03/01/2014 07:02

Vale a pena apertar o botão excluir e se "desligar" do Facebook?

Elverson Cardozo e Anny Malagolini
Para a muita gente a dependência atrapalha a rotina. O jeito é trancar o Facebook, nem que seja por um tempo. (Foto: Reprodução/Internet)Para a muita gente a dependência atrapalha a rotina. O jeito é "trancar" o Facebook, nem que seja por um tempo. (Foto: Reprodução/Internet)

Imagine uma vida sem postar, curtir, compartilhar e comentar. Se você vive conectado, acompanhando tudo o que rola nas redes sociais, essa possibilidade, com certeza, parece um absurdo. Mas, acredite, tem quem consegue viver longe de tudo isso. Alguns, por escolha, nunca sentiram a “agonia” desta dependência. Outros, por “milagre”, deram um jeito de se livrar da “maldição”.

As amigas acharam estranho, protestaram, cobraram explicações, mas Luciana Rodrigues Lopes, de 15 anos, se manteve firme na decisão de não voltar a usar o Facebook. Ela saiu da rede no ano passado e não pretende reativar o perfil. O “detox” só provou, para ela, que o mundo das relações virtuais, apesar de convidativo, não é de todo positivo.

“Não acrescentava em nada na minha vida. Só ficava perdendo tempo. Toda hora olhando. Deixa de fazer as coisas”, justificou.

A adolescente sofreu a conhecida “abstinência virtual”, que faz muita gente voltar atrás, mas segurou a “onda” e hoje, longe da “síndrome de dar uma olhadinha no Face”, sente-me melhor. Pelo menos é isso o que diz. “Pensei em reativar. Ficava pensando: ‘O que será que está acontecendo”. Mas, depois, isso passou. Aí eu falei: “Quem quiser me ver, que venha até mim”, disse.

Luciana conseguiu sair do Face, mas agora viciou no WhatsApp. (Foto: Arquivo Pessoal)Luciana conseguiu sair do Face, mas agora viciou no WhatsApp. (Foto: Arquivo Pessoal)

O discurso de “gente grande” chama atenção, mas o pai da jovem, o segurança Wagner Rodrigues Lopes, de 38 anos, logo entrega o “jogo” da filha. “Eu achei bom que ela saiu, mas agora tem o tal do WhatsApp. Já veio outra coisa”, lamenta.

Apesar da troca, Wagner prefere assim, porque o Facebook, nas palavras dele, “é muito estranho”. “Para pré-adolescente é ruim. Ela pode conversar com qualquer um que pede para ela aceitar o convite de amigo”, justifica.

Na avaliação do segurança, a exposição, no celular, é menor. O prejuízo também. Na internet, disse, Luciana perdia tempo, deixar de estudar e dormia tarde porque ficava conversando com as amigas. No WhatsApp, garante o pai, o vício parece ser menor. Não é o que pensa a filha.

Vale a pena sair da rede? - Daiani Alencar, de 21 anos, até cogitou abandonar tudo, mas, antes, pensou no custo-benefício. “Eu não iria aguentar. Iria fazer outro e até adicionar todo mundo daria muito trabalho”, explicou.

Manuela Garcia, de 20 anos, era outra que estava decidida, por causa das fofocas, a apertar o botão “excluir”, mas a jovem pesou a decisão e mudou de ideia. Apesar das chateações, quer continuar enturmada. “Não quis me excluir das pessoas”, justificou.

Campo Grande News - Lista Vip WhatsApp
imagem transparente