27/09/2018 15:31

Fogos tiram as crianças de casa para ganhar doces de São Cosme e Damião

Comemoração vale matar aula em Corumbá e na Capital em agenda até domingo para quem quer entrar na brincadeiras dos santos

Kimberly Teodoro com Diário Corumbaense
Criança com a mão cheia de doces no Dia de São Cosme e Damião. (Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Criança com a mão cheia de doces no Dia de São Cosme e Damião. (Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

Firme e forte na tradição, tem festa em Corumbá e Campo Grande com distribuição de doces para as crianças no dia de São Cosme e Damião.

Lá na Cidade Branca, vale até faltar aula para manter o costume. O sinal para o começo da festa são os fogos de artifício, que os moradores de Corumbá usam para que as crianças saibam que naquela casa tem doces e que a distribuição de pacotinhos já começou.

Padroeiros dos médicos, farmacêuticos e amigos das crianças, os irmãos gêmeos que ficaram conhecidos por curar pessoas e animais enfermos, até hoje tem um dia dedicado só a eles, aliás, mais de um: No dia 26 de setembro a festa é da igreja católica e no dia 27 a comemoração é no terreiro.

É comum que os fiéis façam promessas aos irmãos, em retribuição a graça alcançada o costume é firmar um compromisso e fazer é a distribuição de doces, uma comemoração onde as crianças são sempre bem vindas. 

A dona de casa Terezinha Santos Moura, de 70 anos e o marido, Romeu de Moura, de 76, já aposentado, continuam realizando a festa mesmo depois de 30 anos do compromisso firmado. Ao Diário Corumbaense, ela contou que a motivação para começar a participar da festa foram problemas de saúde do marido, e mesmo depois da cura alcançada, a distribuição continua por já ser uma tradição da família, que ajuda em peso.

Distribuição de doces é tradição que se mantém viva em Corumbá (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Distribuição de doces é tradição que se mantém viva em Corumbá (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)
 O sinal para o começo da festa são os fogos de artifício, que os moradores usam para que as crianças saibam que naquela casa (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense) O sinal para o começo da festa são os fogos de artifício, que os moradores usam para que as crianças saibam que naquela casa (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

No dia festa, as crianças até ganham permissão para faltar aula e ir atrás de doces pela rua. Por envolver a família inteira é normal ver crianças acompanhadas dos irmãos e primos, os menores vão com as mães ou um parente mais velho, o que não vale é perder a comemoração. 

É o caso de Luís, que aos 4 anos já participa da festa, acompanhado do pai, dos irmãos e dos primos, todos munidos de água e comida, prontos para passar o dia na rua. É uma tradição que a avó, Cláudia Sorino, de 69 anos faz questão de garantir, mesmo que seja cabulando aula. Como com a matriarca da família não se discute, acordar cedo hoje foi mais divertido que os outros dias. 

Valdenice Ortega, aos 27 anos participava da festa quando criança e ainda se recorda da correria para pegar doces e entrar nas brincadeiras com os amigos pelo bairro. Atualmente, ela leva a filha, Júlia que só tem 2 anos, mas vai aprender a tradição desde pequena.

 

Moradora distribui pacotes preparados para a festa. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Moradora distribui pacotes preparados para a festa. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)

Moradora de Corumbá desde o primeiro ano de vida, a estuante de jornalismo Paula Navarro, 27 anos, guarda boas lembranças da tradição durante a infância. Ela conta que os pais proibiam de correr atrás de doces porque, para eles, os doces são para quem não tem condições de comprar.

"Quando eu entendi, comecei a ver por esse lado e passei a ajudar na distribuição. Eu me sentia mais feliz ajudando eles a distribuir. Era mais divertido ver as outras crianças felizes, porque eu cresci com a ideia de que eles não tinham nada, e naquele momento em que eles ganhavam ficavam deslumbrados", lembra Paula que, apesar de não participar todos os anos. ajuda a família na distribuição sempre que pode. No ano passado, foram 500 pacotinhos entregues, neste ano foram 100 e se tudo der certo, ano que vem tem de novo.

Campo Grande - Por aqui também tem festa de São Cosme e Damião. Hoje, são pelo menos 2 festas e no fim de semana outras duas.

Hoje, às 20 horas a celebração é na Casa do Pai Guiné, na Rua Julino Borges, número 8, no Centro, perto da Santa Casa de Campo Grande. Nesta sexta, no mesmo horário, outro endereço de festa é no Centro Espírita Pai Joaquim de Angola, na Rua Kaliu Naban, 54, Bairro Guanandi II. 

Sábado, às 16h o Dia de São Cosme e Damião será festejado na Rua do Elefante, 135, em evento realizado por moradora do Bairro Estrela Dalva. No domingo (30), das 10h às 15h, quem quiser doces deve ir até o Centro de Umbanda Ogum Rompe Mato, na Rua Eufrazina Vilela Cabral, quadra 7, lote 9.

Se você souber de mais algum endereço de festa para os santos nos próximos dias, deixe a dica nos comentários da matéria.

Fila hoje em Corumbá para todo mundo ganhar doces de São Cosme e Damião. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)Fila hoje em Corumbá para todo mundo ganhar doces de São Cosme e Damião. (Foto: Anderson Gallo/Diário Corumbaense)
imagem transparente