminei, caiu um temporal. Cheguei em casa, tratei a foto e o céu ficou incrível, super colorido", lembra. Desde então, a experiência virou ritual desta época do ano. Quando ele falha, os amigos, cobram. "Neste ano, choveu na Sexta-Feira Santa, então tive de fazer na semana posterior, daí o povo cobrou porque não tinha postado no Facebook", comenta Helder.

Lá se vão 4 anos de relação com a paineiras, as árvores floridas que dividem com os ipês a afetividade em Campo Grande e fizeram de Helder um fotógrafo conhecido. "Aquela foto me projetou como profissional. Teve mais de 10 mil compartilhamentos nas redes sociais. Até o governador e o prefeito compartilharam em 2014", conta. 

Em 2015 veio a segunda, e muitos pedidos pela imagem original. "Resolvi então vender, mas não por dinheiro. Troquei por cestas básicas e entreguei para o centro espírita que frequento. Recolhi 22 cestas", contabiliza. 

Como a foto hoje é um ritual, o endereço e o ângulo são sempre exatamente os mesmos, apenas luz e técnica mudam, garante ele. Mas com o tempo, Helder foi verificando algumas alterações na paisagem. "No ano passado, por exemplo, percebi muita sujeira no local e o cheiro do córrego bastante forte. Felizmente, este ano melhorou a limpeza. Mas tenho percebido que as paineiras têm perdido a força", observa preocupado.

Veja os registros de Helder feitos nos últimos anos na Ricardo Brandão:

Imagem de 2015, com flores bem mais avermelhadas por conta da luz. (Foto: Helder Pirani)Imagem de 2015, com flores bem mais avermelhadas por conta da luz. (Foto: Helder Pirani)
Em 2016, rosa voltou ao cenário, em coloração nos galhos. (Foto: Helder Pirani)Em 2016, rosa voltou ao cenário, em coloração nos galhos. (Foto: Helder Pirani)
Alaranjado ao lango do córrego e dos galhos menos floridos. (Foto: Helder Pirani)Alaranjado ao lango do córrego e dos galhos menos floridos. (Foto: Helder Pirani)
Último registro feito por Helder, em 2018. Foto: Helder Pirani)Último registro feito por Helder, em 2018. Foto: Helder Pirani)
imagem transparente