A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

30/07/2015 08:53

Alto índice de desemprego faz crescer a procura por intercâmbio

Por Ana Luisa D´Arcadia Siqueira (*)

O ano de 2015 não está sendo fácil. Segundo dados do IBGE, o índice de desemprego caminha para dois dígitos percentuais - onde cerca de 7.934 milhões de pessoas estão desempregadas. Diante deste cenário, o medo de perder o emprego ou estagnar na carreira tem rondado muitos profissionais. Para lutar contra a insegurança, nada melhor que investir na formação profissional a fim de se qualificar e se destacar.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Para os que continuam trabalhando, mas sentem-se estagnados, a hora pode requerer mais iniciativa e, a ausência programada por um ou até três meses pode demonstrar ao seu chefe a vontade de crescer e oferecer mais à empresa. Para os que estão desempregados, aplicar o valor da rescisão em algo que realmente vai trazer ganhos pessoais e profissionais pode ser a melhor opção.

Nessas horas surgem oportunidades de recomeço. Quando não se vê saída para resolver uma situação, o melhor a fazer é mudar totalmente de rumo para buscar novas soluções. O intercâmbio cultural, muitas vezes, é o melhor caminho. Viver uma experiência no exterior desenvolve os conhecimentos e amplia os horizontes do aluno.

Aprimorar um segundo idioma, como o inglês ou espanhol, é excelente. A fluência em uma segunda língua abre muitas portas. O aluno consegue ampliar o ramo de atuação e, no retorno ao Brasil, conquistar ótimas vagas em novas empresas ou mesmo uma promoção na empresa em que trabalha. Muitas empresas incentivam os funcionários e até ajudam custeando parcial ou integralmente o curso.

Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo, quem se especializa consegue sair na frente. Por isso, além de cursos de idioma, profissionais podem optar por cursos específicos em sua área de atuação, o que também é um grande diferencial para as empresas na hora de contratar ou promover funcionários.

A alta do câmbio não é um empecilho para a realização do intercâmbio. Quem pretende investir no projeto, com um bom planejamento, consegue realizá-lo sem problemas. Além de opções de parcelamento em agências, há também destinos onde a alta não é tão significativa, como Canadá, Nova Zelândia ou Irlanda.

O ideal é sempre buscar alternativas para driblar a crise. Em momentos como esse, quem consegue encontrar diferenciais e se sobressair, atinge grandes resultados na carreira profissional.

(*) Ana Luisa D'Arcadia de Siqueira é diretora de marketing da Global Study, franquia de intercâmbios.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions