A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

19/03/2012 06:37

Crack: Combater é dever do Estado e responsabilidade de todos

Por Brenno da Silva Medeiros (*)

Há pouco tempo atrás, era muito comum a sociedade considerar a maconha como a grande vilã no consumo nacional e internacional. Esse tipo de droga, pelo seu pequeno valor de aquisição, chegava mais rápido a todas as classes sociais, sem distinção de cor, condição financeira ou sexo. Enfim a maconha era a substância psicotrópica que mais se destacava na sociedade, desde o mais rico ao mais pobre, todos consideravam o “baseado” como relaxamento do “stress” e uma viagem ao mundo desconhecido que ele proporcionava.

Essa erva verde com advento de uma nova era não perdeu seu espaço. Sendo que em alguns países a maconha foi legalizada e descriminalizada. O que ocorre atualmente é que a sociedade brasileira está pagando um alto preço pela falta de políticas públicas que vise preparar os jovens quanto ao futuro incerto inerente às drogas.

De forma silenciosa e discreta, outro vilão veio chegando e ocupando os bairros e periferias das cidades brasileiras - é ele mesmo: o CRACK. Substância química oriunda do resto do preparo da cocaína, ou seja, é o resto de uma droga com alto valor no mercado e elevado custo de aquisição.

Sabemos ironicamente que a desigualdade social impera até na vida dos dependentes químicos: a cocaína, Ecstasy, LSD e a heroína não compõe o dia a dia de um Joãozinho filho de José e Maria da favela “Não Sei Do Que”.

Então como o mundo do tráfico e seus “colaboradores” (traficantes) não querem perder um centavo sequer com suas ilicitudes, o crack foi adotado como opção para os menos favorecidos. No entanto possui um porém: O crack tem efeitos destrutivos mais rápidos que as outras drogas já citadas. O organismo e o sistema cardíaco do usuário de crack se degeneram rapidamente vindo a causar morte prematura do usuário.

O comércio dessa droga criou uma animosidade entre seus traficantes e os que comercializam maconha e cocaína, vez que na disputa do comércio de entorpecentes, os que comercializam o crack estariam trazendo prejuízo aos seus rivais, além de roubar seus clientes, terminando por mata-los em razão de seu efeito nefasto.

Isso tem ocasionado “guerras” entre essas facções rivais pela disputa de poder. O interesse de um traficante de drogas é manter seu cliente vivo o quanto puder, embora no seu código a pena para um inadimplente é sempre a morte. Não se espera que todos venham a sucumbir rapidamente consumindo crack, porém este está trazendo problemas de dimensões perigosas, uma vez que cada dia passa está ultrapassando o consumo da maconha e cocaína.

O índice de usuários de crack que estão a vegetar pelas nossas grandes cidades tem aumentado consideravelmente, como por exemplo, a “Cracolândia” da capital de São Paulo. E para isso qual seria a solução: Segurança Pública ou Saúde Publica? Ou os dois juntos?

Outro grande problema é que o crack vicia rapidamente o usuário, além de adiantar seu estado vegetativo; uma síndrome de abstinência dessa droga pode ser muito danosa a sua própria vida e de seus familiares. Pois o desespero de alguém vitimado pelo consumo de crack, leva muitas vezes ao cometimento de pequenos furtos, assaltos à mão armada, e em muitos casos até o latrocínio (roubo seguido de morte), tudo para poderem sustentar o vício.

Espera-se então que as autoridades constituídas pelo povo através de voto direto, adotem medidas preventivas e aprimore nosso atual Sistema de Saúde, que com políticas de tratamento, recuperação e acompanhamento do usuário e ainda também em campanhas nacionais que busquem afastar o jovem desse mundo tenebroso e sangrento que o crack proporciona. É necessário que o uso das drogas seja combatido, mais especificamente nesse caso, o crack tem sido motivo de prostituição infanto-juvenil, onde jovens se submetem a realizar pequenos programas, para satisfazerem seu vício.

Essa luta é de todos nós, DE TODOS NÓS e, portanto, não podemos permitir que mais vidas sejam ceifadas pelas drogas. O apoio familiar, o apoio escolar e o apoio religioso são armas eficientes, porém, todas as forças são necessárias para combater esse mal chamado droga.

Não deixe para amanhã o que você pode fazer agora. Aliás, VOCÊ JÁ CONVERSOU COM SEU FILHO SOBRE DROGAS HOJE?

(*)Brenno da Silva Medeiros é investigador da Polícia Civil em Mato Grosso do Sul.

Maré favorável
Como diriam os dirigentes do Partido Comunista Brasileiro, o velho Partidão, de Prestes e Hércules Correia, há, no momento, condições objetivas para ...
Uma nova educação superior
Somos lentos, inclusive para acompanhar a rapidez da nossa própria tecnologia. A maior parte dos jovens brasileiros hoje já tem acesso a celulares e ...
Como manter o engajamento na sua rede de franquias?
Não é de hoje que temas como motivação e produtividade estão em pauta nas organizações. O motivo é simples. A diferença entre o sucesso e o insucesso...
Agricultura familiar, um estímulo à economia brasileira
O agronegócio está entre as principais atividades responsáveis por movimentar a economia brasileira. De acordo com um levantamento feito pelo Centro ...



Tudo que falarem é mais um artigo bonito para ler. O remédio é cabar com a droga e com o traficante. Alguem já viu um projeto de político para acabar com a droga? Outro para acabar com traficante? É impossivel? Mentira, mais fácil que você pensa. Eu com a grana e o poder dessses cara já tinha acabado
 
luiz alves pereira em 19/03/2012 08:27:36
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions