A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

01/02/2014 09:33

Fazendas continuam invadidas e produtor rural reclama de calmaria em Japorã

Zana Zaidan

Após inúmeras reuniões entre representantes do governo federal e setor rural de Mato Grosso do Sul, produtores cobram uma solução definitiva. Pecuarista em Japorã, a 487 quilômetros de Campo Grande, Ivagner José Varago, 40 anos, relata a “calmaria” da cidade, o que, para ele, é um indício de que nada será feito.

“Não tem mais conflito, Polícia Federal, nada. Ou seja, os índios invadiram, e lá ficarão, porque, no calor do momento, quando morreu um índio, fizeram todo aquele barulho de negociação, de solução. Agora que passou, todos esqueceram”, opina.

Ivagner teve uma propriedade invadida no último dia 20. Antes da Estância Varago, a fazenda São José, no mesmo município, também foi tomada por indígenas, conta, ao lamentar o fato de as duas propriedades serem a fonte de renda da família.

“Consegui vender o gado que estava na fazenda, e hoje estamos vivendo do dinheiro obtido no negócio. Quando acabar, vou pedir cesta básica para a Dilma”, diz o fazendeiro, revoltado.

Nos dois casos, o gado foi retirado por intermédio da Polícia Federal, que negociou com os indígenas. Eram 765 cabeças. “Antes disso, eles tinham matado 21 animais, e sumiram com outros 24”, afirma Ivagner.

Segundo ele, a forma como os indígenas invadiram as duas fazendas foi a mesma. “Chegam 30 ou 40 deles, armados. Um dos meus funcionários foi agredido mas, como eles têm crianças, fica complicado reagir”, diz. Hoje, o pecuarista alega não ter noção de quantas famílias estão nas propriedades. “Não deixam a gente nem chegar perto da porteira, não sei o que se passa lá dentro”, acrescenta.

Invasões – Conforme a última atualização da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), 80 propriedades rurais estão invadidas por indígenas no Estado.



Não é "calmaria" é omissão e descaso do Governo Federal. É abuso por parte das autoridades que podendo evitar os ilícitos, não o fazem.
 
Mônica Corrêa em 01/02/2014 14:21:52
Ao produtor rural Ivagner digo que nao se deixe abater. Estamos sendo vitimas do Estado inoperante e ideologico, da Igreja Catolica conivente e de uma Justica inerte. Alem de nao poder contar com a sociedade que esta anestesiada, vendo estes desmandos e nao se posicionando.
A verdade ainda sera restabelecida.
Vamos na Praca em Campo Grande dia 7 de fevereiro. Acesse o Confisco Nao.
Queixada fora da manada e presa facil pra onca.
 
Monica Correa em 01/02/2014 13:14:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions