A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

07/08/2016 11:03

Aleitamento materno: presente saudável, futuro sustentável

Ana Júlia Colameo

Tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno 2016, celebrada de 1 a 7 de agosto, chama a atenção sobre a relação entre a amamentação e os objetivos de desenvolvimento sustentável

Veja Mais
Convenções internacionais e competitividade
A Odisseia da Chape

A Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) tem por objetivo dar visibilidade à amamentação. Ela conclama a todos que apoiam a amamentação no mundo para que trabalhem uma de suas facetas e a torne pública nos meios de comunicação. Desde 1992 a SMAM é comemorada no período de 1 a 7 de agosto.

O tema escolhido para a SMAM 2016 foi a correlação do aleitamento materno com o desenvolvimento sustentável do planeta - Aleitamento materno: presente saudável, futuro sustentável.

Em setembro de 2015, na Cúpula das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, foram adotados os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e suas 169 metas. Eles são a finalização de um processo de cerca de dois anos de trabalho visando o enfrentamento das mudanças climáticas e a proteção da sustentabilidade do planeta em conjunto com o desenvolvimento econômico dos países. Os ODS deverão orientar as políticas internas de cada país e as atividades de cooperação internacional nos próximos quinze anos, sucedendo e atualizando os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

A amamentação se relaciona positivamente com todos os ODS podendo ser considerada um dos pilares para se atingir o desenvolvimento sustentável.

ODS 1- Enfrentar a pobreza: O leite materno é um alimento barato para os bebês e as crianças de primeira infância. É acessível para todos e não se torna um peso para o orçamento familiar. Na sua ausência, a aquisição da alimentação artificial custa de 15 a 35% do salário mínimo. Famílias de baixa renda terão dificuldades em manter esse gasto para alimentar apenas um de seus membros.

ODS 2 - Acabar com a fome: O aleitamento materno exclusivo por 6 meses e sua continuidade por dois anos ou mais fornecem nutrientes de alta qualidade. Ao se adequar nutricionalmente com a idade da criança, o leite materno ajuda a prevenir a fome, a desnutrição e a obesidade. A amamentação é chave da segurança alimentar para a criança pequena.

ODS 3 - Boa saúde e bem estar para todos: Bebês não amamentados adoecem 68 vezes mais que os amamentados. O aleitamento materno protege significativamente a saúde e a sobrevivência de bebês e de crianças pequenas. Na vida adulta, os que foram amamentados tem menos chance de desenvolver obesidade, diabetes, hipertensão e doenças cardiovasculares. A amamentação também ajuda a preservar a saúde e o bem-estar das mães, tanto em curto como em longo prazo.

ODS 4 - Educação de qualidade: O aleitamento materno e a alimentação complementar adequada são essenciais para o aprendizado. A amamentação proporciona uma escala verbal mais alta na infância e um melhor desenvolvimento mental e cognitivo, contribuindo para um bom desempenho escolar, independente da condição sócio econômica da criança.

ODS 5 - Igualdade de gênero: A amamentação oferece igualmente para cada menina e menino o melhor início de vida e a mesma proteção. Amamentar é um direito único das mulheres e deve ser apoiado por toda a sociedade para que possa ser praticado de forma ótima. A amamentação exitosa é uma experiência enriquecedora. Quando exerce a capacidade de alimentar seu bebê com seu próprio corpo, ela se empodera como mãe e como mulher.

ODS 6 - Água potável e saneamento: A amamentação sob livre demanda fornece toda a água que um bebê necessita, inclusive no verão. Em contraste, a alimentação artificial, para se tornar segura, requer uma enorme quantidade de água potável, tanto para o preparo das refeições lácteas, como para a higiene dos utensílios.

ODS 7 - Energia limpa: A amamentação reduz o consumo de água, fogo e outros combustíveis usados na moradia e consome pouca energia em comparação com a alimentação com outros leites. A fabricação dos leites, fluidos ou em pó consomem uma grande quantidade de energia.

ODS 8 - Trabalho decente e crescimento econômico: Bebês amamentados, quando adultos, têm maior probabilidade de subir na carreira e salário mais alto que os não amamentados. Mulheres que recebem apoio de seus empregadores para amamentar desenvolvem uma relação de maior produtividade e lealdade ao emprego. A proteção da maternidade, além de outras políticas trabalhistas, permite que as mulheres conciliem a amamentação com o trabalho remunerado. Empregos dignos são aqueles que adequam o trabalho produtivo às necessidades do ciclo reprodutivo das mulheres, especialmente importante quando vivem situações difíceis.

ODS 9 - Indústria, inovação e infraestrutura: Os incentivos de apoio ao aleitamento materno têm aumentado a participação das mulheres nas empresas e conquistado a fidelidade das funcionárias. Creches perto do local de trabalho, salas de apoio à amamentação e períodos de pausa para amamentar podem fazer uma grande diferença. Empresas que apoiam a amamentação evitam, pelos inúmeros episódios de adoecimento de seus filhos, o absenteísmo e a rotatividade das trabalhadoras, além da elevação dos custos em função dos treinamentos sistemáticos.

ODS10 - Redução das desigualdades: A desnutrição é um dos fatores determinantes da desigualdade entre os países. A prática de amamentar ajuda a reduzir a desnutrição e aumenta tanto a sobrevivência como a expectativa de vida dos cidadãos dos países pobres ou em desenvolvimento.

ODS 11 - Cidades e comunidades seguras e sustentáveis: Amamentar reduz drasticamente o lixo resultante do consumo de produtos cujas embalagens são descartáveis como plástico, alumínio e papelão dos leites fluidos ou as latas, dos leites em pó. Para tanto, as mães lactantes com seus bebês precisam se sentir seguras e bem-vindas em todos os espaços públicos. Quando os desastres e as crises humanitárias ocorrem, as mulheres, bebês e crianças são sempre os mais afetados. As grávidas e lactantes precisam de um apoio especial nestas circunstâncias.

ODS 12 - Consumo e produção responsável: A amamentação é uma fonte de nutrição e sustento saudável, viável, não poluente e não predatória de recursos naturais. A produção do leite materno é absolutamente adequada à demanda do bebê.

ODS 13 - Ação contra as mudanças climáticas: O gás metano é o segundo maior contribuinte para o aquecimento do planeta. Cerca de 70% das emissões deste gás ocorrem por conta da criação de gado bovino. A produção, o transporte e a distribuição dos leites artificiais, pelo uso de combustíveis fósseis (gasolina e diesel), também contribuem para a emissão dos gases de efeito estufa. A amamentação dispensa a criação de gado leiteiro e das vias de distribuição. Além disso, ela salvaguarda a saúde e nutrição infantil em tempos de desastres relacionados às mudanças climáticas resultantes do aquecimento global.

ODS 14 - Proteção da vida das águas: Nas enxurradas, o lixo percorre o caminho das águas até o mar. As latas de leite em pó demoram mais de 200 anos para se degradarem. As embalagens plásticas dos leites, assim como mamadeiras e chupetas demoram mais de 400 anos. Esses resíduos muitas vezes são confundidos com alimentos e causam a morte de animais marinhos. Amamentar dispensa o uso desses produtos, protegendo a vida marinha.

ODS 15 - Proteção dos ecossistemas terrestres: O aleitamento materno é ecológico, não necessita de derrubar florestas para a criação de pasto para o gado leiteiro. O desflorestamento reduz a quantidade de árvores que servem como reguladoras da temperatura e inibe as nascentes resultando num processo de desertificação do ambiente com o aniquilamento de vários ecossistemas.

ODS 16 - Paz e justiça para todos: A amamentação é consagrada em numerosos acordos internacionais e convenções de direitos humanos. É um dos direitos expressos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente. As leis e as políticas públicas que protegem e apoiam as mães que amamentam e os bebês amamentados são essenciais para garantir o respeito aos seus direitos.

ODS 17 - Alianças para atingir os objetivos: A amamentação é o pilar da Estratégia Global para a Alimentação de Lactentes e Crianças Pequenas. A colaboração multi-setorial e uma variedade de parcerias são fundamentais para apoiar o desenvolvimento de programas e iniciativas de promoção do aleitamento materno. As parcerias entre as indústrias produtoras de alimentos e setores da saúde e nutrição costumam envolver conflitos de interesses que acabam por derrubar as ações em prol da amamentação.

Em resumo, o aleitamento materno é um recurso natural individual com poder de, coletivamente, preservar e melhorar a saúde, combater a pobreza e as desigualdades, melhorar a produtividade e a humanização do trabalho, empoderar as mulheres e proteger a vida na terra e nos mares, contribuindo com a biodiversidade do planeta. Portanto, para atingir os 17 ODS e suas 169 metas em 15 anos, torna-se fundamental proteger, apoiar e promover a amamentação.

*Ana Júlia Colameo é médica pediatra, membro do Conselho Diretor da Rede Internacional Pelo Direito de Amamentar (Ibfan Brasil) e do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea)

Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions