A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

19/03/2013 13:44

Bom comportamento

Luiz Gonzaga Bertelli (*)

O clima organizacional influencia diretamente no desempenho e na produtividade da empresa. Está muito ligado à satisfação e motivação das pessoas e, portanto, vem recebendo atenção especial das equipes de recursos humanos. Em muitas empresas, a preocupação já transparece nos processos seletivos, que não visam apenas escolher um candidato tecnicamente perfeito, mas também identificar um perfil comportamental ajustado às necessidades do trabalho.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

A nova abordagem ganhou força a partir do momento em que os analistas de RH perceberam que contratavam profissionais apenas por causa da experiência e das competências técnicas e não faziam uma análise comportamental mais rigorosa. Com isso, muitos colaboradores, mesmo preenchendo os requisitos técnicos, acabavam demitidos em razão de atitudes inadequadas. Aprimorando o processo de escolha, selecionadores analisam o potencial de adaptação do interessado a novos ambientes, sua capacidade de trabalhar e interagir em equipe, a flexibilidade de ações, a aptidão para atuar sob pressão e as condições de desenvolver atividades em ambientes hierarquizados. E muitas vezes, essas características já pesam mais do que o próprio currículo técnico.

Com isso, o processo seletivo ganhou eficácia, mas com aumento de complexidade. Não há fórmula mágica. Cada vaga demanda um perfil diferente de candidato. Há cargos que precisam de colaboradores centrados e até mesmo mais tímidos. Já outros exigem um colaborador mais comunicativo, com capacidade de liderança. E assim por diante. Mas também existem características que são indicadas para a maioria dos perfis de vagas no mundo corporativo. Pessoas maleáveis, hábeis para sair das dificuldades e encontrar soluções, que trabalham com otimismo, saibam lidar com culturas diferentes e conseguem conversar tanto com o presidente da empresa como com o operário despertando simpatia, acabam se destacando. No processo seletivo, não há respostas certas ou erradas. O melhor sempre é não mentir, para uma avaliação correta do perfil do candidato aos requisitos de vaga, o que facilitará a permanência no emprego e o sucesso na profissão.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions