A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

05/10/2013 13:43

Aula de Ciências: a Multimodalidade e a Educação Socioambiental

Por Silvio Profirio da Silva (*)

Por muito tempo, nas unidades escolares brasileiras, o ensino de Ciências concedeu primazia a uma Perspectiva de Reprodução Mecânica de Definições e de Informações. Na ótica de Bizzo (2002), o ensino desse componente curricular primava pela prática da reescrita de palavras difíceis presentes em livros didáticos. Ora, os processos de ensino e de aprendizagem de Ciências focavam na reprodução das falas e dos dizeres dos autores desse campo, aderindo, desse modo, a uma perspectiva conceitual. Isso, por conseguinte, erradicava a reflexão socioambiental das práticas pedagógicas, conferindo aos conteúdos desse componente curricular a condição de simples atividades escolares. Destacamos, ainda, o fato de os materiais didáticos de Ciências recorrerem, preponderantemente, ao uso de textos das sequencia tipológica expositiva, deixando de lado a imagem. Não estamos dizendo, aqui, que a imagem não estava incorporada aos livros escolares. Entretanto, o tratamento dado a esta ainda não abarcava a construção de sentido e a elaboração de significação.

Nos dias atuais, podemos presenciar o brotar de novos paradigmas para o ensino de Ciências. Primeiramente, podemos mencionar o fato de o ensino desse componente curricular ter aderido a uma perspectiva social, abarcando, dessa maneira, a aplicação dos conteúdos curriculares na realidade circundante. Sobre tal postura, podemos citar o fato de o ensino de Ciências ter aderido à Temática Ambiental. Tal adesão tem como propósito fazer com que os alunos reflitam acerca das práticas adotadas pelo homem, em face da natureza. Isso, por conseguinte, contribui substancialmente para o brotar de novas práticas diante dos recursos da natureza, extinguindo, assim, atitudes predatórias. Diante disso, a Educação Socioambiental passa a fazer partes dos materiais didáticos – livros escolares -, levando para o campo educacional novas práticas pedagógicas, que abarcam a aplicabilidade dos conteúdos curriculares nas práticas corriqueiras do dia a dia. A abordagem e o enfoque dado aos conteúdos curriculares transcendem, assim, a condição de simples atividades escolares.

Mencionamos, ainda, o fato de o ensino de Ciências ter aderido à perspectiva da Diversidade Textual, abrangendo, nesse sentido, uma vasta quantidade de gêneros textuais provenientes dos múltiplos registros da linguagem [verbal e não-verbal]. Nesse campo, destacam-se os gêneros textuais imagéticos, tais como: Anúncios, Cartuns, Charges, Gráficos, Histórias em Quadrinhos – HQs, Mapas, Propagandas, Tirinhas etc.. Esses gêneros são construídos linguisticamente por marcas e traços multimodais. No dizer de Dionísio (2005; 2011), a Multimodalidade pode ser conceituada como a articulação/ integração de múltiplas formas e modos de representação utilizados na construção de uma dada mensagem, tais como: palavras, imagens, cores, formatos, traços tipográficos, disposição da grafia, negritos, sublinhados, gestos, padrões de entonação, sons, símbolos etc. (DIONÍSIO, 2005; 2011; SARGENTINI et al, 2012; SILVINO, 2012).

Nos dias atuais, cada vez mais os textos verbo-imagéticos são inclusos aos materiais didáticos, levando, assim, para o cenário pedagógico, práticas de leitura que materializadas por intermédio da junção de arranjos verbais e visuais. A Tirinha abaixo – publicada pelo Site Qualidade em Quadrinhos - pode ilustrar um exemplo da utilização de gêneros textuais construídos com base na multimodalidade no ensino de Ciências.

A tirinha acima faz uma crítica às práticas predatórias tecidas pela espécie humana, representada, aqui, pela derrubada ilegal de árvores. Para isso, o gênero textual em questão faz uso da integração de elementos verbais e visuais. A imagem traz à tona o Mapa do Brasil, a fim de fazer uma comparação temporal, no que concerne ao tratamento do homem dado à natureza. No primeiro quadrinho, aparece a imagem do Mapa do Brasil, repleto de árvores e, conseguintemente, da cor verde. Além disso, aparece uma expressão facial de felicidade.

Logo abaixo desta imagem, aparece a seguinte fala: “antes da chegada dos colonizadores”. Isto reflete a vida antes da colonização portuguesa, onde não havia o desmatamento ambiental. No segundo quadrinho, aparece a imagem do Mapa do Brasil sem árvores e com uma expressão facial que se opõe veementemente à anterior. Logo abaixo desta imagem, aparece a seguinte fala “num futuro não muito distante”. Com isso, a imagem traz à tona uma crítica à degradação ambiental, bem como convida o leitor a refletir acerca dos efeitos advindos das práticas humanas diante dos recursos da natureza. No entanto, para realizar essa faceta, a imagem não se limita ao uso da linguagem verbal [leia-se escrita]. Pelo contrário, ela faz uso da mobilização de traços multimodais e visuais. Ora, a imagem lança mão da articulação de cores e da ausência de cores, bem como da oposição de expressões faciais distintas e da posição corporal [braços e mãos], a fim de trazer à tona sua crítica ao desmatamento ambiental.

Nesse sentido, a inserção de textos imagéticos e, por conseguintemente, multimodais no ensino de Ciências representa o brotar de novos recursos de construção de sentido. Isso, em prol da reflexão socioambiental. Ora, a reflexão socioambiental pode ser construída, a partir de textos que englobam uma vasta quantidade de elementos e arranjos visuais. Esses textos convidam o leitor a refletir acerca do brotar de novos atos e atitudes diante dos recursos naturais, recorrendo, para isso, não somente às letras, às palavras e às frases, mas, sobretudo, a uma ampla quantidade de elementos visuais e multimodais, tais como: cores, expressões faciais, formas, formatos etc. (DIONÍSIO, 2005; 2011).

(*) Silvio Profirio da Silva, graduando em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco – UFRPE.

E-mail: silvio_profirio@yahoo.com.br

Referências

BIZZO, Nélio. Ciência: Fácil ou difícil? São Paulo: Ática, 2002.

DIONISIO, A. P. . Gêneros Textuais e Multimodalidade. In: KARWOSKI, A. M. ; GAYDECZKA, B. ; BRITO, K. S. (Org.) . Gêneros textuais: reflexões e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

_____. Multimodalidade discursiva na atividade oral e escrita (atividades). In: MARCUSCHI, L. A.; DIONISIO, A. P. (Org.). Fala e Escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SARGENTINI, V. M. O. ; SANTOS, J. R. ; SOUZA, P. C. R. . Materialidades discursivas no ensino de língua portuguesa: a pesquisa com novas linguagens. Revista Linha d´Agua, v. 25, p. 203-226, 2012.

SILVINO, F. F.. Letramento Visual. In: Anais dos Seminários Teóricos Interdisciplinares do SEMIOTEC – I STIS, 2012.

 

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions