A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

23/05/2012 09:18

Assentados invadem sede do Incra e cobram liberação de crédito

Francisco Júnior e Luciana Brazil
Manifestantes na sede do Incra, em Campo Grande. (Foto: Simão Nogueira)Manifestantes na sede do Incra, em Campo Grande. (Foto: Simão Nogueira)

Um grupo de agricultores familiares invadiu a sede do Incra (Instituto Nacional de Reforma Agrária de Colonização), em Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (23).

A ação faz parte da 8ª Jornada Nacional de Luta da Agricultura Familiar para cobrar do Governo Federal investimentos mínimos nos assentamentos rurais.

Conforme o presidente da FAF (Federação da Agricultura Familiar), José Lino, tem famílias que estão em assentamentos há quatros anos em situação precária e de miséria, devido falta de investimentos.

Segundo Lino, os agricultores reivindicam a liberação da DAP (Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), documento necessário para liberação do crédito inicial no valor de R$ 3,2 mil, retomada imediata das obras de construção de casas novas ou reforma nos assentamentos.

Segundo Lino, devido a situação crítica, os agricultores estão deixando as famílias nos assentamentos para trabalharem em fazendas e chácaras vizinhas.

O Incra informou que o crédito para os agricultores de assentamentos no Estado está parado por conta das ações movidas pelo MPF (Ministério Público Federal), que apontam irregularidades na condução do processo de reforma agrária no Estado.

O agricultor Faustino Nogueira, do assentamento Ouro Branco, em Terenos, disse como no local havia não providenciado o encanamento nas casa, as famílias estão tendo que buscar água a uma distância de 3 quilômetros.

Liderança do assentamento Magno de Oliveira, que fica em Caarapó, José Aparecido da Silva, afirma que os investimentos prometidos pelo Governo Federal ainda não foram repassados aos agricultores, que por conta disso estão passando serias dificuldades. “As pessoas nos olham como vagabundos.

Nós queremos trabalhar. Queremos o dinheiro que o Incra prometeu”, reclamou.

Os manifestantes pretendem marcar uma reunião com o superintende do Instituto, Celso Cestari.



Por que que dão terra a esse povo, e não dão condições para eles trabalharem?
O governo só é corrupção, passam a mão no dinheiro e não designam aos pobres,
cade a verba que o governo libera?
Cade as casa que é projetada para os assentamentos? Como diz o Neto" é brincadeira".
 
Carlos Jose Pereira em 04/06/2012 01:51:24
É UMA VERGONHA PARA A PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, O QUE O INCRA DO MS ESTA FAZENDO, ESTÁ ENVERGONHANDO O GOVERNO FEDERAL, QUE TANTO IMPÕE RESPEITO E MORALIZAÇÃO, PRESIDENTE DILMA, O QUE ESTA ACONTECENDO, EXTINGUA ESTE ÓRGÃO FEDERAL, NO MS, SÓ ESTA DANDO DESPESA, E FILHO QUE DÁ DESPESA CONTÍNUA, RUA, PELO AMOR DE DEUS, OU PRODUZ, OU PRODUZ, ESTA É A META DA EMPRESA PRIVADA, PORQUÊ?, NÃO NAS PÚBLICAS.
 
pedro braga em 23/05/2012 01:58:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions