A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

19/02/2014 14:30

A indústria do etanol esmagada pelo governo

Por Coraldino Sanches Filho (*)

Em 2013, segundo dados divulgados pelo MDIC, o Brasil amargaria um déficit de US$ 5,21 bilhões no comércio com outros países se não fosse contabilizada a exportação fictícia de plataformas de petróleo.

Dentre os principais fatores que contribuíram para o derretimento do superávit nacional, que era US$ 19,39 bilhões em 2012, destaca-se a crescente importação de petróleo e derivados.

Muito embora os recursos do pré-sal ainda se encontrem como uma promessa e nossas refinarias não sejam capazes de processar tudo aquilo que se consome, a “pedra de toque” da questão reside não na importação em si, mas na mão pesada do Estado na condução da política de preços da Petrobras.

Em suma, a Petrobras passou a vender o produto importado e seus adjacentes em valores de 20 a 25% inferiores ao de compra, sendo o reflexo mais óbvio dessa medida o prejuízo contábil da própria estatal e de seus milhares de acionistas, os quais assistem a importância de suas ações derreterem para o menor patamar em 08 (oito) anos.

Essa estratégia governamental, de cunho populista, vem ocasionando, também, a derrocada da indústria do etanol, com repercussões negativas, inclusive, na produção de energia, setor que recentemente protagonizou inúmeros apagões.

Explica-se: incentivada pelo Governo, a indústria sucroalcooleira inaugurou centenas de usinas no Brasil, as quais detinham, além de competitividade internacional, um considerável mercado interno viabilizado pelos automóveis dotados de tecnologia flex.

Todavia, com o advento do controle de preços sobre os combustíveis derivados do petróleo, a indústria do etanol - que não ficou isenta do aumento de custos dos últimos anos - não pôde repassar grande parte dessa “conta” para o produto, sob pena do álcool perder sua viabilidade, uma vez que seu preço na bomba não deve ultrapassar a barreira de 70% do custo da gasolina.

Como resultado, o lucro transformou-se em prejuízo e pelo menos 40 usinas fecharam as portas, sendo que outras tantas se acham em recuperação judicial, levando uma infinidade de produtores rurais e prestadores de serviços para o mesmo destino.

Ademais, ao se considerar que muitas das últimas usinas inauguradas dispõem de cogeração de energia, desperdiça-se, com a simples capacidade ociosa destas plantas, uma produção suficiente para, ao menos, atenuar o colapso energético em vigor.

Como o preço da gasolina se mantém artificialmente baixo, o álcool cedeu-lhe parte substancial do mercado; o consumo interno, incentivado pelo valor reduzido, utiliza cada vez mais o derivado do petróleo, majorando o déficit na balança comercial, o insustentável prejuízo diário da Petrobras e, por fim, desmantela uma das mais promissoras indústrias limpas do mundo.

Os exemplos de intervenções do Estado no preço de produtos globais na Argentina e na Venezuela implicaram, todos eles, em reiteradas crises de abastecimento, para as quais o Brasil não pode se sujeitar, afinal, o produto mais caro é aquele que falta.

Logo, a readequação dos preços dos combustíveis ao padrão internacional, embora impopular, é medida urgente a ser adotada; do contrário, além da já endividada Petrobras, o Governo jogará uma pá de cal sobre toda a indústria do etanol brasileiro, com reflexos potencialmente irremediáveis à região Centro-Sul do país.

(*) Coraldino Sanches Filho é advogado, especialista em Direito Agrário, Civil e Empresarial.

sanchesfilho@sanchesfilho.adv.br

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Não podia ter escrito melhor, espero que muitos leem. A população reclamando do preço do combustivel não percebe que a produção e venda dos combustiveis deixou de ser lucrativo, os produtos vendidos abaixo do custo. Só é caro por causa dos impostos. Deveria se rever o conceito de mandar o Petrobras manter determinado preço da gasolina. O Petrobras tem que fazer lucro (para poder investir em plataformas e refinarias). Se com isso o preço do combustível fica alto demais, que o governo faça algo com os impostos...
Alias, o autor nem falou de outro efeito deste politica: o Petrobras tem monopolio por lei em combustivel de aviação nos aeroportos da Infraero. Como precisa ganhar dinheiro com algo, o custo de querosene aumentou muito ultimamente, prejudicando as empresas aereas e os viajantes.
 
Marcos da Silva em 19/02/2014 16:10:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions