A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/11/2013 10:26

Aplicativo "Lulu" viola direitos constitucionais

Por Thiago Amorim Silva (*)

Recentemente, o aplicativo Lulu se tornou um dos termos mais lidos nas “timelines” das redes sociais, blogs e sites da internet. Em poucos dias no Brasil, virou a sensação entre as mulheres e grande curiosidade entre os homens.

Veja Mais
Educação e o futuro da alimentação
Convenções internacionais e competitividade

O app permite acesso exclusivo das mulheres e, uma vez cadastradas, as usuárias podem avaliar, de maneira ANÔNIMA, seus contatos masculinos do Facebook, através de notas e hashtags como, #CaiDeBoca, #BebeSemCair, #NãoLigaNoDiaSeguinte, #FriendZone, #MaisBaratoQueUmPãoNaChapa, #NãoFazNemCocegas e até #AiSeEuTePego, dentre outras, sendo algumas mais obscenas e, muitas vezes, constrangedoras.

A ideia agradou a muitas pessoas, principalmente quem soube, através de amigas, que estava “bem cotado” nas avaliações, todavia, entre a nova moda e a ofensa aos direitos e garantias Constitucionais, existe um espaço que já está sendo invadido!

É evidente que, em uma rede social, as pessoas se expõem, sendo muitas delas, exageradas na forma como gerenciam suas vidas online. No entanto, entre a ESCOLHA de expor a própria vida e ter a vida exposta sem nenhum consentimento ou controle, existe uma enorme diferença.

Primeiramente, devemos esclarecer que, muito embora a política de uso do Facebook permita que aplicativos acessem as informações pessoais dos seus “amigos”, não pode uma empresa usar esse cadastro e criar um ranking, sem solicitar consentimento para quem está sendo avaliado.

Ninguém pode ser incluído em nenhum cadastro, lista, ou qualquer outro meio, que tenha como objetivo ou resultado a exposição da imagem e a violação à privacidade, sem que tenha autorizado previamente.

Ainda, é necessário dizer que no Brasil, é LIVRE a manifestação do pensamento, mas é PROIBIDO o anonimato, de acordo com o inciso IV, artigo 5o da Constituição Federal. Assim, o principal diferencial apresentado às mulheres (anonimato), é, também, uma violação à Constituição.

Da mesma maneira, a CF garante que qualquer pessoa que se sinta ofendida, tenha direito de resposta, bem como indenização, caso tenha sofrido qualquer dano moral, material ou à imagem (art. 5o, IV, CF).

Ora, como alguém teria o direito de se defender, sem ao menos saber que está fazendo parte de um “ranking” público, anônimo e que pode ser extremamente depreciativo e humilhante?

Para agravar a situação, o aplicativo NÃO PERMITE que os homens vejam, editem ou gerenciem o perfil avaliado, que é público à todos, menos ao seu real proprietário.

A CF prevê, ainda, que são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado, também, o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação (art. 5o, X, CF).

No caso do LULU, é flagrante a violação à honra e à moral das pessoas “avaliadas”, tendo em vista que no aplicativo, se inclui a foto, nome e informações de um homem, sem sua anuência. Permite-se a inclusão, anônima, de quaisquer comentários, podendo os mesmos serem ofensivos e humilhantes, sem possibilidade de resposta. Proíbe-se o acesso deste “avaliado” ao seu próprio perfil público, o que, por óbvio, agrava a situação, haja vista que as pessoas só tem acesso às informações que estão atribuindo a ela, após esta se tornar pública para terceiros e, alguém que visualizou queira lhe contar.

Certamente que, ao permitir que pessoas, de forma anônima, falem da intimidade de outrem, atingindo sua honra, expondo para terceiros, sem chance de defesa, este aplicativo viola direitos fundamentais e, por este motivo, pode ser alvo de ação judicial, haja vista que a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito (art. 5o, XXXV, CF).

Vale ressaltar que o app permite que os homens que não queiram ser avaliados, efetuem o descadastro (http://company.onlulu.com/deactivate), todavia, isso não elimina o direito de qualquer pessoa que se sinta lesada, possa recorrer ao judiciário pleiteando indenização, diante de flagrante violação à garantias fundamentais, previstas na Constituição Federal.

(*) Thiago Amorim Silva é sócio no escritório Mosena Amorim Advogados, com sede em Campo Grande e São Gabriel do Oeste, Mato Grosso do Sul.

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



Realmente!!! Quem em sã consciência vai pleitear indenização por ofensa no Lulu???
Concordo com o Gilberto! Tanto absurdo acontecendo aí e tem gente perdendo tempo discutindo uma tolice!
E outra: quem ta sendo avaliado está se divertindo com isso, a não ser quem vive no mundo da lua. Se eu fosse juiz, ainda multava por litigância de má-fé!
Ridículo dar cunho jurídico ao Lulu.
 
Fábio Tavares em 28/11/2013 03:22:04
hahaha.. chega a ser brega um artigo desses! Quem não quiser que se desabilite lá no aplicativo! Em dois minutinhos tu faz isso.. Já uma ação na justiça dura anos e ainda vai perder, pois o Lulu é no máximo cômico! Relaxa aí, Rui Barbosa!
 
Rita Machado em 27/11/2013 15:21:45
Quanta bobagem! Lulu é um aplicativo de opinião de massa que em uma semana já não terá nenhuma credibilidade, portanto inexistindo ofensa nenhuma, afinal qualquer um vai ter algum comentário negativo. Muito pelo contrário: a questão já está sendo encarada até com humor, afinal quem em sã consciência vai acreditar em avaliações anônimas engraçadinhas??? Trata-se no máaaaaximo de mero aborrecimento, o que não é amparado pela jurisprudência.
Agora se a internet for palco para a divulgação de vídeo pornográfico caseiro, fotos constrangedoras, ofensas graves e etc... é outra coisa.
Mas daí a fazer esse carnaval todo por causa de um aplicativozinho sem nenhum potencial lesivo e generalizado?
Menos aí, advogado... Estude mais, navegue menos!
 
Gilberto Medeiros em 27/11/2013 15:14:40
Pior é se for mulher rejeitada e sem princípios... Acaba com o cara.
 
marcia maria em 27/11/2013 14:12:46
Estão com medinho, galera?! kkkkkkkk
 
alvaro campos em 27/11/2013 11:41:29
Dr. Amorim disse tudo! Um absurdo esse app!
 
Pedro Perez Ramos em 27/11/2013 11:33:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions