A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

18/11/2016 16:09

Ao mestre, com reverência

Por Heitor Freire (*)

A morte é um acontecimento inevitável na vida de cada um de nós. Como diz o povo, a única certeza da vida é a morte. Agora, como virá e quando, não sabemos. Daí a necessidade de estarmos sempre atentos e de viver um dia de cada vez.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Aprendi que nada acontece por acaso. Tudo tem sua razão de ser. A partir desse momento comecei a aceitar os acontecimentos de uma maneira consciente, sem revolta, sem reclamações, sem julgamentos.

Há uma semana, faleceu o professor Hildebrando Campestrini. Um gigante, mestre dos mestres na cultura, dedicou sua vida à pesquisa, à história, ao ensino. Foi professor, em sala de aula, por mais de cinquenta anos.

Teve milhares de alunos. Dos que eu conheci todos se referiam a ele com reverência. Ele não alisava. Era rígido, exigente, não tolerava mediocridades.

Foi também professor na Escola de Magistratura do Tribunal de Justiça, ministrando aulas para juízes. Fazia palestras por todo o Brasil, nos tribunais de Contas e de Justiça ensinando como redigir ementas, etc.

Definia-se como agnóstico. E dialético. Buscava sempre a melhor solução. Era um verdadeiro operário do saber. Trabalhava sem cessar. De domingo a domingo.

Era membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, fundado por D. Pedro II. O único em nosso estado. Foi ainda acadêmico da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras, da qual foi presidente.

Convivi com ele diuturnamente, nos últimos 14 anos. Fui convidado pelo professor Campestrini para ser seu vice-presidente no Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, em 2002.

Disse-lhe, na oportunidade, que eu não era professor, nem escritor, e não via como participar de uma instituição como aquela.

Ele falou, “Você pode contribuir muito. Eu preciso de você”. E assim, aceitei, e a partir daí participei ativamente da construção desse monumento à cultura e à história que é o IHGMS.

Sob a orientação dele e em parceria com a diretora executiva do Instituto, Vera Tylde de Castro Pinto, realizamos 11 seminários de desenvolvimento institucional, abrangendo os mais variados temas que se constituíram na vitrine do Instituto.

Campestrini publicou 11 livros. Inclusive Como Redigir uma Petição Inicial, editado pela Saraiva, com sucessivas edições até hoje. Detalhe: ele não era advogado. Mas como diretor de comunicação do Tribunal de Justiça do estado de Mato Grosso do Sul, por 15 anos, foi criando intimidade com o direito.

Recuperou para a cultura a obra de Hélio Serejo – que retratou o ciclo da erva-mate, registrando o dia-a-dia dos trabalhadores nos ervais. Tão importante que o seu nome denomina a ponte que liga o estado de São Paulo ao de Mato Grosso do Sul –, um conjunto de 50 livros, significativo e importante. Campestrini editou e enriqueceu o trabalho de Hélio com um número imenso de anotações.

Também editou, entre tantos outros livros, ”Inocência”, de Visconde de Taunay, uma obra tão importante que, por iniciativa dele e decisão da Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, tornou-se o livro símbolo do nosso estado. E foi adaptado para o cinema sob a direção de Walter Lima Jr, com Fernanda Torres no papel principal.

A realização de que mais se orgulhava era A Enciclopédia das Águas de Mato Grosso do Sul, uma obra ciclópica, um inventário literário de todos os cursos d’água de nosso estado, desde rios, córregos, corixos, etc. com 7.119 verbetes e 154 cartas hidrográficas. Editado sob sua coordenação e com a participação dos professores Ângela Antonieta Atanásio Laurino, Arnaldo Mencecozzi e Francisco Mineiro Júnior. Não existe similar no Brasil.

O seu livro A História de Mato Grosso do Sul, encontra-se na oitava edição.

Foi associado da Associação Beneficente de Campo Grande, Santa Casa, e membro do seu Conselho de Administração. Era um defensor intransigente daquela instituição.

Evidentemente que um artigo como este, não tem a pretensão de registrar a magnitude da impressionante trajetória profissional do professor Campestrini. Poucos conterrâneos nossos tiveram uma trajetória tão profícua. Mas fica a intenção da semente.

A vida é uma constante de perdas e de ganhos. Perdemos o professor Campestrini, mas a espiritualidade ganhou um obreiro excepcional.

(*) Heitor Freire é diretor de Relações Institucionais do IHGMS

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions