A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

27/06/2011 11:00

À beira do colapso

Por Antonio Carlos Lopes (*)

A saúde suplementar no Brasil está à beira do colapso. Entre os agentes do setor, apenas os planos de saúde parecem satisfeitos, mesmo sem reconhecer publicamente. Tem mesmo de estar felizes: em recente audiência pública na Câmara dos Deputados, a Fenasoft divulgou que em 2010 as 15 operadoras por ela representadas tiveram receita de R$ 73 bilhões e despesa de R$ 58 bilhões. Um saldo de 15 bilhões.

Enquanto isso, do outro lado do balcão, pacientes e prestadores de serviço, como os médicos, pagam a conta desta mercantilização, da busca de lucros a qualquer custo. Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar dão conta de que de dezembro do ano passado a abril último, o índice oficial que mede o número de reclamações dos usuários passou de 0,29 ponto para 0,62; ou seja, dobrou. Só no primeiro bimestre, foram 28.318 registros.

A queixa maior é sobre negativa de cobertura; vêm depois as cláusulas contratuais abusivas e reajustes injustificados da mensalidade.

Sofre o paciente, sofre igualmente o médico. Recente pesquisa Datafolha aponta que nove entre dez profissionais são pressionados por planos e seguros saúde para reduzir solicitações de exames, de internações e outros procedimentos. A interferência é um risco à boa prática da medicina, assim como ao bem-estar dos cidadãos.

Nesse quadro caótico, há outras cores turvas. Por exemplo, a remuneração que as empresas pagam aos médicos. Atualmente, pratica-se um valor médio de consulta de R$ 30,00. Se abatidas as despesas de equipamento, secretárias, aluguel e impostos, sobram líquidos menos de R$ 5,00.

A exploração é extensiva aos demais procedimentos. Outro exemplo: para um parto, no qual o médico tem sob sua responsabilidade duas vidas, a da mãe e do bebê, as operadoras pagam cerca de R$ 200,00 brutos. Absurdo! Recebe cinco vezes menos do que um fotógrafo chamado para registrar esse momento feliz.

A despeito de lucrarem muito, de pagarem pouco aos prestadores, e de desrespeitarem os pacientes, planos e seguros saúde voltam as costas ao próprio sistema. A saúde suplementar vem definhando, conforme atestam números veiculados há poucas semanas pela mídia.

Houve a queda vertiginosa de 24.858 clínicas ou ambulatórios de 2008 para 14.716 em 2010; de 90.740 consultórios para 62.246. De 1.270 hospitais especializados despencamos para 424. De 5.187 hospitais gerais para 1.408. De 4.195 policlínicas para 1.663. De 145 prontos-socorros especializados para 52. De 588 prontos-socorros gerais para 48. E de 15.015 unidades de apoio à diagnose e terapia para 6.527.

Não resta dúvida que há algo de errado no Reino da Dinamarca; ou melhor, no Brasil. Cabe às autoridades responsáveis tomar medidas firmes para coibir abusos e práticas espúrias contra pacientes, médicos e demais prestadores de serviço. Todos ficaremos gratos.

(*) Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions