13/02/2019 15:59

Cheia de rio provoca invasão de cobras em cidade de Mato Grosso do Sul

Nos últimos 13 dias, seis cobras foram capturadas em casas ou prédios públicos em Coxim

Guilherme Henri
Jararaca capturada dentro de sala de aula (Foto: Divulgação/ PMA)Jararaca capturada dentro de sala de aula (Foto: Divulgação/ PMA)

Em 13 dias, a Polícia Militar Ambiental capturou seis cobras em casas e prédios públicos de Coxim – a 260 km da Capital. A invasão destes animais está diretamente ligada ao períoso de cheia dos rios, onde para escapar da água acabam invadindo a área urbana, explica o biólogo e tenente coronel da PMA, Edmilson Paulino Queiroz.

O caso mais recente ocorreu ontem (12) à noite dentro de sala de aula em escola da zona rural no município. O responsável pela escola chamou a PMA, quando viu uma cobra em carteira de uma sala de aula.

A serpente era uma Jararaca e foi colocada em uma caixa de contenção e, como não apresentava ferimentos, foi solta no seu habitat natural.

“Elas acabam deixando seu habitat devido a cheia do rio e entram no perímetro urbano. A principal orientação é não mexer ou mesmo tentar capturar o animal. Se estiver no quintal a cobra vai acabar naturalmente saindo. Caso isso não ocorra, o morador deve chamar a PMA ou Corpo de bombeiros”, explica Queiroz.

Outros casos - No dia 31, duas serpentes peçonhentas do gênero Bothrops (Jararaca), de duas espécies diferentes, uma delas conhecida como boca-de-sapo, tinham sido capturadas. Elas estavam embaixo de uma máquina de lavar na área de serviço de uma residência na cidade.

No dia 4 de fevereiro, os militares capturaram outra jararaca. No último dia 7, uma serpente da espécie caninana (Spilotes pullatus) foi capturada em uma chácara no perímetro urbano. O proprietário viu o animal no madeiramento do telhado de sua residência. Todas as serpentes capturadas foram soltas no seu habitat natural.

imagem transparente