A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

11/10/2012 15:27

A Abjeção do Opróbrio

Por Rosildo Barcellos (*)

Um dos momentos divinos do norte do país é quando nossos olhos chegam perto do encontro das águas. Lá a presença de Deus é evidente. Os rios Negro e Solimões não se misturam, apesar de caminharem juntos, em decorrência das diferentes temperatura e velocidade, de uma e de outra. O Rio Negro é mais quente, menos denso e mais ácido, porque ele corre em uma área de formação geológica mais antiga. Ao seu lado, Solimões é um rio frio, com muitos sedimentos o que dificulta a natação em seu leito, e é mais denso.E um dos assuntos que compõem, em destaque, a pauta das discussões desta semana diz respeito a um sistema de cotas obrigatórias para negros, pardos e alunos da rede pública do ensino médio no processo seletivo para as universidades públicas. É um caminho visto por alguns como a redução da exclusão e visto por outros como uma segunda forma que discriminação.Em verdade o conceito mais usado é que a suposição de que cotas para egressos de escolas públicas vá democratizar a sociedade. Penso entretanto que tal corrente está equivocada, pois a solução aponta para a melhoria da qualidade da escola pública e não a derrubada do nível de exigência da universidade.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

     Como professor há anos afirmo que vestibular nenhum mede a capacidade de alguém em frequentar um curso superior, restringindo-se a ser portador da definição de ingresso em função das vagas oferecidas. Isso se verifica em razão das circunstâncias especiais que o envolve, capazes de provocar o nervosismo do candidato, que afeta o desempenho dos postulantes a vaga, no momento do exame, entre diversos outros fatores de momento. Ressalto também os exemplos históricos. No Congo do século XIX, Hutus e Tutsis se misturavam e tendiam a se tornar um único povo, quando de repente o colonizador belga resolveu impor cotas em empregos e na educaçãoForam concedidos documentos raciais diferentes para os dois povos, que começaram a desenvolver processos de afirmação étnica por oposição entre si.    

     Passou o tempo e Ruanda, que se constituía em ser um dos menores e mais pobres países do mundo, transformou-se no terceiro país africano que mais importava armas. Entre janeiro de 1993 e março de 1994, graças ao financiamento francês, o país conseguiu da China mais de 580 mil machetes a preço de liquidação. Sedimentou-se assim um dos episódios mais bárbaros da história da humanidade culminando em 1994, quando em apenas três meses mais de 800 mil pessoas foram chacinadas em sua maioria a golpes daqueles machetes adquiridos. Do processo de independência de Ruanda até o genocídio, os conflitos étnicos foram frutos da disputa política dentro do país e resultaram no produto das decisões de se diferenciar as pessoas.

     Uma das funções do ensino superior é a disseminação e socialização do conhecimento, buscando a integração social, a eficiência e a soberania do nosso país.Teriam tais alunos “cotistas”condições de reverter a aprendizagem deficitária proveniente de um ensino básico não tão eficiente e por fim  promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação? Evidentemente este assunto traz em seu bojo a complexidade que lhe é peculiar, e advogo que este assunto não se esgotará facilmente, o que, sem dúvida, trará ainda muito calor à discussão; fato que eu espero, para podermos analisar e decidir se estamos no caminho certo.

 (*) Rosildo Barcellos é articulista.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



Prezado Professor,ao fazer a leitura do seu artigo, que indubitavelmente, nos traz possibilidades de reflexões e informações de extrema relevância, me faço concordar com uma questão levantada por você,penso que toda essa discussão tenderá a apontar [...] para a melhoria da qualidade da escola pública e não a derrubada do nível de exigência da universidade. Muito bem colocada. É notório que discussões diversas e controversas estão surgindo,mas o caminho é apenas um: teremos que rever o que temos ensinado, informado e o nosso compromisso e responsabilidade enquanto professores.Parabéns.
 
Nosimar Ferreira Santos Rosa em 11/10/2012 23:32:56
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions