A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

10/06/2015 13:44

Comprei pela internet, não gostei! e agora?

Por Alexandre Jacques Costa Glaychman (*)

Aumenta consideravelmente o número de pessoas, que realizam compras, e os mais variados negócios, pelo meio eletrônico. Esse novo meio de negociação, que utiliza a Internet, recebeu no mercado a denominação de comércio eletrônico (E-COMMERC). Ele engloba a oferta, a demanda e a contratação de bens, serviços e informações.

Nesse contexto, têm suscitado maior atenção, algumas questões relacionadas à aplicação dos direitos expressos no Código de Defesa do Consumidor Brasileiro referentes às transações de consumo.

Agora imagine a seguinte situação: Você esta navegando pela internet em um site de compras qualquer, quando encontra uma nova camisa de futebol do seu time do coração e resolve comprá-la. Efetua o pagamento e segue todos os passos corretamente. Acontece que ao ser entregue em sua casa, você acaba não gostando dessa camisa, seja por causa do modelo ou até mesmo porque o tamanho dela não ficou bom.

Será que se você pudesse tê-la experimentado antes, você a compraria? Certamente que não!

Você já se arrependeu de alguma compra feita pela internet, através de catálogo de produtos ou por telefone?

O Código de Defesa do Consumidor prevê a possibilidade do consumidor se arrepender da aquisição de um produto ou serviço, quando ocorrer uma transação fora do âmbito do estabelecimento ou loja, fisicamente compreendido.

O fato é que o artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor estabelece o prazo de até 7 (sete) dias, a contar da assinatura do contrato ou do recebimento da mercadoria, para fazer a devolução ou rejeição dos produtos e serviços adquiridos por lojas virtuais que não atenderam suas expectativas. Recebendo o reembolso do valor pago ou cancelamento do faturamento, sem qualquer aplicação de multa ou taxa de devolução.

Esse direito existe porque comprando por uma loja que não é física, fica impossibilitado o consumidor de ter qualquer contato tátil ou visual com o produto real.

É relevante destacar que não é exigível a constatação de qualquer defeito no bem ou serviço adquirido, bastando o consumidor simplesmente não “ficar satisfeito” com a aquisição.

A lógica jurídica de proteção é compreensível porque existem casos concretos em que a imagem do produto na internet, no catálogo ou até no vídeo, nem sempre correspondeao produto real, gerando por vezes frustração ao consumidor, mesmo que não tenha sido a intenção do fornecedor de dissimular ou induzir a este erro.

Então caso você tenha adquirido algo pela internet, catálogo ou telefone e respeitando o prazo de até 7 (sete) dias, a contar da assinatura do contrato ou do recebimento da mercadoria, você poderáse arrepender do produto ou serviço que adquiriu e realizar a devolução deste, sendo reembolsado da quantia que eventualmente pagou.

(*) Alexandre Jacques Costa Glaychman é advogado.

 

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions