26/07/2013 06:53

Apaixonada pelo Pará, ela trocou o Direito pela peixaria com sabor do Norte

Informe Publicitário
Adelaide Vieira deixou a advocacia para ser peixeira e o resultado são freezers lotados de espécies que aqui não se encontra. (Fotos: Marcos Ermínio)Adelaide Vieira deixou a advocacia para ser peixeira e o resultado são freezers lotados de espécies que aqui não se encontra. (Fotos: Marcos Ermínio)

As cores, cheiros e sabores do Pará agora podem ser encontrados em Campo Grande. Andando pela rua Rodolfo José Pinho, as portas de uma das lojas da galeria já chamam atenção pelo colorido e pelo que tem a oferecer: peixe vindo direto do Pará. A peculiaridade da casa é vender espécies da bacia Amazônica e do mar do Pará.

Inaugurada há 20 dias, a peixaria Dom Pará é a quarta do paraense Edson dos Santos e a primeira da advogada Adelaide Vieira. Com o Pará no coração ela fala com sorriso aberto “deixei a advocacia para virar peixeira e sou muito feliz”.

Depois de 12 anos morando na região Norte do País, ela e o marido vieram para a Capital há um ano com a ideia de trazer o gosto e o tempero da culinária paraense. O resultado foi a peixaria Dom Pará, de portas abertas e freezers lotados de 11 espécies. Um prato cheio para quem quer se deliciar com peixes magros, sem espinha e saborosos.

“Nossos peixes são diferenciados porque não tem espinho, é só o espinhaço, que é a parte inteira, eles não têm gordura e são peixes que circulam entre o rio e o mar, aí está o sabor”, explica Adelaide.

Na parede da peixaria, um anúncio com os nomes das espécies e a ilustração. No local são encontrados: Camurim, Dourada, Uritinga, Pescada Corvina, Bagre, Pescada Gó, Pescada Branca, Pescada Amarela, Piramutaba, Gurijuba e Pirarucu. Destes o carro chefe da casa é a Pescada Amarela, considerado o peixe mais nobre do Pará, seguido do Pirarucu, que seria o ‘bacalhau’ do Estado e Gurijuba, considerado afrodisíaco. Além de porções de camarão seco salgado.

Na loja, o Pará se vende por si só: louças de barro marajoara. Na loja, o Pará se vende por si só: louças de barro marajoara.
Cervejas com o gosto da Amazônia e alguns dos temperos que só tem lá.Cervejas com o gosto da Amazônia e alguns dos temperos que só tem lá.

Os produtos são vendidos congelados e a peixaria não faz manipulação. No entanto, oferece além das espécies, a simpatia dos donos em casa. Da Dom Pará se leva o peixe, a paixão pelo Norte e de quebra um personal chef. Adelaide e Edson cobram apenas uma taxa pelo deslocamento e podem fazer as receitas na casa do cliente. “Os clientes ficam assistindo, é muito bonito de se fazer o peixe”, observa Adelaide.

No paladar, os peixes são aveludados e com uma característica peculiar que não tem comparação. É só provando mesmo. De tempero, a dona condena a variedade e ensina que para manter o gosto mesmo, é à base de sal e limão.

O cantinho vende o Pará por si mesmo. Em uma mesa no centro estão guias turísticos, receitas da culinária e na estante, jogos de jantar de barro Marajó. Lindos e por incrível que pareça, leves também. Próximo ao caixa, a tentação está nos bombons de açaí, cupuaçu e castanha. Produção feita no Pará e trazida por Adelaide a cada viagem, como amostra do que a gastronomia do Norte tem em doces para acompanhar a cerveja da linha ‘Amazon Beer’, com peculiaridades da região no aroma e no sabor.

Todos os peixes vem acompanhados da informação nutricional e são vendidos por quilo. Como hoje é sexta, o Lado B convida os leitores a darem uma variada do cardápio passando na peixaria. O atendimento é de terça à sábado das 8h às 18h e aos domingos e feriados, das 7h às 12.

A Peixaria Dom Pará fica na rua Rodolfo José Pinho, 241, loja 3, bairro São Bento. O telefone de contato é o 3211-4022.
“O Pará é a terra dos cheiros, cores e sabores”, sintetiza Adelaide. E pronto, o convite está feito.

Peixaria é aberta de terça aos sábados, das 8h às 18h. E entre domingos e feriados, das 7h às 12h.Peixaria é aberta de terça aos sábados, das 8h às 18h. E entre domingos e feriados, das 7h às 12h.
imagem transparente