A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

12/06/2013 07:43

Brincar de índio...

Antônio Cézar Lacerda Alves

 

Veja Mais
A Odisseia da Chape
Comunicação da qualidade dos alimentos

Foi o estado brasileiro que inventou essa guerra entre índios e proprietários rurais, então ele que resolva a situação! Pois é, deveria ser assim – o governo resolver a situação - mas infelizmente não é isso o que está acontecendo. Os ministros da justiça e da casa civil nem tentaram dissimular ou fingir; ao contrário, eles já demonstraram que não querem resolver e não vão resolver essa tormentosa questão. O que fazer então? O que podemos fazer diante dessa postura omissa, indiferente, ausente e covarde do governo brasileiro?

Infelizmente muito pouco, pois o povo brasileiro, alimentado pelos “vales” do governo, continuará inflexível na sua costumeira “vida de gado”; os produtores rurais, que são os que teriam que reagir, ainda não entenderam a gravidade da situação... Eles também estão “brincando de índio”!

Entendo que não podemos ceder. A sociedade civil organizada não pode ceder. O Brasil para ser competitivo precisa produzir. O produtor rural não deve ceder, não deve aceitar essa negociação que está sendo engendrada pelo governo federal. O proprietário rural não deve negociar as terras que legitimamente adquiriu. Não podemos transformar nosso patrimônio imobiliário, que é a grande oficina do nosso PIB, em museu rural de história mal contada. Não podemos nos transformar em vassalos de organismos internacionais... E não se esqueçam de que essa história é conhecida:

“Na primeira noite eles se aproximam e roubam uma flor do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem; pisam as flores, matam nosso cão, e não dizemos nada.
Até que um dia, o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a luz, e, conhecendo nosso medo, arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada” (Eduardo Alves da Costa, “No Caminho com Maiakóvski”).

Então, é isso! Se quisermos atingir os patamares só reservados aos países de primeiro mundo, vamos ter que abandonar essa “brincadeira de índio” e começar, de forma séria e responsável, uma nova História do Brasil...!

Antônio Cézar Lacerda Alves é advogado.

A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...
Tendências e atitudes
Professores e economistas como Simão Davi Silber, Ricardo Amorim, Zeina Latif, entre outros sinalizam melhoras na economia para os próximos anos. Enq...



E pra piorar, em rede nacional, o Sr Gilberto Carvalho comete a gafe de citar o estado do MATO GROSSO como local dos acontecimentos últimos, de confronto entre índios, produtores e polícia. Tá nem sabendo ou tá pouco preocupado em saber ou dizer onde estão acontecendo realmente as coisas, ou seja, tanto faz.
 
Adriano Magalhães em 12/06/2013 12:00:31
Dr. Antônio

É lamentável a sua postura. Como conhecedor das leis, sabe-se que não podemos passar por cima da nossa constituição.Não estamos brincando de índio ou caubói, como nos filmes de ficção americano.Estão ceifando vidas, e não são de produtores ou policiais.Não incite os
os ânimos,por que só queremos que use a lei.Se há interesses,não são relacionados aos índios e sim, aos não índios.

Evódio Vargas - Etnia terena e Engº Civil.
 
Evodio Vargas - Fone 67 9636-0198 em 12/06/2013 11:17:29
Conta-se que, para prender porcos selvagens, a estratégia é a seguinte: coloca-se comida em um cocho, para que os porcos ali se alimentem. Depois de alguns dias, constrói-se um lance de cerca, próximo ao cocho. Os porcos, vendo o lance, não sentem nenhuma ameaça e continuam comendo. Depois, constrói-se outro lance, mais o terceiro, e finalmente, cercam os porcos e faz-se o que se quiser com eles. Esta alegoria pode-se aplicar com o caso das terras indígenas,,,com o MST...com os sem-teto...aos poucos, eles vão tomando conta das terras produtivas, dos terrenos valorizados...e a sociedade vai aceitando...até quando?
 
Eugenio de Souza em 12/06/2013 08:59:10
Muito bom ! Valeu.
 
Marcos Silva em 12/06/2013 08:54:43
concordo plenamente com vc acredito que precisamos acordar e deixar de sermos covardes marionetes e calados perante tantos absurdos em nosso país que é própero, lindo e acima de tudo capaz de se resolver em suas questões internas. Precisamos ser mais inteligentes e lutar também pelos nossos direitos enquanto sociedade civil.
Parabéns, não quero mais brincar de índio eu quero ser diferente
 
rosa helena em 12/06/2013 08:23:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions