A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017

08/11/2013 15:56

Motorista bêbado “matou cinco”, diz mãe de policial vítima do trânsito

Lidiane Kober
O pequeno Kaiky e Aline até hoje choram de saudades do policial militar morto em acidente de trânsito (Foto: Divulgação/Facebook)O pequeno Kaiky e Aline até hoje choram de saudades do policial militar morto em acidente de trânsito (Foto: Divulgação/Facebook)

Passados 218 dias da morte do policial militar Gilliard Félix da Silva, 31 anos, a família segue inconsolável e a mãe de criação, a doméstica Maria de Fátima da Silva, 42, declarou que o motorista bêbado, Edson Moreira, 42, responsável pelo acidente, “matou cinco pessoas da mesma família”.

“Até hoje, não tivemos coragem de lavar a farda que o Gilliard usou no dia da tragédia, o quarto dele segue trancado, do jeito que ele deixou”, contou a mãe, emocionada. O policial era pai de Eduarda, de um ano e sete meses, e Kaiky, seu afilhado de sete anos, também o considerava com um pai.

“O Kaiky ainda chora e pergunta pelo mano”, contou Fátima. “No dia dos pais, ele chegou da escola e perguntou: como eu faço para achar o Mano e entregar a lembrança do dia dos pais”, relatou a doméstica.

Por conta do sofrimento da criança, até os colegas de Gilliard deixaram de frequentar a casa com farda ou de chegar ao local de viatura. “Toda vez que isso acontecia, o Kaiky chorava e perguntava pelo Mano”, revelou Fátima.

Apesar de bebê, a filha do policial também procura pelo pai. “A mãe dela mora perto do batalhão do Bairro Nova Lima e, do quintal da casa, é possível ver o pelotão. Bastava deixar o portão aberto, para a Eduarda sair correndo e, olhando para os policiais, ela pergunta do papai e fala que ele está trabalhando”, contou Fátima.

Segundo ela, o maior do sonho de Gilliard era ser pai. “Ele era apaixonado por criança, quanto o sobrinho nasceu, ele era o mais animado e quando a filha veio ao mundo, a alegria só aumentou. Pena que teve pouco tempo para curtir isso”, lamentou a mãe.

Irmã do policial, a jornalista Aline Peixoto Lira, 24 anos, disse que o outro sonho de Gilliard era crescer na profissão “não por tempo de serviço, mas por mérito”. “Ele era apaixonado pelo trabalho, tinha muito prazer em ajudar as pessoas”, afirmou. O jovem também almeja comprar um terreno e construir uma casa “do seu jeito”. “Ele morreu e deixou os sonhos pela metade”, comentou a mãe.

No próximo dia primeiro de janeiro, Gilliard completaria 32 anos. “Que final de ano, que Natal vamos ter, não temos nada para comemorar”, desabafou Fátima. “Todo fim de ano, eu e minha filha preparávamos uma surpresa para ele e, agora, o que será de nós sem ele?”, se perguntou.

Ainda de acordo com a família, o policial era uma pessoa “alegre, brincalhão e de bem com a vida”. “Ele não reclamava de nada e, quando tinha problemas, evitava comentar para não preocupar os outros”, lembrou Aline.

Impunidade – Com o coração cheio de saudade, a família tenta se concentrar para buscar justiça. “Não queremos que a morte do Mano vire mais uma estatística e também vamos lutar para proteger outras famílias dessa tristeza”, comentou Aline.

Neste sábado (9), a família prepara um protesto contra a impunidade na Praça do Rádio. Com o slogan “Uma caminhada pela Vida. Não foi acidente”, o grupo fará uma homenagem a todas as vítimas de acidentes de trânsito em Campo Grande. O objetivo é mobilizar amigos e familiares de outras vítimas de acidentes de trânsito causados por motoristas irresponsáveis.

Ao final do protesto, assinaturas serão coletadas para o Projeto de Lei 5568/2013, proposto pelo movimento “Não Foi Acidente”. Para assinar é necessário ter em mãos o número do título de eleitor. “Arrancaram o Gilliard da gente e não temos como esquecer essa dor, mas infelizmente a lei facilita para o criminoso”, desabafou Fátima.

Condutor da Ford Ranger, Edson Moreira dirigia embriagado e invadiu a contramão na BR-163, em março deste ano, e causou a tragédia. O teste do bafômetro, segundo a PM, constatou 1,04 mg/l. No Paraná, ele é alvo de mandado de prisão, mesmo assim, obteve a liberdade na Justiça nove dias após o falecimento do soldado da PM.

Família de PM morto por motorista bêbado faz protesto no sábado
Familiares e amigos do soldado da Policia Militar, Gilliard Félix da Silva, 31 anos, que morreu após ser vítima de um acidente causado por um motoris...
Mulher fica ferida após derrubar poste na Avenida do Poeta
Motorista de 27 anos sofreu ferimentos leves após bater o carro que conduzia em um poste de energia elétrica, na madrugada desta quinta-feira (23), n...


Fica com deus amigo,mais que um bom policial,você era uma otima pessoa,aqui fica todo sentimento de seu amigo samuel.
 
samuel araujo lima em 09/11/2013 12:10:35
não tem como. é justiça com as próprias mão se fosse pelo menos meu parente.............hahahahahah, tava, deixar pra justiça é sacolão da DIRMA e vamos por aí. SABE QUANDO ELE VAI PRESTAR CONTAR A JUSTIÇA?, NUNCA POIS JA FOI TUDO ENGRACHADO. TO ERRADO? MANDA ME PREDER, DEPOIS QUE ELE FOR PRESO. NUNCA.
 
lourenço carvalho em 08/11/2013 20:40:39
Pergunto: Alguém dos direitos humanos ou da comissão da verdade (que gostam de uma mesada do PT em virtude da Contra Revolução de 1964) já foram visitar à família desse e de outros policiais mortos? Eu me proponho a levá-los e saber o que estão esperando...Esperar o quê em que o presidente da OAB "boneco De Olinda" é um dos réus na consultoria à Prefeitura de Campo Grande, com a possibilidade de colocar em seu bolso mais de 3 milhões de reais, sem notório saber jurídico, depois de ajuizar duas ações contra a prefeitura. E o Santinni fica calado, né? É incrível como ninguém mais pensa em sua própria biografia e o legado que deixaram para seus filhos e netos, E a imprensa comprada têm muita responsabilidade sobre isso. Grato
 
Luiz Otávio Flores Anunciação em 08/11/2013 20:09:32
Não adianta protestar hoje e nas eleições os políticos ganharem votos! A maior forma de protesto seria nas eleições o numeros de votos nulos ser maior que o de válidos! Isso mostraria como o brasileiro estaria cansado da criminalidade que começa na política !
 
Alexandre de Souza em 08/11/2013 18:59:23
o Gilliard era um bom policial e também ótima pessoa. triste ele ter perdido a vida por causa de uma pessoa imprudente que não respeita a vida das pessoas.
 
Jhony Felipe em 08/11/2013 17:00:05
Vergonha tremenda vergonha essa falta de justica ,, isso porque cara tava carrão se ele tivesse de Fusca ja teria sido punido ,,,,a justica só vem ajuda cada dia mais e mais as ruas estarem cheia de bebados dirgindo porque sabem que nao tem punição,, é triste mas realidade,,,unica justica q nao falha Justica de DEUs,,,
 
Rosilene leonel em 08/11/2013 16:53:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions