A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

19/06/2011 10:46

Brasil versus EUA, por Luiz Gonzaga Bertelli

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Entre as leituras possíveis, um estudo comparativo entre os mercados de trabalho no Brasil e nos Estados Unidos, recentemente divulgado pela imprensa, autoriza a conclusão de que é melhor trabalhar aqui.

Numa lista de 17 modalidades de proteção social, o trabalhador brasileiro emplaca 15 contra cinco dos norte-americanos. Entre direitos em comum, incluem-se salário mínimo, jornada semanal, negociação coletiva, e organização e representação coletivas.

Entre as diferenças, aparecem itens como remuneração de horas extras, concessão de férias e licença-maternidade, entre outros pontos que lá não são obrigações legais.

Um dos autores do trabalho, em entrevista, destaca que um dos atrativos a favor dos Estados Unidos seria a remuneração mais substancial para empregos de média e baixa qualificação – diferencial que, segundo acrescenta, hoje vale apenas para profissionais de alta qualificação.

Levantamento inédito feito pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), o estudo é fundamentado na análise de um universo de 116 milhões de assalariados do setor privado de lá e de 55 milhões daqui.

Sem considerar que a economia norte-americana está em crise há anos, enquanto o Brasil comemora avanços de crescimento, outro viés de reflexão envolve a questão e vem merecendo avaliações críticas de respeitados especialistas em mercado de trabalho.

Essa sólida rede de proteção tem um custo em torno de 100% da remuneração paga ao assalariado, fato que vem sendo apontado com insistência como um dos fatores da alta taxa de informalidade do mercado brasileiro e da baixa remuneração em largos segmentos.

Tanto assim que já vazou dos corredores do Planalto que o governo Dilma estuda medidas para desonerar a folha de pagamento. No meu modo de ver, o alívio dos encargos trabalhistas e previdenciários seria uma decisão louvável, embora de difícil execução, reconheça-se.

Afinal, é sempre mais fácil e popular conceder do que cortar benefícios. A menos que, finalmente, os brasileiros percebam que o alto custo da ampla rede de proteção ao trabalhador é pago por todos nós e que muitos, diante dessa realidade, prefeririam receber no final de cada mês vários de seus direitos em dinheiro vivo, sem intermediários e longos prazos – e assim administrar com maior liberdade suas próprias vidas. Entra, assim, mais um item à longa lista de reformas imperativas.

Acreditamos que o Brasil esteja atingindo a maturidade política e econômica, mas só deixará para trás a pecha de “País do Futuro” quando encarar as questões-chaves. Será necessário, entretanto, um esforço concentrado para vencer a inércia que inviabiliza, gestão após gestão, as necessárias mudanças.

A sociedade já provou que é capaz de se unir para propor temas ao debate público, como foi o caso da Lei Ficha Limpa. Não teria chegado a hora de encarar as reformas?

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

A força da mulher no campo
Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que...
Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions