A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

08/03/2016 19:12

Produtor terá R$ 250 milhões para recuperação de áreas degradadas

Expectativa do governo é fomentar o agronegócios, gerar empregos e movimentar a economia, principalmente no interior

Mariana Rodrigues
Governador Reinaldo Azambuja e autoridades, durante assinatura do Programa. (Foto: Fernando Antunes)Governador Reinaldo Azambuja e autoridades, durante assinatura do Programa. (Foto: Fernando Antunes)

Em cinco anos, o Governo do Estado quer recuperar dois milhões de hectares dos seis milhões de hectares de áreas degradadas existentes em Mato Grosso do Sul, transformando-as em áreas produtivas. Para isso, serão liberados R$ 250 milhões em incentivos fiscais para recuperar essas áreas de pastagens.

Só neste ano, para o "Programa Terra Boa" como foi intitulado, estão previstos recursos orçados em R$ 3,23 milhões, que poderão ser contratados pelos produtores rurais. A previsão é que esse programa gere 9 mil empregos diretos, com o aumento da produção das propriedades rurais.

O objetivo do programa é promover um aumento da produção e da produtividade, ampliar a competitividade do agronegócio, fortalecer as cadeias produtivas, além de reduzir os eventuais passivos ambientais e a emissão dos Gases de Efeito Estufa. A meta é que no período de execução do programa, sejam recuperadas pastagens degradadas por meio da integração pecuária-lavoura, pecuária-floresta e pela renovação de pastagem.

De acordo com o governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), esse programa vai movimentar a economia de algumas cidades e potencializar a produção para transformar em divisas para aquecer a economia do Estado. "Vamos ter uma recuperação dessas áreas, que hoje ajudam no assoreamento de rios. Com o programa pretendemos aumentar a produção de grãos, carne e leite, possibilitando um incentivo de mais de R$ 1,2 mil por hectare para esse investimento que cabe ao produtor na recuperação dessas áreas", afirma.

Como a degradação de pastagens é antiga, o governador disse ainda que estudos foram feitos anteriormente para implementação do programa. Ele afirma que os ganhos não são apenas para o Governo. "Ganha o produtor para recuperar essa área degradada, ganha o estado porque vai ter um aumento de produção e produtividade, fomentando a economia e ganha o meio ambiente, pois vamos diminuir os problemas de assoreamento dos rios, problemas ambientais e teremos um estado livre de emissões de gases CO2 na atmosfera", afirma.

Secretário adjunto de Produção e Agricultura Familiar, Jeronimo Alves Chaves.(Foto: Fernando Antunes)Secretário adjunto de Produção e Agricultura Familiar, Jeronimo Alves Chaves.(Foto: Fernando Antunes)

O programa - Vai funcionar da seguinte forma: os produtores rurais interessados em se cadastrar deverão indicar o técnico que fará o projeto e que prestará a assistência técnica e ambos deverão fazer um cadastro na Sefaz (Secretaria de Estado de Fazenda).

O Terra Boa contará com dez coordenações regionais que terão o papel de articular e mobilizar os produtores rurais, agentes técnicos e financeiros, fornecedores de insumos e prestadores de serviços de apoio à produção. Eles irão informar como se cadastra e quais os documentos necessários que o produtor deve ter em mãos.

O programa será financiado com recursos do FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste), e pelo BNDES na área de agricultura de baixo carbono. Reinaldo explica que essas instituições financeiras já oferecem uma taxa de juros mais atrativas. "Tivemos um encarecimento esse ano devido a economia nacional, mas a gente espera que volte a patamares anteriores, juros fixos ao ano, com financiamento a longo prazo de seis a oito anos para pagamento, com uma carência para compensar os investimentos".

Segundo informações do secretário adjunto de Produção e Agricultura Familiar, Jeronimo Alves Chaves, a previsão é que esse programa gere 9 mil empregos diretos, com o aumento da produção das propriedades rural. "A estimativa é que possamos produzir 8 toneladas de grãos e 800 mil toneladas de carne neste período gerando um valor bruto, nos cinco anos, na ordem de R$ 12 milhões para o Estado".

Evento reuniu produtores do estado na tarde de hoje. (Foto: Fernando Antunes)Evento reuniu produtores do estado na tarde de hoje. (Foto: Fernando Antunes)
Governo debate plano de recuperação de áreas degradadas em MS
O governo do Estado, por meio da Sepaf (Secretaria estadual de Produção e Agricultura Familiar) fará um encontro nesta quinta-feira (21) para tratar ...
Especialista recomenda cultivo de bambu como alternativa para áreas degradadas
Com 40 mil hectares de bambu nativo, Mato Grosso do Sul é o terceiro com maior área plantada no país. Especialistas recomendam o cultivo, que pode se...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions