A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

04/05/2015 11:10

Lançada hoje, campanha quer vacinar 18 milhões de cabeças contra aftosa

Priscilla Peres e Leonardo Rocha
Reinaldo vacinou algumas cabeças e deu início a campanha. (Foto: Marcelo Calanzas)Reinaldo vacinou algumas cabeças e deu início a campanha. (Foto: Marcelo Calanzas)

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) lançou hoje (4) a primeira fase da campanha de vacinação da Aftosa, no assentamento Estrela, há 20 km de Campo Grande, município de Jaraguai. Durante o evento, ele mesmo vacinou algumas cabeças e fez uma breve apresentação sobre o que espera da campanha.

A vacinação teve início no dia 1° na região de Fronteira, onde segue ate 15 de maio. Hoje começou no Planalto (termina em 8 de junho) e Pantanal (segue até 17 de junho). A expectativa é de vacinar 18,8 milhões de cabeças em todo o Estado, que tem o quarto maior rebanho do país.

O governo espera que no futuro o estado seja livre de aftosa sem vacinação, como já acontece em Santa Catarina. Atualmente é considerado livre, mas com vacinação. "A meta é ficar sem vacinação, porém este é um processo para o futuro, já que nesse momento o foco é na vacinação consciente para que os animais tenham imunidade, principalmente na região de fronteira", explicou o governador.

Reinaldo ainda ressaltou que fazem 10 anos que o Estado não registra nenhum caso de febre aftosa e a última vez que ocorreu foi devido a contrabando de animal pela fronteira."Essa é uma preocupação grande, pois se surgir um caso, pode por a perder todo o processo".

Em função de estar livre da aftosa, MS poderá alcançar mercados internacionais já que, segundo ele, temos a melhor carne do Brasil. "Cada produtor precisa de consciência e responsabilidade e o estado pode crescer muito no setor agropecuário, principalmente em função da qualidade do nosso rebanho", afirma Reinaldo.

Ele ainda ressaltou, que aqui em MS o rebanho atinge o mercado em menor tempo. O governo vai estar sempre dando o apoio necessário principalmente aos pequenos produtores, que precisam de um apoio menor.

Secretários e autoridades ligadas ao setor se reuniram nesta manhã. (Foto: Marcelo Calanzas)Secretários e autoridades ligadas ao setor se reuniram nesta manhã. (Foto: Marcelo Calanzas)

Campanha - O diretor-presidente da Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), Luciano Chiochetta disse hoje que espera que a vacinação seja feita em 100% do rebanho ou próximo a isso. "Esta campanha começou em abril na fronteira, justamente por que lá é preciso uma fiscalização maior".

Atualmente são 650 servidores disponíveis para a campanha, divididos no campo e escritório . Luciano ressaltou que a Iagro, precisa fortalecer a agricultura familiar e a sanidade agropecuária, "por que ate a população e o mercado exige mais qualidade de nossos alimentos, tanto da carne como dos grãos".

O presidente da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária), Milton Picker disse que essa primeira etapa é agora e em novembro é a segunda, para gado até dois anos. "O governo tem a responsabilidade de contribuir e ajudar aos pequenos produtores, já os médios e grande produtores, compram vacina e depois só comprovam a vacinação".

Já Orlando Baez da Superintendencia Federal da Agricultura, explica que o estado livre de aftosa, pode gerar mercados nos Estados Unidos, Coreia e Japão, principalmente por MS ter o melhor parque industrial do país, que é a JBS. "Nos últimos 10 anos, o Mapa investiu R$ 100 milhões em sanidade animal em MS, mas que o estado precisa fazer a lição de casa, para conseguir esses mercados internacionais no futuro".



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions