A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

24/09/2011 10:50

Contra aftosa, MS fecha fronteira a partir de 2ª e sugere desvio para o PR

Aline dos Santos

Depois de animais, o veto agora é à entrada de produtos vegetal e subprodutos

Animais estão sendo abatidos no Paraguai (Fonte: Divulgação SENACSA)Animais estão sendo abatidos no Paraguai (Fonte: Divulgação SENACSA)

O decreto "fechando" a fronteira entre Mato Grosso do Sul e o Paraguai, que será publicado na próxima segunda-feira, tem prazo de validade indeterminado.

O veto é à entrada de produtos vegetal e subprodutos para evitar que o vírus da aftosa “pegue carona” em veículos e chegue ao Estado. “Pode valer por dois, três, 30, 60 dias. Vai depender do momento e de informações mais precisas”, afirma a secretária estadual de Produção e Turismo, Tereza Christina Côrrea da Costa.

No período de vigência do decreto, a sugestão do governo é que o Ministério da Agricultura autorize o desvio do tráfego dos produtos de origem vegetal (como soja, milho e sementes) para outro local. Uma das sugestões é o Paraná.

De acordo com a secretária, o fluxo diário em Foz do Iguaçu chega a 500 caminhões, enquanto que na região de fronteira do Estado o total é de 30 caminhões por dia. “Se aumentar para 530 por dia não vai mudar nada”, avalia. Tereza Christina relata que já conversou com representante do Paraná, mas a mudança na rota depende de aprovação do ministério.

O período de fronteira fechada para os produtos agropecuários de origem paraguaia vai servir para que Mato Grosso do Sul monte a logística das barreiras móveis e fixas. Quinze já foram ativadas. Nestes locais, os veículos são desinfetados.

O trânsito de animais – como suínos, bovinos e ovinos - entre Brasil e Paraguai já estava proibido desde a última terça-feira, um dia depois do anúncio da descoberta do foco da doença no Departamento de São Pedro, a 130 km de Mato Grosso do Sul. Foi determinada a suspensão temporária da importação de animais vivos e produtos in natura provenientes do país vizinho.

Guerra – Na estratégia de guerra contra a aftosa, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, assegurou que a Operação Ágata 2, desenvolvida pelo Exército, vai continuar por pelo menos mais 14 dias na região de fronteira. Originalmente, a ação era contra o tráfico de drogas e armas.

Mato Grosso do Sul registrou foco da doença em 2005 nos municípios de Eldorado, Mundo Novo e Japorã – região de fronteira com o Paraguai – e só retomou em 2008 o status de área livre de febre aftosa com vacinação.

Triste - Presidente da Famasul (Federação de Agricultura de Mato Grosso do Sul), Eduardo Riedel, é favorável ao aumento das restrições de circulação de produtos entre os dois países. “Basta lembrar 2005, foi muito triste ver as pessoas perderem o emprego, o acesso ao trabalho”, afirma.

Ele lembra que na época, a descoberta do foco de aftosa proibiu até o comércio de melancias em Eldorado, uma das principais culturas da região. Riedel explica que o volume de circulação de produtos de origem vegetal entre o Estado e o Paraguai é baixo. “Mas temos que minimizar a entrada de produtos com potencial de contaminação”, salienta.

Contra a aftosa, Exército fica na fronteira por mais 14 dias, anuncia ministro
Governo de MS decidiu proibir tráfego de animais na região, por causa do foco da doença no ParaguaiDurante reunião com secretários de Agricultura re...
Estado baixa decreto e proíbe trânsito de animais na fronteira contra aftosa
Após o surgimento de foco de febre aftosa no Paraguai, o governo do Estado baixou decreto que proíbe o trânsito de animais na região de fronteira de ...
Aftosa: Produtores discutem medidas preventivas na região de fronteira
Os produtores rurais de Bela Vista e região passaram o dia reunidos para tratar das ações que estão sendo tomadas após a oficialização do foco de Aft...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions