A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

24/05/2012 12:36

Cade vai investigar atuação do JBS após reunião com bancada

Fabiano Arruda
Senadores Delcídio do Amaral e Waldemir Moka e presidente da Acrissul, Francisco Maia, em reunião com secretário de Direitos Econômicos, Vinicius Marques de Carvalho, em reunião nesta quinta em Brasília. (Foto: Divulgação)Senadores Delcídio do Amaral e Waldemir Moka e presidente da Acrissul, Francisco Maia, em reunião com secretário de Direitos Econômicos, Vinicius Marques de Carvalho, em reunião nesta quinta em Brasília. (Foto: Divulgação)

Conselheiros do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) vão notificar o grupo JBS e investigar a atuação do frigorífico no abate de carne em Mato Grosso do Sul e outros estados.

A empresa é acusada por produtores rurais de concentrar grande parte da atividade no País numa atuação que é definida como lesiva e prejudicial aos produtores rurais.

O argumento da classe é que, por meio de financiamentos como do BNDES, o grupo tem arrendado pequenos frigoríficos e os mantidos fechados para dominar o abate de carne. O temor dos produtores é que a ação influencie e aumente o preço da arroba do boi e os custos da cadeia.

As informações foram deliberadas nesta quinta-feira durante audiência como o secretário de Direitos Econômicos, Vinicius Marques de Carvalho, em Brasília (DF), com a bancada federal de Mato Grosso do Sul, o presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia.

O senador Waldemir Moka (PMDB), que viabilizou o encontro, destacou que as reclamações feitas pelos produtores contra a empresa saíram do discurso, difundido em debates realizados em Campo Grande, para a prática.

“Uma ata foi registrada sobre o encontro e haverá investigação sobre o assunto”, comentou o parlamentar. Segundo ele já foi marcada para o dia 13 de junho reunião entre os conselheiros do Cade e representantes de frigoríficos na própria secretaria de Direitos Econômicos.

O presidente da Acrissul, Francisco Maia, disse que agora cabe ao órgão do Senado levar em conta as informações prestadas pelos produtores e apurar as denúncias.

“O secretário nos afirmou que o Governo já tinha conhecimento do assunto e que tem preocupação com as acusações. Demos um passo importante hoje”, pontuou.

Também participaram da audiência nesta quinta o senador Delcídio do Amaral (PT), bem como os deputados Fabio Trad (PMDB), Geraldo Resende (PMDB) e Edson Giroto (PMDB).

O encontro ainda contou com o presidente da frente parlamentar do agronegócio, deputado federal Homero Pereira (PSD/MT). Ele encabeçou as mesmas queixas sobre do setor em Mato Grosso.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o JBS informou que não vai comentar o assunto, já que ainda não foi notificado.



Senhores Senadores: Delcídio do Amaral e Waldemir Moka, porque Vossas Excelências fazem a mesma coisa junto ao Banco do Brasil, sobre o monopólio que o mesmo ensiste em manter sobre os consignados dos Servidores Públicos Estaduais de MS. Creio que nós temos os direitos de negociar e renegociar com qual Banco queremos manter os consignados. Pensem e reflitam sobre isso!Obrigado.
 
Rosangela Amorim em 24/05/2012 05:29:40
Esse CADE não manda e não resolve nada !!!
"CADE" a determinação de acabar com a exclusividade do Banco Do Brasil no empréstimo consignado ?
 
CARLOS NETTO em 24/05/2012 04:15:35
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions