A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

07/06/2016 12:46

Simpósio debate tecnologias para minimizar gases de efeito estufa

Renata Volpe Haddad
Presidente da Famasul, Maurício Saito, informou durante seminário que o Estado é sequestrado de gases de efeito estufa. (Foto: Renata Volpe)Presidente da Famasul, Maurício Saito, informou durante seminário que o Estado é sequestrado de gases de efeito estufa. (Foto: Renata Volpe)

O Brasil é responsável por 2% de emissão de gás de efeito estufa sendo o sétimo maior emissor do mundo. A agropecuária e setor elétrico são os que mais produzem o gás. Em palestras e debates, o 2º Simpósio Internacional Sobre Gases de Efeito Estufa na Agropecuária começa nesta terça-feira (7) em Campo Grande para discutir e levar maior entendimento para a sociedade sobre o tema.

Segundo o presidente da Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul), Maurício Saito, o simpósio é uma oportunidade para mostrar para sociedade em geral e não só para o setor produtivo, o resultado de um trabalho realizado pela comunidade científica em relação a emissão de gases de efeito estufa.

"Ao contrário do que se pensa, Mato Grosso do Sul é um grande sequestrador de gases de efeito estufa. Temos aproximadamente 21 milhões de cabeças de gado no Estado e eles emitem esses gases que causam um tipo de problema na camada de ozônio. Mas, com as tecnologias que estão sendo implantadas na propriedades, como o plantio direto e o ILPF (Integração Lavoura, Pecuária e Floresta), faz com que os produtos arbóreos sequestrem esses gás emitido pelos animais", explica.

Ainda conforme Saito, Mato Grosso do Sul é exemplo para outros Estado. "Temos no balanço um superávit em relação a isso, demonstrado e amparado pela comunidade científica, em que o Estado produz com excelência sem prejudicar o meio ambiente".

Seminário do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável foi realizado nesta manhã. (Foto: Renata Volpe)Seminário do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável foi realizado nesta manhã. (Foto: Renata Volpe)

A abertura do simpósio será nesta noite, às 19h com a presença do presidente da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), João Martins e presidente nacional da Embrapa, Maurício Lopes.

Na manhã de hoje, um seminário do GTPS (Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável) foi realizada e debatida com dois palestrantes: o presidente do GTPS, Fernando Sampaio e o diretor geral da Agroícone, Rodrigo Lima.

Durante a palestra, Lima explicou que em 2005 o uso da terra era o maior emissor de gás de efeito estufa, sendo que 59% da área brasileira era desmatada. Em 2010, o problema caiu para 15%. "E com a redução do desmatamento, os setores de agropecuária e energia entram como os principais emissões de gases do efeito estufa".

O palestrante apresentou ainda as Ações Brasileiras no Acordo de Paris. "Pensando em pecuária, no acordo, o Brasil precisa zerar desmatamento ilegal até 2030, compensar desmatamento legal, restaurar 12 milhões de hectares de florestal, recuperar 15 milhões de hectares de pastagem, incentivar 5 milhões de hectares para ILPF e implementar o novo código florestal. O Brasil levou para o acordo de Paris essas medidas e disse que vai se comprometer com as ações de baixo carbono", informou.

Pecuária – O presidente do GTPS, Fernando Sampaio, explicou que durante muito tempo a pecuária se expandiu horizontalmente ocupando novas áreas e hoje a zona de produção reduziu.

"Estamos produzindo mais por hectare e a agricultura está crescendo em áreas de pastagem e com isso não perdemos com produção nem exportação, pelo contrário, continuamos aumentado a produtividade. A pecuária é capaz de liberar área de produção agrícola e para acomodar área de restauração prevista na legislação do código florestal".

Ainda conforme Sampaio, exitem 12 milhões de hectares de áreas florestais dentro de propriedades privadas que precisam ser recuperadas e o código florestal protege vegetação dentro de fazendas que representam estoque de carbono grande.

"Temos o desafio de acabar com o desmatamento ilegal, outro desafio é em relação a segurança jurídica e fundiária e estamos debatendo soluções para achar uma maneira de compensar os produtores para esse ativos preservados", finalizou.

O 2º SIGEE acontece no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, de 7 a 9 de junho e é promovido pelo Sistema Famasul e pela Embrapa Gado de Corte, em parceria com diversas instituições públicas e privadas. A finalidade é compartilhar novos conhecimentos sobre a dinâmica de gases de efeito estufa na agropecuária brasileira.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions