A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

26/09/2014 14:00

A luta do portador de deficiência para inclusão no mercado de trabalho

Por Luiz Carlos Motta (*)

Setembro é mês da Luta da Pessoa Portadora de Deficiência, e nesse período de reflexão quero exaltar a participação dessa parcela da população no mercado de trabalho.

Veja Mais
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas

Desde 1991, nosso País possui uma lei que determina que as empresas com mais de 100 funcionários destinem de 2% a 5% das vagas de empregos para pessoas com deficiência. Mesmo com a lei e o crescimento do portador com deficiência física no mercado de trabalho, precisamos prestar mais atenção nesse público, que se torna cada vez mais independente e se aperfeiçoa mais em diversas áreas.

Atualmente, as empresas buscam profissionais renomados e especializados para cada tipo de vaga. O estudo e a capacitação são de extrema importância para quem quer crescer profissionalmente. A capacidade física já não é mais tão vista como condição número 1 para conseguir emprego e assim o portador de deficiência ganha espaço e destaque no mercado de trabalho, pois é um público que, independente de suas limitações, busca a qualificação.

Nos meus anos de líder sindical, acompanho dezenas de exemplos de empresas que não atendiam aos requisitos básicos para contratar pessoas com necessidades especiais. O papel da empresa, além de atender a todos os requisitos para o trabalhador, é largar de lado o pré-conceito. Hoje o mercado não quer somente empresas renomadas ou com um público conceituado, mas sim aquelas que atendam a todos os requisitos da atualidade, como uma governança corporativa, desenvolvimento sustentável e preocupação com a sociedade em geral. Trabalhar de forma a contribuir com a sociedade agrega valor à empresa, fideliza e conquista novos clientes.

Um dos exemplos de programas conscientes é o Café Sensorial, projeto da Federação dos Empregados no Comércio do Estado de São Paulo que visa sensibilizar a comunidade empresarial e o poder público sobre a acessibilidade e inclusão dos profissionais com deficiência no mercado de trabalho. Durante o Café, os convidados, que incluem autoridades e empresários, participam de forma lúdica de dinâmicas e situações que os colocam nos lugares dos trabalhadores com a deficiência. São dinâmicas que levam os convidados a refletirem sobre a necessidade de mais oportunidades para o desenvolvimento profissional e social do portador de necessidade especial.

O Estado também tem seu papel nessa luta: é seu dever garantir e dar condições para a inclusão das pessoas portadoras de deficiências não só no mercado de trabalho, como na sociedade como um todo.

(*) Luiz Carlos Motta é presidente licenciado da Fecomerciários de São Paulo e da UGT São Paulo

Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions