A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 16 de Dezembro de 2018

05/12/2018 12:10

MIS exibe documentário que fala da destruição do nosso "tão velho Cerrado"

Depois da exibição haverá debate com a bióloga Simone Mamede e a pesquisadora Fernanda Savicki

Guilherme Henri
Cena de documentário que trata sobre Cerrado e o bioma do país (Foto: Divulgação)Cena de documentário que trata sobre Cerrado e o bioma do país (Foto: Divulgação)

O MIS (Museu da Imagem e do Som) exibe de graça amanhã (6), às 19h, o documentário “Ser Tão Velho Cerrado”. O longa fala sobre o bioma, as ameaças e importância para o País. Após a exibição, o Museu promove um “CineDebate” com a bióloga Simone Mamede e a pesquisadora Fernanda  Savicki.

Ser Tão Velho Cerrado é dirigido por André D'Elia, que apresenta os impactos do desmatamento no Brasil e as inúmeras consequências ao meio ambiente.

As cenas mostram moradores da Chapada dos Veadeiros. Preocupados com o fim do Cerrado em Goiás, eles procuram novas formas de desenvolver a região sem agredir o meio ambiente.

Uma das sacadas do autor é mostrar o desafio em conciliar os interesses relacionados ao manejo da Área de Proteção Ambiental do Pouso Alto, também em Goiás. Para isso, a comunidade científica, grandes proprietários de terra e defensores do meio ambiente, iniciam um diálogo delicado, mas necessário.

Currículo - Fernanda é pesquisadora em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, atua no eixo de Meio Ambiente e Saúde: Biodiversidade e Agronegócio, nas linhas de pesquisa de Agroecologia e saúde, impacto dos agrotóxicos na saúde coletiva e uso da biodiversidade medicinal no SUS.

Já Simone é bióloga, fundadora do Instituto Mamede, atuante nas áreas de Educação Ambiental e Ecoturismo no Mato Grosso do Sul.

O desmatamento do bioma cerrado já alcança 51% do território. Ainda assim, em alguns estados a retirada de vegetação diminuiu. É o caso de Mato Grosso do Sul. Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) mostram que o desmatamento diminuiu 15% entre 2016 e 2017.

Em 2016 foram 336,8 quilômetros desmatados. Em 2017 esse número cai para 285,7. Conforme noticiou a Agência Brasil, na comparação de 2016 com o ano anterior, a redução em todo o país foi de 43%. Apesar do recuo, a perda cobertura vegetal na região chega a 51%.

Serviço - O Museu da Imagem e do Som fica na Avenida Fernando Corrêa da Costa, 559. O evento será realizada das 19h às 22h.

Paisagem retrata em documentário (Foto: Divulgação)Paisagem retrata em documentário (Foto: Divulgação)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.