A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

07/03/2011 14:41

A vingança das ANTAS

Raul Longo

Por volta de outubro passado recebi a visita de uma moça nacionalmente conceituada em sua especialidade. E não é uma especialidade qualquer. É daquelas às quais se confere Prêmio Nobel. Vital para a evolução e sobrevivência da humanidade e todas as demais espécies.

Doutora e mestra no assunto, respeitadíssima por seus colegas e temida por transgressores em área tão importante para a segurança do planeta, sem dúvida uma moça de notáveis saberes.

No entanto, repentinamente começa a prever o início da total falência do Brasil para os próximos 3 meses daquele ano de 2010, cabalisticamente o final de uma década.

Tentei argumentar: “- Mas o tsunami da crise é no mundo. Aqui já saímos até da marolinha!”

Não adiantou. A moça continuou sibilando apocalipticamente: “- Não vê que tudo tem um preço? Essa conta terá de ser paga. Vai nos sair muito caro pelo “O Cara”! Não há nem que esperar. É só passar as eleições e o Brasil virá abaixo, cai na bancarrota! Vai falir! Vai carcomer! Vai acabar!” – e arrematou com olhos arregalados, num transe de profunda piedade por minha total cegueira: “- Eu vejo isso tão claro, como é que não conseguem enxergar?”

Já pressentindo onde ela vislumbrara tal carma para o futuro brasileiro, incentivei uma revelação afirmando que até aquele momento não havia nada no cenário econômico nacional que fundamentasse tão drástica profecia.

Bingo! Acertei na mosca, pois a moça no ato me recomendou a mudar minhas leituras e acompanhar a FOLHA DE SÃO PAULO.

Mais tarde, logo depois da derrota do José Serra no segundo turno, me escreveu avisando que estávamos na eminência de receber anúncios terríveis num pronunciamento à nação pelo Presidente Lula que, por gentileza à sua sucessora e candidata, assumiria medidas extremamente antipopulares, poupando à Dilma Rousseff tão espinhosa herança. De fato, dali a não muito ouço pela TV o mesmo prenúncio pelo Kennedy Alencar.

Os dias foram passando e Lula entregou a faixa para a Dilma, sem uma palavra a respeito. Fiquei até meio decepcionado com o célebre cavalheirismo e elegância do Presidente, mas Dilma, por sua vez, até agora só o que anunciou foram cortes no orçamento para contingenciamento de despesas governamentais, ainda que sem afetar os serviços públicos, as obras de infraestrutura, os programas sociais e a produção nacional.

Já estamos em março, fala-se de medidas para evitar ameaças de retorno da inflação, mas por enquanto nenhuma catástrofe no horizonte político/econômico. Cadê a débâcle da sibila FOLHA DE SÃO PAULO?

Apesar de toda a decantada sabedoria da civilização grega, a história conta que os da acrópole se arriscavam às incertezas marinhas só para ouvir as sibilas de Delfos, no templo dedicado a Apolo. Ao Sócrates, que fazia apologia do “conhece-te a ti mesmo”, obrigaram à cicuta. Donde se depreende que essa troca do próprio senso de discernimento pelas mentiras dos outros, sussurradas em delírios de vapores que na maioria das redações da imprensa brasileira apresentam-se em modernas versões pulverizadas; é coisa das antigas.

Uma tradição que atravessa os milênios e, aqui no Brasil, compreende leitores e espectadores como arrematadas antas!

A própria FOLHA DE SÃO PAULO, por exemplo, acaba de comemorar seu aniversário tendo como convidada de honra ninguém menos do que a perigosa terrorista, a assaltante, a fichada pelo DOPS e com todos seus codinomes de clandestina que, ainda há bem pouco, se estampavam na capa do jornal!

Arvoram-se todas as linhas político partidárias num “- Uóóóóó!” ensurdecedor. Os daquelas, de mão na cintura: “- Eu avisei que ela é de direita!” – esquecidos de quando suas musas posavam de “Madalena Arrependida” para as câmaras de programas de auditório. Ainda mais ridículo é o despeito dos daquele que distribuiu exemplares da FOLHA DE SÃO PAULO para as crianças do ensino público, mantendo o marketing político com o dinheiro do contribuinte paulista.

Mas pior são os da própria Dilma a condená-la por alta traição pelo simples fato de auxiliar na promoção da confissão da própria FOLHA DE SÃO PAULO. Confissão clara de que encara e trata seus leitores como antas.

Ana Maria Braga, por sua vez, não precisou nem de ir ao camarim para trocar o figurino de viúva cansada e já assumiu o novo personagem de Alegre Comadre da Dilma! A performance dos artistas dos meios de comunicação brasileiros é de uma versatilidade de fazer inveja a qualquer Shakespeare! Capazes de trocar não só a máscara, mas até a peça, o texto, o roteiro, o que for necessário. E em cena!

Até o louro José amarelou de tão acanhado. Imaginem o público de La Braga! Podem não ter derrubado a tromba, mas que foram feitos de antas, foram.

Recém fico sabendo de outra rainha das cansadas, a Hebe Camargo que de inconsolável pelo “maior esquema de corrupção do país” que tanto alardeou para redimir a desgastada imagem de seu ex-patrocinador Salim Maluf, virou anfitriã de banquete com todos os talheres: de Serra e Alckmin ao “chefe de quadrilha” José Dirceu.

Só faltaram os mais baixos instintos do réu e tenor confesso, ainda assim inconvincente Roberto Jefferson. Inconvincente e inconveniente em suas canastrices de barítono de chuveiro.

Ou não o convidaram por questões de segurança? Há quem diga que o dia em que Bob Jeff confessar crime de estupro seguido de assassinato em série, o delegado convoca a Guarda Nacional e pede auxílio do FBI porque é sinal de que está escondendo coisa muito pior.

De resto, foi uma “festa de arromba”, como se dizia nos tempos em que as gafes de Hebe Camargo já eram sucesso. Para manter a tradição, dessa vez ocorreu no momento em que Hebe se lembrou de seu ex-candidato para fazer notar às queridas telespectadoras o clima de confraternização da festa onde Dirceu papeava com o Serra em uma das mesas de convivas.

Não era o Serra. Era outro careca.

Evidente que o equívoco não impressionou a anfitriã, já tão acostumada consigo mesma. Tampouco arrefeceu seu entusiasmo que por todo o programa se expressou em profusões de confetes e serpentinas atiradas à Dilma Rousseff que, se entendi bem a história, nem ali estava.

Conforme reportado, o único momento um pouco mais constrangedor foi quando, soterrado por tantas loas à ausente e sentindo que para ele a festa acabou, o José se escafedeu sem sequer perguntarem: “- E agora?”

Dessa vez não há como confundir a qual “José” me refiro, pois o Dirceu, que não é careca, continuou sendo paparicado até o final da festa que o outro abandonou no meio.

Impressionante inversão: bajulações ao há pouco “persona non grata” e o que ainda ontem era requestado, agora saindo pela porta dos fundos como um quase penetra. Um daqueles para quem se manda convite só por etiqueta e depois se reclama quando o sonso comete a deselegância de comparecer.

Situação dostoiévskiana! Mas lá no frio siberiano não existem antas e apesar de toda a genialidade do mestre russo, não seria capaz de descrever a cara das telespectadoras da Hebe Camargo. Aliás, como se descrever a cara de tantos milhares de espectadores, leitores e seguidores da mídia brasileira? Ao que se parecem, para os formadores de opinião?

Quem já respondeu isso há algum tempo foi um deles, o William Bonner, ao definir o público de seu telejornal, o de maior audiência no país, como uma multidão de Hommer Simpson, o personagem de desenho animado dos Estados Unidos que faz muito sucesso em todo o mundo por sua proverbial antice.

Por simpatia à moça que me visitou no ano passado; quero exortar aos que a mídia brasileira vem tratando como antas, conforme assumiu Bonner e seu falecido patrão ao explicar à produção do documentário “Além de Cidadão Kane”, da BBC, como pintou as caras das antas para fazê-las depor a quem ele mesmo havia posto na presidência do Brasil.

A esses a quem a mídia manipula que aqui convoco para uma vendetta!

Pode parecer que estou sendo motivado apenas pelos atavismos de minha ascendência itálica, mas na verdade não consigo conter a indignação. Não consigo admitir estes falsários arrecadando dinheiro de assinaturas de jornal ou da compra de revistas em bancas, para mentir a cidadãos que buscam informação e não engodos.

Não posso admitir esses exploradores da boa fé usufruindo de uma concessão pública, para através de emissoras de rádio e TV aterrorizarem a população com ilações e mentiras como se fossemos uma cáfila.

Para quem não sabe ou não lembra, cáfila é o coletivo de camelos. Troquei de alimária ao lembrar o Ali Kamel, diretor de jornalismo da TV Globo que, para desculpar-se das inverdades divulgadas pela emissora que dirige, reconheceu praticar jornalismo de alternativas ou de hipóteses. Não lembro o termo exato usado pelo Kamel, mas evidente que não passa de eufemismo revelando que pratica jornalismo para antas. O que o seu âncora prefere classificar de Simpsons.

Não somos Simpsons. Não somos antas! Recuso-me admitir que sejamos antas e convoco todos a nos rebelarmos contra isso de que vira e mexe nos classificam. Se não por vingança, por algum resquício de dignidade temos de tomar uma providência.

Tratam-nos como idiotas desde quando William Bonner ainda era criancinha!

No saguão da mesma FOLHA DE SÃO PAULO, na Rua Barão de Limeira, se chegou a montar uma exposição de material aprendido quando nos anos 60 a polícia da ditadura militar invadiu os alojamentos dos estudantes da USP: envelopes de anticoncepcionais e preservativos sexuais entre livros então proibidos de filosofia, economia e sociologia, para convencer às antas da época de que os estudantes subversivos eram um bando de devassos.

Hoje exibem sexo explícito pelo BBB, mas então o moralismo da mídia omitia, admitia e colaborava com estupros e torturas nos cárceres do regime que promoveu e enriqueceu essa grande imprensa que sempre nos tratou como antas.

Por quantos anos continuaremos sendo as antas de um Boris Casoy? De um Carlos Nascimento? Do Nêumanne Pinto? Da Lucia Hippólito, Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Dora Kramer, William Waack, Cláudio Humberto, Augusto Nunes, Eliane Cantanhêde, Merval Pereira, Miriam Leitão e tantos outros que se assinam cientistas políticos e analistas econômicos de efeitos improváveis para causas duvidosas? Especialistas que jamais previram qualquer coisa que realmente tenha acontecido. Peritos em conclusões que nunca se confirmam.

Qual direito tem essa gente de manipular até as mais brilhantes inteligências do país, como se todos fossemos antas? E não vamos nos indignar? Não vamos tomar alguma providência? Exigir uma reparação?

Faço essa convocação aos que mantenham alguma dignidade e respeito à própria capacidade de raciocínio e inteligência, mesmo que, como eu, nem tanto quanto à de minha visitante. E o faço neste momento por ser o mais indicado.

Explico e demonstro por que: Ano a ano, todos esses analistas e formadores de opinião vêm insistindo nesse mesmo terrorismo que alarmou a renomada cientista. Em 2003 era porque o Brasil não ia dar certo na mão de um incapaz.

Quando começou a dar certo, disseram que se devia ao governo anterior apesar de ter sido o que quebrou o país 4 vezes e triplicou nossa dívida externa reduzindo-nos da 8ª posição econômica no ranking mundial, para a 13ª.

Não deu mais para sustentar o ridículo de tamanha falácia e então explicaram que o Brasil se beneficiou da maré de sorte da economia mundial. Quando virou a maré financeira global, alardearam que seríamos tragados pelo tsunami da crise e ridicularizaram a marola do Lula. Marola veio, passou, quase nem se sentiu e do palanque eleitoral que armou, a mídia tentou dar uma salva vidas inventado a tal conta a pagar porque o Brasil deu certo.

Como é isso? Primeiro o Brasil não daria certo, mas quando deu certo aí que não deu certo porque deu certo!

Isso é conversa de anta! E conversa de anta cega e surda! Não é a toa que faltou fôlego para a respiração artificial do candidato que morreu na praia, afogado pela marolinha do Lula, o “incapaz” que esses “sábios” “analistas” e “competentes” comentaristas garantiram que faliria o Brasil.

Pois acaba de ser incontestavelmente comprovado que esse “incapaz” fez um pouco mais do que aqueles da “ditabranda”, gracioso neologismo criado por Otávio Frias Filho, dono da FOLHA DE SÃO PAULO, para designar os sócios de seu falecido pai que nunca tomou choque na genitália e nem teve a mulher estuprada. Compreensível que o Friazinho sinta-se saudoso daquele regime que em 25 anos elevou o país à 8ª economia no ranking mundial provocando, na época, o comentário de um dos ditadores, afirmando que “o Brasil vai bem, mas o povo está mal”.

A anta daquele ditador ao menos não era cego, mas o que enxerga do povo um Frias, Marinho, Mesquita ou Civita, se não uma manada de antas? Conforme reiteradamente declaram do alto de suas prepotências.

Se minimamente inteligentes fossem, ou se nos respeitassem como necessários às suas lamentáveis existências, não nos ofenderiam a cada edição de seus programas e publicações.

Ainda refazendo a história, lembremos os governos pós-ditadura, embrulhados para presente em páginas de jornal e revista com exuberantes laços de fita de vídeos tão falhos e falsos quanto às imagens digitalizadas de hoje; até chegarmos aos já citados péssimos indicadores do governo que os ingentes esforços da mídia não têm conseguido fazer retornar.

Será porque na imagem digitalizada fica difícil convencer antas de uma fita crepe que teria perfurado a careca do Serra? Ou será que a digitalização internética acabou incluindo as antas na lista de animais em extinção?

Enfim, o que importa é que em 8 anos de governo o “incapaz” execrado pela mídia elevou o Brasil à 7º economia mundial e, agora, só lhes resta assoviar “fiu-fiu” cada vez que Dilma passa, cortejando-a enquanto puderem.

Mas não pensem que seja exatamente a Dilma a quem queiram seduzir. Sabem que não tem jeito, pois foram os que para ela montaram bulling no portão da escola da qual, ridiculamente, se fingiam de professores.

Todo esse inusitado babujar vem do medo de que Dilma como diretora da escola os ponha de cara virados para a parede com chapéu de burro sobre a cabeça. Não suportariam o castigo de rirmos das prepotências de suas antices.

Nunca conheci alguém realmente inteligente que fosse prepotente. Conheci alguns expoentes brasileiros, como Mário Schenberg. Total simplicidade! Darcy Ribeiro, um mestre menino! Alguns outros mais, talvez com alguma natural vaidade pelo desempenho no mister a que se dedicam, mas sem maiores prepotências como as exibidas pelas antas da mídia.

A moça que me visitou é outro exemplo que me acompanhou ao Seu Antonio, conversou com Dona Silvia, com meus amigos pescadores, e muito me ajudou contra umas pinimbas do Eike Batista. Daí que tanto me revolto com a utilização pela FOLHA DE SÃO PAULO de sua inteligência incomensuravelmente superior às daquelas antas de lá.

Não é preciso declinar aqui o nome do “articulista” que publicou o livro “Lula, Minha Anta”, mas se alguma utilidade teve o ingresso desse desqualificado em um dos mais injuriosos veículos da lamentável grande imprensa brasileira, foi o de me inspirar uma ideia para a qual peço a colaboração de todos e principalmente daqueles com inteligência suficiente para se reconhecerem ludibriados, enganados, empulhados pelas falsas desgraças criadas por esses que têm sido as que, há muitas décadas, realmente prejudicam o Brasil.

Selecione o tapir que mais o (a) induziu a repetir mentiras, falácias e falsos alarmas. Por exemplo, apesar de eu não repetir coisa alguma do que diz essa anta, vou escolher a Miriam Leitão por ser a que mais previu desgraças que não aconteceram e mais enalteceu economias estrangeiras que, de fato, se desgraçaram. Essa deu com tantos burros n’água que se tornou a rainha do brejo onde a mídia se atolou.

A Leitão deveria até ser considerada hors concours, mas não se pode esquecer que sofre concorrência ferrenha de um colega de emissora: o Carlos Alberto Sardenberg. Então é a minha candidata ao Troféu Anta da Comunicação Brasileira, mas há uma profusão delas e cada um escolhe o seu ou a sua e a (o) indica ao simbólico prêmio através de comentários na redecastorphoto.

Exponha os motivos de sua escolha e explique que solicita o favor de repassarem ao seu escolhido o Troféu de Anta da Comunicação. Não é de jornalismo, porque no emaranhado da selva de comunicação do Brasil existe grande variedade desses animais em todas as funções.

O titular da página eletrônica acima, Castor Filho, já está avisado ou não entenderia coisa alguma, até porque pouco tenho me comunicado com ele e tampouco, anteriormente, combinei coisa alguma, mas com certeza a vitória (derrota?) do seu candidato vai chegar ao conhecimento do laureado (?).

Depois do terceiro ou quarto laurel, apesar de não ter vergonha nem ser avestruz para esconder a cara como deveria, a anta começará a demonstrar sinais de sua mais típica característica, pois apesar de maior mamífero da América do Sul, é um animal essencialmente covarde. Quando se sente ameaçada a primeira coisa que faz é mergulhar no rio ou se esconder na mata. Se não der pra uma coisa ou outra, tremendo de medo tenta fazer-se de amiga-da-onça como com a Dilma, agora.

Além do saudoso cartunista Péricles, outro que entende bastante das relações entre onças e antas ou tapires é Ariano Suassuna que traçou no magnífico “Romance da Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai e Volta” uma sutil analogia com a personalidade de seu personagem Dom Pedro Diniz Quaderna.Leiam e se decidam entre o oncismo e o tapirismo ou antismo.

Tivemos aí apenas 8 anos de governo Lula e hoje o Brasil como a 7ª economia mundial, superando em 2010 o desempenho dos Estados Unidos e da União Europeia, portanto não é preciso se comer fria nem esturricada, pois a vingança por pretenderem nos fazer de antas está no ponto e ao dente.

Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions