A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018

28/03/2018 13:30

Governo disponibiliza plataforma que ajuda produtor a cumprir Código Florestal

Pedro Peduzzi, da Agência Brasil
O  ministro  da  Agricultura,  Blairo  Maggi,  e  os  presidentes  da  CNA,  João  Martins,  e  da  Embrapa, Maurício Lopes, durante o  lançamento  das  plataformas  multi-institucionais (Foto: Marcelo Camargo/Agência  Brasil)O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e os presidentes da CNA, João Martins, e da Embrapa, Maurício Lopes, durante o lançamento das plataformas multi-institucionais (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Duas ferramentas lançadas hoje (28) pelos ministérios da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Meio Ambiente e pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) poderão ajudar o Brasil a cumprir, e comprovar que está cumprindo, metas relativas à redução das emissões de gases de efeito estufa. Isso será feito por meio de duas plataformas: uma agrega dados a partir do monitoramento sobre a redução dos gases e a outra apresenta soluções tecnológicas personalizadas para ajudar o produtor a cumprir o que está previsto em legislações como a do Código Florestal.

O monitoramento será feito pela Plataforma Multi-Institucional de Monitoramento das Reduções de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Agropecuária, chamada de Plataforma ABC. “Por meio dela, faremos medições da quantidade de carbono no solo antes e depois da aplicação de tecnologias. Isso nos mostrará a quantidade de carbono que não foi lançado na atmosfera”, disse o presidente da Embrapa, Maurício Lopes.

Segundo Lopes, entre os serviços oferecidos pela plataforma estão o de selecionar metodologia, monitorar e fazer o acompanhamentos, armazenar dados e fazer gestão dessas informações. “O que queremos com essa plataforma é reduzir as emissões, trazer mais resiliência para os sistemas produtivos e, claro, garantir renda para os nossos produtores”, afirmou.

“É preciso monitorar a implementação da política pública e gerar dados que comprovem que essa política está apresentando resultados concretos. Temos metas, métricas definidas e objetivos. Vamos agora acompanhar [esses processos]. O mais importante é habilitarmos o Brasil a preparar relatórios oficiais e bem embasados, de que a política publica está apresentando resultados concretos”, acrescentou.

Durante o lançamento das plataformas, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, lembrou que o governo assumiu diversos compromissos em fóruns internacionais. “Ao sermos questionados lá fora [sobre estarmos, ou não, cumprindo esses compromissos], não tínhamos como comprovar nem como dizer [de forma respaldada] o que estávamos fazendo. Agora vamos monitorar e, ao sermos questionados, vamos mostrar e certificar com dados o que está acontecendo”, disse o ministro.

“Essa plataforma nos dará argumentação para mostrar que somos eficientes também no que se refere a sustentabilidade”, acrescentou o presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), João Martins Silva

WebAmbiente - A segunda plataforma lançada hoje é a WebAmbiente, que disponibilizará, via internet, um conjunto de soluções tecnológicas e serviços para que os produtores rurais planejem a recomposição de áreas degradadas de seus imóveis. De acordo com a secretária de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, Juliana Ferreira Simões, essa plataforma tem como desafio ajudar o produtor a lidar com o novo Código Florestal por meio da oferta de boas práticas, de estratégias de recomposição mais adequadas, e de uma lista de espécies nativas para cada área.

Juliana explicou que o WebAmbiente é um simulador que vai ofertar informações para que o usuário tenha sucesso no sentido de recuperar sua área. Para tanto, o interessado precisa fazer um "cadastro simples" e uma simulação a partir das características e localidades de sua área, apresentando detalhes sobre sua área, contando inclusive com a ajuda de imagens de satélite. Por meio dessas imagens, o usuário pode apontar com precisão a área que pretende recompor.

“O sistema mostrará ao produtor qual é o bioma em que a propriedade está inserida, de forma a sugerir as espécies que podem ser usadas. Ele terá também formações climáticas que o ajudarão a definir a época adequada para o plantio, além de ter à disposição tecnologias para a área de uso restrito e alternativo do solo”, explicou a secretária. Ela destacou que o WebAmbiente ajuda também o ajuda na identificação do tipo de solo e suas necessidades, como a de uso ou não uso de fertilizantes. “Ao final, o produtor receberá uma lista de espécies nativas para fazerem a recuperação da área.”

Além de reunir informações sobre o uso de espécies nativas nos diferentes biomas brasileiros, a plataforma apresenta funcionalidades, como cadastro de áreas, diagnóstico interativo, potencial econômico de espécies nativas, e técnicas e modelos disponíveis de viveiros e mudas, bem como de cursos, análise de custos e biblioteca digital.

Maggi enfatizou que as duas plataformas ajudarão o país a evitar que o descumprimento de metas ambientais seja usado como argumento de outros países para boicotar produtos brasileiros. “Muitos países estão tentando fazer a proteção de seus mercados. Eles sabem que concorrer com o Brasil [nesse setor] não é fácil”, disse o ministro. “Portanto, precisamos agora mostrar aos nossos produtores onde está isso na internet.”

O WebAmbiente já está disponível nos sites do Ministério do Meio Ambiente e no da Embrapa.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions