A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

12/05/2011 11:00

Da Cizânia, por Heitor Freire

Por Heitor Freire (*)

Há uma característica interessante no ser humano: a discórdia. Desde que o homem foi criado por Deus, se instalou em seu interior o vírus da discórdia (que muitas vezes se trasveste pelo vírus da traição), – por ação do outro lado e seu próprio consentimento – e que, aos poucos, contamina todo o seu comportamento e provoca a destruição de tudo o que se conquistou até então.

Começou com Adão e Eva, prosseguindo com Caim e Abel. Quando os homens resolveram construir a Torre de Babel para tentar alcançar o céu e depois disso se separarem, Javé – o deus bíblico – criou a grande confusão, dando a cada homem uma língua diferente, que ocasionou a falta de entendimento entre eles. E a separação. Cada um foi para um lugar diferente.

Ao vírus da discórdia e da traição foi ainda, acrescentado o vírus da ganância.

E assim, quando Roboão sucedeu a seu pai Salomão como rei de Israel, aumentou exageradamente os impostos, causando a separação entre as doze tribos de Israel: duas – Judá e Benjamin – ficaram com Roboão, que se tornou rei de Judá; as demais se uniram e criaram o reino de Israel, provocando a grande separação entre os hebreus até então unidos.

E a mesma situação se observa no comportamento do homem, principalmente quando se verifica a evolução das religiões no tempo e no espaço.

Na religião cristã: Quando Constantino, imperador romano, percebendo o crescimento dessa religião, sentiu o seu reinado ameaçado, já naquela época, 325 d.C., aplicou um princípio depois enunciado por Maquiavel, atraiu para si os seus inimigos, os dirigentes cristãos, e promoveu o Concílio de Nicéia, unindo-se a eles para gerar a discórdia.

Isso fez com que a cúpula da igreja se dissolvesse e Constantino criasse a religião oficial do estado – com o que não concordaram os verdadeiros discípulos de Jesus.

Na religião muçulmana: Logo depois da morte de Maomé, o profeta, houve uma cisão que persiste até hoje – os sunitas e os xiitas – demonstrando assim o que causa o germe da discórdia. Estes em nome da mesma religião se matam desde aquela época.

O mesmo se observa em todos os grupamentos humanos de qualquer natureza. Os seres se unem por um ideal comum. Começam um trabalho associativo que persiste até que o vírus se infiltra, gerando a discórdia e a separação. É evidente que a infiltração do vírus só se dá com o consentimento pleno do ser humano.

Claramente estamos vivendo tempos de perplexidade, de dubiedade, de incertezas, tempos controversos, de inversão de valores.

E esse comportamento se observa também nas empresas, nos negócios e nas famílias.

Hoje e há tempos, assistimos os cristãos se digladiando na Irlanda em nome de Jesus.

O vírus da discórdia é facilmente observável nas igrejas evangélicas – que na realidade não são “igrejas” mas grupamentos unidos para promoverem a mais abjeta comercialização de um sentimento que é puro em sua origem: a fé.

A própria proliferação destas igrejas evangélicas é uma confirmação disso. Estas foram amplamente disseminadas aqui no Brasil.

Alguns espertos com grande poder de persuasão sentiram que poderiam convencer as pessoas – que estão sempre à procura de uma tábua de salvação – a aceitar uma ilusão e passaram a vender-lhes um lugar no céu. Outorgaram-se títulos, sem nenhum constrangimento.

Depois quando começaram as discórdias separaram-se, cada uma criando a sua própria “igreja”. O único objetivo é a arrecadação financeira.

Camões já dizia com muita competência: “Quando os interesses se chocam cessa tudo o que a antiga musa canta”.

Estas, ditas evangélicas, não podem ser confundidas com as igrejas que resultaram do cisma promovido por Lutero, as igrejas protestantes: a luterana, a batista, a metodista, a adventista e a presbiteriana.

A forma de neutralizar e anular a discórdia e a ganância é por meio do amor verdadeiro, amando ao próximo – verdadeiramente – como a si mesmo, como Jesus ensinou de forma magistral.

Falando em igrejas, há um ponto usado pela igreja católica: perpetuar o sofrimento como apanágio para a “salvação”. Basta verificar como na grande maioria das imagens Jesus é apresentado sofrendo com a coroa de espinhos, carregando a cruz, caindo várias vezes, sempre com expressão de dor. E Ele foi um ser que encarnou com muita propriedade a alegria de viver. Em apenas três anos de atividade pública deixou mensagens que até hoje, e para sempre, servirão de orientação para a humanidade.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



A conclusão do Heitor, deveria ser no sentido de que nenhuma religião deve se alvorar de salvadora. O martírio de Jesus existiu porque ele era um doente mental. Quando na cruz ele proferiu: "Senhor porque me abandonaste?..." Em verdade, ele caiu em si, e verificou que "aquele Senhor" proferido... nunca existiu.
- Para mim - Deus existe - mas temos que viver como se não existisse.
- Não podemos viver como coitados, esperando esmolas dos políticos e governos.
- Vamos à luta, para sermos respeitados.
 
Jôni Coutinho em 12/05/2011 11:53:29
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions