A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

09/04/2011 07:04

A tragédia do Realengo

Por Dioclécio Campos Júnior (*)

A chacina de crianças e adolescentes em escola no Rio de Janeiro é chocante. As circunstâncias em que se deu trazem à tona os traços do horror que perturbam a mente humana. Inauguram modalidade de violência ainda não descrita entre nós. Mostram que nosso potencial criativo de tragédia está longe de ser esgotado.

A sociedade brasileira degrada-se a olhos vistos. Está gravemente doente, embora se recuse a reconhecê-lo. O brutal assassinato de escolares é incompatível com o mínimo de civilização. É vergonha para a espécie Homo sapiens. Expõe não as vísceras anatômicas das vítimas indefesas, mas as entranhas deterioradas do modelo social que escolhemos para elas.

Crianças e adolescentes valem cada vez menos no Brasil. Não têm mais o direito de nascer e crescer no ninho original da infância, o recanto familiar seguro, afetuoso, saudável, estimulador, criativo concebido naturalmente para o livre exercício do brincar, pressuposto único para o encantamento das pessoas em período de riqueza cognitiva incomparável. Sobrevivem a riscos de morte violenta em escala crescente.

Convivem com usos e abusos de toda ordem que abalam o cotidiano das cidades e atingem os mais vulneráveis. Infanticídio, estupro, prostituição, trabalho infantil, drogadição integram o cenário preparado para acolher as novas gerações. Só se fala em campanhas de enfrentamento, combate, redução de idade penal. Prefere-se entender essa brutal negação de direito como caso de polícia. Não se aceita identificar a violência como sintoma da enfermidade social que se propaga e requer prevenção urgente, posto que o tratamento que lhe vem sendo dado revela-se caro e ineficaz.

A matança de hoje comove muito mais pela forma do que pelo conteúdo. A escola, principalmente a pública, tornou-se local inseguro, pouco atraente, agressivo. Episódios isolados de morte violenta nesse recinto ocorrem com relativa freqüência. A imprensa os relata quase diariamente. Emocionam pouco porque matam menos crianças de cada vez. Uso de arma de fogo tornou-se banalidade no Brasil. A sociedade aprovou-o em plebiscito. Os resultados contundentes aí estão.

Os dados são assustadores. Segundo pesquisa feita pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, mais de 5.000 jovens de 12 a 19 anos de idade são vítimas de homicídio todo ano. Uma cifra alarmante que circula quase silenciosa. Corresponde a 15 homicídios diários. Como não são cometidos contra grupos de crianças e adolescentes reunidos no mesmo local, são razoavelmente tolerados pela sociedade, quando não totalmente ignorados.

Para que se tenha a real dimensão do impacto produzido pelo homicídio nessa faixa etária, nada melhor que o indicador “anos potenciais de vida perdidos”. Se a esperança de vida ao nascer é de 70 anos, quem morre entre 12 e 19 anos deixará de viver 55. Como são eliminados anualmente 5.000 por ano, estamos perdendo 275.000 anos potencias de vida humana produtiva na sociedade brasileira a cada ano que passa.

Nada fazemos para evitar tamanho desastre. Choramos a perda das crianças executadas hoje. A comoção atesta o sofrimento que afeta a nacionalidade em momentos tão desalentadores. Ainda temos sensibilidade. Mas, dada a expansão da violência em nosso meio, a produção de lágrimas pode se tornar insuficiente para chorarmos a crônica de todas as tragédias anunciadas no país.

(*) Dioclécio Campos Júnior é professor titular da Universidade de Brasília e secretário da Criança e do Adolescente do DF. Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro e mestrado e doutorado em Pediatria, ambos pela Universite Libre de Bruxelles.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



concordo tambem com a professora Lucivania fanatismo não leva a nada. Sou uma pessoa crente, mas a religião deve ser usada como freio para que o ser humano escolha o caminho certo, tenha equilibrio e paz em suas atitudes e não para se julgar superior aos outros, a ponto de tirar a vida do proximo. Deus jamais quer isso, pelo contrario, quer a paz e a solidariedade, ao inves de guerra pelo fanatismo e pessoas totalmente desequilibradas.
 
Renata Furtado em 09/04/2011 12:43:22
RELIGIÃO+FANATISMO+FALTA DE AMOR= TRAGÉDIA,,,,,,,,,, IGREJA DEMAIS DÁ NISSO, O SUJEITO SE ACHA 'SALVO', OS OUTROS SÃO 'ÍMPIOS' OU 'INFIÉIS' OU 'IMPUROS', E TOME DINHEIRO PARA PASTORES, GUIAS, IRMÃS, PADRES, ETe

E DETALHE TÁ CHEIO DELES NO CONGRESSO E NAS IGREJAS TBÉM. ESSE É NOSSO BRASIL................ E QUEM SOFRE??????????? E NÓS POBRES PROFESSORES PEDIMOS APENAS O AUMENTO DO PISO SALARIAL, PAZ, E AGORA ++++++++ SEGURANÇA..........
 
LUCIVANIA LOMARQUES em 09/04/2011 09:14:00
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions