A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

04/06/2014 13:31

As veias abertas e a origem da decadência

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Em 1971 foi lançado o livro “As veias abertas da América Latina”, de Eduardo Galeano, em que o autor denuncia a exploração das riquezas e da população por cinco séculos, desde a época do descobrimento pelos europeus até aquele ano, contagiando muitos jovens que sentiam intuitivamente que algo no mundo estava errado e, não sabendo exatamente o que, se deixavam influenciar pelas teorias propaladas. Mas a obra é parcial; embora apresente fatos incontestáveis, não explica a causa das misérias e sofrimentos no mundo.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Eu também achei esse livro interessante quando o li, devido à sua linguagem envolvente, quase mística, apontando os abusos na exploração das riquezas e da população da América Latina. Porém, com o foco socialista da obra, estava claro para mim que faltava algo para entender o mundo e suas misérias provocadas pelo homem. Mais tarde, quando conheci a obra “Na Luz da Verdade”, de Abdruschin, ficou claro que a raiz do mal está na conduta humana embrutecida, dissociada do sentido da vida.

Presente à Bienal do Livro em Brasília, Galeano insurgiu-se contra a sua própria obra; de forma exagerada, disse que se a relesse desmaiaria, e não sabe bem por que a escreveu. Agora ele reconhece que a realidade da vida é muito mais complexa e que a condição humana é diversa, declarando que não estava apto para interpretar essas questões. Galeano tinha centrado sua obra na questão da desigualdade econômica.

Algumas frases de sua obra mostram isso claramente: “Há dois lados na divisão internacional do trabalho: um, em que alguns países especializaram-se em ganhar, e outro, em que se especializaram em perder. Nossa comarca do mundo, que hoje chamamos de América Latina, foi precoce: especializou-se em perder desde os remotos tempos em que os europeus do Renascimento se abalançaram pelo mar e fincaram os dentes em sua garganta. Passaram os séculos, e a América Latina aperfeiçoou suas funções. ...Mas a região continua trabalhando como um serviçal. Continua existindo a serviço de necessidades alheias, como fonte e reserva de petróleo e ferro, cobre e carne, frutas e café, matérias-primas e alimentos, destinados aos países ricos que ganham, consumindo-os, muito mais do que a América Latina ganha produzindo-os. ...É a América Latina, a região das veias abertas. Desde o descobrimento até nossos dias, tudo se transformou em capital europeu ou, mais tarde, norte-americano. ... O modo de produção e a estrutura de classes de cada lugar têm sido sucessivamente determinados, de fora, por sua incorporação à engrenagem universal do capitalismo. A cadeia das dependências sucessivas torna-se infinita, tendo muito mais de dois elos, e por certo também incluindo, dentro da América Latina, a opressão dos países pequenos por seus vizinhos maiores e, dentro das fronteiras de cada país, a exploração que as grandes cidades e os portos exercem sobre suas fontes internas de víveres e mão de obra”.

Foram necessários milhões de anos de evolução para o surgimento do homem na face da Terra. E não se trata de um novo animal na escala evolutiva; é humano, mas precisa continuar evoluindo, caso contrário regride, embrutece e se transforma num monstro, pois a capacidade de livre resolução lhe é inerente e se trata de uma especial capacitação e tanto pode ser usada para destruir malevolamente, ou construir beneficamente, mas cada um não poderá omitir-se de sua responsabilidade; terá de arcar com as consequências.

Muitas vezes esquecemos o fato de que o ser humano recebeu o direito de existir no planeta Terra para evoluir conscientemente, mas teria de se movimentar, e não ser tratado como um desprotegido. No entanto, o sistema econômico precisa ter consideração e dar oportunidades para que as pessoas possam participar da mesa oferecida pela natureza. Quando alguns se colocam à frente, impedindo a participação, isso gera miséria e conflitos; dessa forma não pode haver paz nem progresso; a sobrevivência se torna uma luta onde os humanos se digladiam entre si com muita inveja e rancor. Com o seu desejo de poder e domínio, cada indivíduo se afastou de sua missão primordial, escravizando-se ao mundo material, e desumanizou a sua atuação.

A tarefa principal do ser humano deveria ser construir um mundo de paz e alegria, contribuindo para o embelezamento geral. Em vez de se dedicar a esse alvo, muitos se apegaram ao poder e às riquezas, fomentando lutas religiosas e lutas ideológicas, visando aumentar seu poder e sua esfera de dominação.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions