A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

06/04/2012 15:03

A dor da impunidade

Lilia Oyadomari de Moraes (*)

Recentemente o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que somente o teste do bafômetro e o exame de sangue são válidos para atestar o estado de alcoolemia (embriaguez) do motorista, conforme disposição taxativa do art. 306 do Código Brasileiro de Trânsito (CBT).

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

“Conduzir veículo automotor, na via pública, estando com concentração de álcool por litro de sangue superior a 6(seis) decigramas ou sob influência de qualquer substância psicoativa que determine dependência”.

Este foi o único fundamento legal para tal decisão. A objetividade da norma fez cair no vazio o § 2º do artigo 277 da Lei Seca, que conferia aos agentes de trânsito identificar notórios sinais de embriaguez apresentados pelo condutor (sonolência, hálito com odor alcoólico, olhos vermelhos, agressividade, exaltação, fala alterada, dificuldade de equilíbrio e outros). Torna-se extremamente difícil comprovar a culpa e o nível de álcool no sangue do condutor e, sem a materialidade dessa infração, não há o que se falar em crime de embriaguez.

Os reflexos sociais são consideravelmente negativos, tanto de maneira subjetiva (descontentamento popular) quanto objetiva (ocorrência de acidentes), visto que a possibilidade de impunidade do condutor embriagado está protegida pela premissa de que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo.

Segundos dados do Ministério da Justiça, em 2010 foram registrados 6.807 acidentes, somente nas estradas federais, envolvendo motoristas embriagados, com 407 mortes e 5.732 pessoas feridas.

Diante do exposto, as consequências geradas por tal decisão trarão a impunidade de grande parte dos motoristas que ingerem bebida alcoólica de forma consciente e causam dano alheio e, principalmente, insegurança jurídica e indignação da sociedade, que chora a perda de um filho, de uma mãe, de um irmão, de um ente querido e observa, impotente, o infrator em liberdade. A falta de rigor da lei que fortalece a impunidade de motoristas bêbados é um câncer social, uma ferida aberta, que arde, sangra, faz doer à alma... E o remédio? A contextualização da interpretação das normas e não apenas a leitura taxativa, seca e fria, pelo simples fato de que as normas jurídicas têm de se adequar à mobilidade e necessidade sociais, atendendo ao seu fim último que são os anseios de justiça e paz social, sentimentos cravados no coração de todos que acreditam no Direito.

(*)Lilia Oyadomari de Moraes é cidadã, filha, mãe, irmã e acadêmica de Direito

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



Parabens minha amiga Lilokaaaaa.....ótimo seu artigo esperamos que sirva de alerta a toda sociedade. Aproveito para dizer que é um orgulho ser sua colega de faculdade, sua amiga!!! Vc é uma grande mulher de enorme inteligencia!
 
Lidiane Sandim em 09/04/2012 11:14:10
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions