A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

23/04/2012 15:10

Anencefalia: os impactos sobre corpo e mente da mulher

Por Vítor Sampaio (*)

A delicada temática do aborto se faz mais uma vez presente nos noticiários em decorrência do julgamento do Supremo Tribunal Federal, legalizando o aborto de fetos anencéfalos. As questões que permeiam este tema, como a experiência de gravidez da mãe, merecem um olhar atento. Para avaliar melhor todo o tema, deve-se questionar o que se passa com a mãe e sua experiência corporal ao sentir que tudo se modifica em função de uma vida que não virá.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Quando se trata de um tema como o aborto, opiniões pessoais confundem-se e são, de fato, entrecortadas por posições ideológicas, políticas e religiosas. Argumentos ganham contornos teológicos ou científicos, sempre no intuito de mostrar a mais razoável das posturas.

Não é possível falar a respeito do aborto de uma posição neutra. Qualquer fala neste assunto já está por si revestida de um posicionamento contra ou a favor. Mas pretendo me desvencilhar ao máximo de algum posicionamento argumentativo para abordar a experiência corporal da mãe e o possível sofrimento ligado a este fato.

Nós somos o nosso corpo. Ele é a via através da qual nós podemos realizar nossa existência na vida cotidiana. O que acontece com nosso corpo nos diz diretamente respeito.

Durante a gravidez o corpo da mulher se modifica. A própria mulher está se modificando, se tornando mãe. A barriga que cresce é a vida sendo gerada, sendo gestada naquele ventre. A modificação do corpo é, portanto, o preparo para a maternidade.

O corpo modificado é a transformação da vida da mãe, do dia a dia dela, que agora aguarda a chegada do filho. Na gestação tudo muda, e não apenas o corpo. Muda a rotina, muda a perspectiva, muda o futuro. O futuro da mãe agora possui uma criança, um filho, uma nova vida para ser cuidada.

A mudança do corpo enuncia mais do que a própria gestação. Enuncia a mudança na existência da mãe, a mudança em seu futuro, a mudança em seu modo de existir e modo de ver a si mesma, os outros a sua volta, os valores de sua vida.

Claro que, em momento algum reputo a essas mudanças um aspecto qualitativo, bom ou ruim. Tais mudanças serem bem-vindas ou não para esta mulher é outra conversa. Mas a mudança do corpo da mãe aponta para a mudança geral que irá acontecer em sua existência diária, e é este o ponto!

Neste contexto, aparece a questão do feto anencéfalo. Como equacionar a noção de um corpo que se modifica, apontando para as próprias modificações na existência da mulher se tornando mãe, mas que gesta uma não-vida? Como pensar uma barriga que cresce, mas que neste desenvolvimento não há vida? O que dizer sobre a antecipação da criação da criança, do dia a dia futuro da mãe sabendo que tudo é em vão, que não haverá vida após o parto?

Parece que o corpo mudando, nesta situação, traz uma cisão entre o corpo sentido, os sentimento destas mudanças (gerar uma vida, cuidar de um filho futuro), e o fato concreto que se sabe, o racional (não há vida, não haverá filho a ser cuidado).

Assim, para além de especulações argumentativas de qualquer ordem (seja religiosa, política ou científica), a decisão do STF traz o suporte legal para o sofrimento da mãe e a coloca no foco da discussão, permitindo a pergunta: como traduzir, afinal, esta cisão inevitável entre sentimento e razão, entre o que corpo mostra e o que a mãe sabe sobre seu futuro sem filho?

É importante lembrar que o inevitável sofrimento gerado por esta cisão merece um acompanhamento psicológico, independente da decisão de interromper ou não a gravidez, a fim de trazer para a mãe a compreensão do que se passa com ela, mental e corporalmente.

(*)Vítor Sampaio é psicólogo.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



Pensando por esse lado, fico ainda mais dividida sobre o assunto, embora espero nunca passar por ele. Esse artigo é o máximo, pois acho que ninguém pensou ou pensa no corpo da mulher. É um tema muito difícil até de comentar, pior quem passa por ele. Parabéns ao escritor, muito bem abordado.
 
Beatriz Souza em 23/04/2012 04:11:30
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions