A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

30/01/2013 15:04

Como a radiocomunicação pode ajudar no combate a situações de risco

Por Dane Avanzi (*)

Segundo a UIT - União Internacional de Telecomunicações, agência da ONU especializada em telecomunicações, a radiocomunicação é a ferramenta de comunicação mais eficaz no combate a situações de emergência e catástrofes em geral.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

Dentre as principais tarefas da UIT está a organização, debate e estudos sobre o desenvolvimento do setor de telecomunicações em âmbito mundial. Para tanto, todos os países signatários da ONU (192 nações) participam enviando delegações, além dos principais fabricantes de produtos e operadoras de telecomunicações de todo o mundo.

Há na UIT grupos de estudos específicos, dos diversos tipos de ferramentas de telecomunicações hoje disponíveis no mercado. Após avaliar todas as tecnologias existentes atualmente, a agência conclui que o meio de comunicação mais confiável é a radiocomunicação.

Dentre as principais características desse serviço a mais relevante de todas é o fato de ser instantânea. Simplesmente aperta-se um botão e transmite-se a mensagem, em tempo real. Não precisa discar, digitar sequências de números ou letras, nem depende de torres, que numa emergência podem não funcionar, caso da telefonia móvel, por exemplo.

Em uma situação onde segundos fazem a diferença entre a vida e a morte - e um minuto é uma eternidade - o uso da radiocomunicação pode mitigar danos e salvar vidas. Uso como exemplo as tragédias ocorridas em casas de show, em particular, a triste situação da boate Kiss, onde a grande parte dos jovens morreram asfixiados em razão de não terem conseguido acessar a saída rapidamente. Se os seguranças da boate utilizassem radiocomunicadores, os que estavam no palco poderiam ter avisado imediatamente aos que guardavam a porta de acesso à rua, que prontamente seria aberta para a saída das pessoas e também da fumaça.

O Brasil, signatário e participante da UIT, aplica em seu território muitas normas, decisões e recomendações emanadas por seus fóruns e grupo de estudo. Aeronaves e embarcações, por exemplo, devem obrigatoriamente possuir equipamento de radiocomunicação. Para aprendermos com nossos erros precisamos repensar nossas leis de segurança, de modo a criar uma legislação básica de garantia, e criar condições mais seguras para locais onde se encontram milhares de pessoas.

Dane Avanzi, e advogado e empresário de engenharia civil, elétrica e de telecomunicações e diretor presidente do Instituto Avanzi, ONG de defesa do consumidor de telecomunicações.

(*)Dane Avanzi, e advogado e empresário de engenharia civil, elétrica e de telecomunicações e diretor presidente do Instituto Avanzi, ONG de defesa do consumidor de telecomunicações.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions